ABRAMED promove discussões no Global Summit 2021 sobre transformação digital na medicina diagnóstica

ABRAMED promove discussões no Global Summit 2021 sobre transformação digital na medicina diagnóstica

A convite da entidade, especialistas em tecnologia e em telessaúde falaram sobre o 5G e as inúmeras possibilidades de aplicações, bem como os desafios e as oportunidades que ajudarão a aprimorar a qualidade do diagnóstico e a experiência do paciente 

A Abramed participou da edição 2021 do Global Summit Telemedicine & Digital Health visando discutir a saúde digital e os seus impactos na medicina diagnóstica. O evento é promovido anualmente pela Associação Paulista de Medicina (APM) em parceria com o Transamerica Expo Center e aconteceu de 9 a 13 de novembro. 

No segundo dia de evento, Wilson Shcolnik, presidente do Conselho de Administração da Abramed, moderou o painel “Empresas de Diagnóstico”, com participação de Daniella Maria M. Bahia, diretora Médica do Grupo Fleury; Victor Gadelha, head de Inovação Médica de Operações Hospitalares e Cuidados Integrados da DASA; Gustavo Meireles, vice-presidente médico do Grupo Alliar Médicos à Frente; e Istvan Camargo, head do Skyhub do Grupo Sabin.

Eles abordaram temas como a saúde digital no diagnóstico a serviço da melhor experiência na Saúde, a inovação como caminho para saúde baseada em valor, as estratégias para geração de valor, eficiência e qualidade em diagnóstico por imagem e a transformação da user experience de análises clínicas. 

Shcolnik acentuou que a saúde digital tem papel importante na eficiência do diagnóstico, na melhoria da experiência do paciente, na qualidade do atendimento e também na redução de custos. “Este é um processo irreversível e vem acontecendo aceleradamente no setor”, ressalta. 

Daniela trouxe diversos aspectos sobre como a experiência do usuário, médico ou paciente, deve ser agradável e reforçou como isso conquistou relevância nos últimos dez anos. No entanto, segundo a médica, ainda existe um questionamento a respeito de ainda ser possível conciliar a humanização e o digital mantendo uma boa experiência e respondeu à pergunta afirmativamente. “Fazemos telemedicina desde os primórdios da medicina diagnóstica se pensarmos nos 95 anos do Fleury, por exemplo, e nas inteirações entre os profissionais discutindo casos clínicos. No contexto do diagnóstico, na radiologia especificamente, isso é uma realidade, e sabemos quanto a digitalização nos auxiliou no contexto da covid-19 e também na hematologia, o quão é possível uma centralização de laudos. São recursos que agilizam o diagnóstico, que permitem acurácia e qualidade no nosso dia a dia. A mesma coisa na patologia digital, trazendo flexibilidade no local de trabalho”, enfatiza.

E é exatamente a experiência do paciente que embasa esse processo de transformação digital tão importante para a saúde que foi contextualizado por Victor Gadelha. Nesse cenário, os pacientes têm conquistado cada vez mais força e estão engajando-se cada vez mais em seu tratamento, demandando do profissional de saúde outro comportamento. Segundo ele, a medicina baseada em evidência mudou a saúde e a colocou um patamar muito avançado, mas a medicina de precisão e os algoritmos permitem um passo a diante. 

Com esse aprendizado profundo e inteligência artificial, é possível descer ao nível do indivíduo, o que está muito forte, por exemplo, na genética. “O algoritmo é importantíssimo para diagnosticar precocemente as doenças e fazer uma terapia que entregue muito valor em saúde, melhorando muito o desfecho clínico e fazendo as pessoas viverem por mais tempo. Esse é um atributo fundamental. E já estamos vendo isso. Criamos esse mundo real baseado em dados”, complementa. 

Ainda sobre agregar valor, Gustavo Meireles trouxe um exemplo real sobre algumas estratégias de geração de valor, eficiência e qualidade em diagnóstico por imagem. O executivo detalhou um modelo que já vem sendo operado no Grupo Alliar há alguns anos, que é a IDR (Inteligência Diagnóstica Remota), uma plataforma de soluções em saúde que congrega um command center, treinamentos, protocolos padronizados, algoritmos de inteligência artificial, serviços de telemedicina – incluindo telerradiologia e telecardiologia – e reconstruções avançadas. Na radiologia e no diagnóstico por imagem, por exemplo, ela surge como apoio para a realização de exames à distância, comandados remotamente por médicos especialistas e feitos por braços robóticos. 

