Incorporação da tecnologia cresce na medicina diagnóstica

Incorporação da tecnologia cresce na medicina diagnóstica

Associadas da Abramed investiram entre R$ 600 milhões a R$ 1 bilhão em 2021 em inovações que ajudaram a melhorar a excelência, a qualidade dos diagnósticos e oferecer melhores experiências para os pacientes. A adoção dos canais digitais é uma das principais tendências

A transformação digital vem acontecendo aceleradamente, impulsionada pela pandemia. Não por acaso, segundo a Distrito, maior ecossistema independente de startups do Brasil, os investimentos em healthtechs – cruciais para apoiar o processo de inovação no setor de saúde no país – mais que dobraram de 2020 para 2021. Inteligência Artificial (IA), telemedicina, telerradiologia, internet das coisas (IoT), wearables, tecnologias móveis, dados, automação de processos e de fluxo laboratoriais, assistentes virtuais, assistentes por voz e o 5G são tecnologias que já se fazem presentes e assumirão um papel cada vez mais importante na medicina diagnóstica.

Apesar do panorama complexo e desafiador, em 2020 e 2021, o setor de medicina diagnóstica continuou investindo em novas tecnologias e formas de atendimento para ofertar soluções de diagnóstico laboratorial e de imagem.  Segundo dados do Painel Abramed 2021 – O DNA do Diagnóstico, os investimentos em novos equipamentos e também em tecnologias variaram entre R$ 600 milhões a R$ 1 bilhão em 2021, valores que podem ter sido de 50% a 80% superiores aos de 2020.  Isso está relacionado ao reaquecimento do setor, após a queda nos primeiros meses da pandemia. 

As vantagens da incorporação da tecnologia são inúmeras e impactam em diagnósticos mais precisos e rápidos, elevando consideravelmente as chances de controle e tratamento de inúmeras doenças e contribuindo para um melhor cuidado. Também possibilita a ampliação do acesso à saúde, traz agilidade e otimiza os fluxos, apoiando na busca da sustentabilidade. Além de oferecer melhores experiências, um serviço de excelência e uma jornada mais fluída para os pacientes. 

A tecnologia, de acordo com Wilson Shcolnik, presidente do Conselho de Administração da Abramed, trouxe a velocidade necessária para atender a demanda que cresceu exponencialmente no último ano.  O setor de medicina diagnóstica é, desde sempre, um forte usuário e demanda atualizações frequentes, em especial no parque de diagnóstico por imagem, área que oferece exames cada vez mais com precisão e dispõe de recursos capazes de capturar imagens menores, com riquezas de detalhes.

Os exames genéticos também estão exigindo novos equipamentos analíticos e metodologias. Isso inclui, por exemplo, dispositivos simples e testes rápidos, que permitem atendimento hospitalar e realização de procedimentos na beira do leito; e exames de alta complexidade, “como foi o sequenciamento de Nova Geração muito utilizado para detecção de mutações na medicina personalizada, que também foi empregado na pandemia”, complementa Shcolnik.

Outro legado deixado pela pandemia é a consolidação dos canais digitais. É fato que essa é uma tendência que veio para ficar e será cada vez mais aprimorada. Afinal, o paciente está cada vez mais exigente e buscando uma experiência mais similar com a que está acostumado em outros setores de sua vida. Quase 70% dos associados, segundo o Painel Abramed 2021, desenvolveram aplicativos, que englobaram desde o processo de agendamento, atendimento ao paciente, através do web check-in, até a checagem de resultados. Isso foi crucial para desafogar as filas e diminuir o tempo de permanência dessas pessoas nas unidades.

“Os canais digitais têm uma vantagem enorme para os pacientes por uma série de motivos. