Saúde 4.0 – Com ampla geração de dados, medicina diagnóstica depende de tecnologia

Saúde 4.0 – Com ampla geração de dados, medicina diagnóstica depende de tecnologia

Debate virtual promovido pelo Sebrae-PB também abordou os aprendizados da pandemia

25 de novembro de 2020

Executivos da saúde se reuniram virtualmente dia 12 de novembro para debater os avanços e os desafios tecnológicos da medicina diagnóstica em um ambiente prioritariamente digital. Promovida dentro do Saúde Summit, realização do Sebrae-PB e Luz Criações, a palestra “O futuro da gestão na saúde 4.0” contou com participação de Priscilla Franklim Martins, diretora-executiva da Associação Brasileira de Medicina Diagnóstica (Abramed); Jeane Tsutsui, diretora-executiva de negócios do Grupo Fleury; e Jimmy Ayoub, diretor de inovação e produtos da Cuco Health.

Os avanços tecnológicos na medicina diagnóstica são históricos. Estratégico e totalmente dependente de inovação, o setor também é responsável pela geração de uma vasta quantidade de dados que, quando bem geridos, são capazes de promover qualidade de vida ao paciente e informações eficientes para a geração de políticas públicas.

“A transformação digital que estamos vivendo é consequência de todo o investimento em tecnologia já feito. Hoje temos equipamentos monitorados e reparados remotamente, trazendo agilidade à manutenção e impactando positivamente a jornada do paciente; conseguimos fazer digitalmente desde o agendamento do exame até a retirada do resultado; e nos vemos a cada dia mais envoltos por startups que revolucionam o cenário”, comentou Priscilla enfatizando que tudo isso que foi construído com o passar das décadas foi fundamental para o melhor enfrentamento da pandemia do novo coronavírus. “Se não tivéssemos essa realidade agora, como teríamos acesso a tudo isso diante do isolamento social?”, completou.

Usar a tecnologia como forma de otimizar a jornada do paciente é um caminho extremamente necessário na visão de Jeane. Porém, para isso, é preciso ter clareza sobre os entraves que se consolidaram. “Precisamos saber quais necessidades resolver e a implementação precisa ser ágil e flexível para que não se perca o propósito. Se não for assim, as pessoas acabam se perdendo diante de tantas coisas a serem feitas”, disse enfatizando a necessidade de colaboração e união entre os atores.

Na visão de Ayoub, apesar de tantos avanços significativos, o setor ainda tem um delay que precisa ser eliminado. “A pandemia diminuiu esse atraso, mas ele certamente existe. Nem toda a cadeia de saúde, nem todo o ecossistema, estão alinhados com esse processo de transformação que tende a ficar mais robusto”, pontuou. “Criamos maturidade nos últimos meses, infelizmente impulsionada pela COVID-19. Mas, hoje, temos um cenário de transição em velocidade mais alta do que tínhamos ano passado e com certa tendência de ser irreversível. Há alguns meses eu escutava que isso era fogo de palha e que passaria logo, hoje vejo que há sim uma corrida desenfreada na busca por aderir ao conceito de omnichannel”, completou.

Moderado por Dalu Melo, jornalista e criadora digital, o debate seguiu tratando sobre a relevância dos dados gerados pela medicina diagnóstica. “Por que esses dados ainda não estão sendo usados de forma colaborativa”, questionou a mediadora.

Jeane acredita que colocar o paciente no centro do cuidado também otimiza esse processo colaborativo. “Ele deve ter as informações para compartilhar com quem quiser. Hoje o foco está nos diferentes elos da saúde, ou seja, em operadoras, prestadores e hospitais. Precisamos mudar o foco para o paciente”, declarou. Segundo a executiva, o Grupo Fleury vem trabalhando para que os dados fiquem à disposição do indivíduo e no desenvolvimento de ferramentas que permitam, a ele, o compartilhamento.

Priscilla também acredita que empoderar o cidadão é o melhor caminho, mas que as empresas têm grande responsabilidade, principalmente educacional. “Não basta ter o acesso se o paciente não entende a importância desse histórico”, alertou. Para a diretora, além da empresa ensinar e do paciente aprender, há também o papel do Estado na integração dos setores público e privado de saúde permitindo a visualização sistêmica. “Hoje, se faço um exame na rede privada, não consigo utilizá-lo no meu atendimento via SUS”, disse reforçando que para que tudo isso seja concretizado, há também a necessidade de garantir ao país inteiro uma conexão de qualidade.

Para Ayoub, a tecnologia que existe no país consegue garantir essa conexão. Mas Jeane diz que na teoria a tecnologia está disponível, mas que no dia a dia há sim dificuldades, além de certa carência de profissionais especializados para promover esse processo integrativo.

Aprendizados da pandemia

“Difícil não ter uma sensação de aperto no peito por tudo isso que estamos vivendo. Mas é inegável que tivemos aprendizados e muita colaboração”, disse Priscilla ao iniciar o debate sobre como a COVID-19 impactou o setor. “Nunca tínhamos visto um diálogo tão aberto no setor de saúde que, historicamente, conversava pouco. Foi a pandemia que transformou tudo isso. De repente nos vimos todos com as mesmas dores tendo de sentar e debater como superar os desafios no menor espaço de tempo possível”, disse a executiva.

Jeane, concordando com Priscilla, enfatizou a importância desse movimento assistido nos últimos meses. “Nunca tivemos no Brasil tantas empresas se mobilizando para auxiliar no combate ao novo coronavírus. Obviamente o governo puxou algumas ações, mas muita coisa partiu do setor privado. Não podemos perder esse espírito”, comentou.

Para Ayoub – um pouco menos otimista – apesar do diálogo ter existido, ainda é preciso focar nos resultados dessas conversas. “Tivemos poucas soluções que, usando a tecnologia, envolviam diversos players e ainda há concorrência entre eles”, declarou trazendo à tona o debate sobre os atuais modelos de remuneração praticados no país. “Ainda estamos pautados pelo fee-for-service. Existe sensibilização e inúmeras discussões. Mas também existe, ainda, uma percepção de que é cada um por si quando, na verdade, o produto tecnológico é a soma de várias ações e pontos bem feitos”, finalizou.

Associe-se Abramed

Assine nossa Newsletter

5 FILIS Save The Date Abramed Home Office