“Isso permite não só ampliar o acesso, levando os exames para regiões mais distantes, como também diminui o tempo de realização e aumenta a assertividade dos diagnósticos, inclusive com apoio da inteligência artificial para fazer as primeiras triagens e reconstruir as imagens em 3D. O objetivo é aumento das receitas, disponibilidade maior de ativos, redução de custos, a qualidade médica e de gestão, gerando, claro, valor para o cliente final”, ressalta Meireles. 

Voltando um pouco para experiência do paciente e entrando especialmente na esfera das transformações nas análises clínicas, Istvan Camargo contextualizou que esse conceito de inovação mudou, assim como no mercado como um todo. Ela está deixando de ser direcionada somente a novos produtos, medicamentos, testes, vacinas, e volta-se, especialmente, à geração do valor, com foco mais do que nunca na experiência do usuário. “É aqui que a inovação deve acontecer daqui para diante. Nesse ponto, o setor de saúde sempre foi muito criticado e apontado como conservador, mas é preciso quebrar esse dogma. De fato, sempre investimos muito em produto e temos uma prestação de serviços de excelência. Mas, o consumidor quer mais e busca uma experiência mais similar com a que está acostumado em outros setores de sua vida. A boa notícia é que não estamos parados: a pandemia acelerou isso e mexeu profundamente com a UX.” 

No caso do usuário de análises clínicas, Camargo ressalta que a aplicação da tecnologia já avançou e está desde a consulta e o pedido médico, agendamento do exame, preparação e orientação, até a realização dos exames e o envio dos resultados, ajudando a trazer mais fluidez e otimização dos processos. 

Painel Nacional – Abramed e Anahp

No dia 11, representando a Abramed, Carlos Figueiredo, superintendente de Negócios e Operações do HCor, abordou os desafios da telessaúde na medicina diagnóstica. Figueiredo contou como o telediagnóstico já vem sendo usado na prática, por meio do TeleCG, um programa no HCor com o PROADI-SUS, que atende os pacientes nas ambulâncias do SAMU. Os exames à distância ampliam o acesso ao diagnóstico em regiões com escassez de recursos, equilibrando a oferta e a demanda, bem como aumentam a qualidade da avaliação diagnóstica, em especial se combinados a ferramentas de suporte à decisão clínica e algoritmos de inteligência artificial que ajudam na priorização dos diagnósticos, evidenciando o que, talvez, não seria percebido pelo olho humano. Além, claro, de proporcionar redução de custos. 

“Às vezes não temos disponibilidade de profissionais para fazer uma avaliação de um eletro em tempo real. Com o telediagnóstico, atingimos uma população que, se não fosse através de uma ferramenta digital, não teria acesso no tempo necessário e no local necessário”, enfatiza. 

Sobre os desafios, Figueiredo ressaltou que nesses dois anos a adoção de métodos digitais acelerou de uma forma que, em períodos normais, aconteceria em décadas. No entanto, enfatizou que ainda existem muitos problemas relacionados a infraestrutura no país. Muitas cidades no Brasil ainda não têm acesso a conexão de qualidade para a integração e para que o diagnóstico aconteça no tempo e na forma adequada, com discrepâncias entre regiões. A segurança da informação também foi apontada como desafio recente e deve ser olhada com atenção, assim como as barreiras culturais, que, dependendo do tipo da aplicação, principalmente na área diagnóstica, ainda existem. Além disso, outro ponto é a dificuldade de dar seguimento ao cuidado, seja no tratamento, seja na orientação do profissional que está recebendo o laudo a respeito da conduta a ser seguida. “É preciso oferecer não só o diagnóstico e orientação, mas também mecanismos e ferramentas que gerem disponibilidade no sistema para continuidade no tratamento”, reforça.

Participaram ainda do debate Eduardo Cordioli, gerente médico de telemedicina do Hospital Israelita Albert Einstein e presidente da Saúde Digital Brasil e Felipe Cabral, Coordenador Médico de Saúde Digital do Hospital Moinhos de Vento.

Cordioli complementou um ponto importante colocado por Figueiredo, que é a falta de estrutura. Para o especialista, a chegada do 5G será uma importante alavanca para levar ao cenário ideal da saúde: médicos e pacientes conectados ao longo de toda a jornada do cuidado. Cabral também colocou a interoperabilidade e a colaboração entre todos os stakeholders da saúde também foi apontada como uma condição essencial. Assim como, a educação e o treinamento dos profissionais para estarem aptos a exercerem com excelência a telemedicina, que nada mais é do que medicina.

Associe-se Abramed

Assine nossa Newsletter

    6° FILIS – Inscrições Abertas! Guia LGPD