Especialistas debatem o legado e os desafios da medicina diagnóstica no pós-pandemia

Especialistas debatem o legado e os desafios da medicina diagnóstica no pós-pandemia

Bate-papo abordou temas relevantes para o segmento no primeiro dia do 5° FILIS

O paciente no centro do atendimento, o acesso aos cuidados, a sobrecarga do sistema no pós-pandemia, a formação de profissionais e a fragmentação da saúde são alguns dos desafios econômicos para o segmento de diagnóstico debatidos na 5° edição do Fórum Internacional de Lideranças da Saúde (FILIS). Moderado pelo médico sanitarista e professor da Universidade de São Paulo, Gonzalo Vecina, o painel com o tema “Futuro da Saúde e os impactos econômicos no Pós Pandemia” reuniu para a conversa o CEO da DB Diagnósticos do Brasil, Antonio Fabron Junior; o General Manager da Abbott no Brasil, Julio Aderne; o CEO Americas Serviços Médicos – UHG, Marco Costa; e o Presidente do Hospital Albert Einstein, Sidney Klajner.

De acordo com Vecina, é preciso articular como ficará a questão do acesso à saúde em um sistema sobrecarregado que ainda tem o ônus de muitos exames não realizados durante a pandemia de Covid-19. “É preciso discutir a questão do abalo econômico do setor que trabalha tanto com o Sistema Único de Saúde (SUS) quanto com a iniciativa privada”, disse ele, que destacou que a Abramed é um elemento fundamental para construir essa colaboração no segmento.

Adepto deste conceito de união do setor, Sidney Klajner afirmou que para alcançar o propósito de levar saúde para todos os cidadãos são necessárias ações colaborativas e que, neste sentido, “nenhuma organização conseguirá fazer nada sozinha”. O presidente também falou sobre a diferença entre custos e valor quando se trata de saúde. “Valor não é previsibilidade de custos. A entrega em saúde, o tratamento ou a alta complexidade podem ser o maior valor”, explicou.

Para Julio Aderne, o paradigma central no processo de criar valor no sistema de saúde é colocar o paciente no centro das decisões. “Cada elemento da cadeia de saúde, complexa e fragmentada, precisa colocar verdadeiramente o interesse do paciente no centro”, lembrando que, uma enquete realizada pela Abbott em maio com mais de duas mil pessoas de todas as regiões do Brasil revelou ser esse exatamente o desejo da população “estar no centro do atendimento”.

A pesquisa mostrou ainda que 70% das pessoas querem utilizar tecnologia para interagir com seus médicos, o que, segundo Aderne, se relaciona diretamente ao compromisso da Abbott como desenvolvedor de tecnologia: gerar informação através da tecnologia para permitir a maximização da eficiência do sistema.

“Nosso setor tem grande potencial, mesmo na crise econômica, nós crescemos, mas temos que acelerar as transformações em tecnologia e a qualidade do atendimento aos pacientes, colocando-os no centro dos cuidados e investindo em ações preventivas”, comentou Antonio Fabron Junior, ponderando que elementos culturais institucionais brasileiros – como a corrupção e a falta de articulação dos agentes públicos –devem impactar a curva de recuperação da economia no pós-pandemia.

De acordo com Fabron, para diminuir os impactos econômicos do pós-pandemia, os gestores de empresas de medicina diagnóstica precisam acelerar a transformação tecnológica que aumenta eficiência e produtividade, bem como a qualidade da relação com os clientes, lembrando ainda da relevância da medicina preventiva.

Nesta linha, Marco Costa destacou os Sistemas de Excelência de Cuidados Avançados voltado às doenças crônicas. “Temos uma campanha de tentar resolver o problema da fragmentação do cuidado da saúde suplementar no Brasil e estamos tentando criar um sistema de saúde integral da saúde”. Com uma visão otimista sobre o futuro, Costa afirma que a Americas está investindo na digitalização dos serviços e no oferecimento do acesso à saúde. “E assim vamos avançando na redução do atendimento em pronto-socorro tratando esse paciente em casa ou no sistema ambulatorial e assim diminuir um pouquinho essa fragmentação na saúde”, completou.

Papel fundamental no futuro da saúde, a formação em novos médicos e profissionais da saúde também foi abordada. Segundo Klajner, o investimento na área acadêmica veio para suprir a necessidade de atualização dos currículos das instituições tradicionais de ensino. “Não cabe mais a formação de um profissional que não contenha temas como transformação digital e gestão.  É obrigação de todo médico poder antever o que a sua caneta consegue realizar com o sistema de saúde”, disse, completando que as iniciativas de ensino do Einstein cresceram 80% em 2000, chegando a 85 mil alunos por conta da ampliação de ambientes virtuais.

Confira aqui o debate na íntegra deste e das demais palestras e painéis concretizados nesta 5° edição do FILIS. A gravação estará disponível até o final do mês de outubro.

Associe-se Abramed

Assine nossa Newsletter

    6° FILIS – Inscrições Abertas! Guia LGPD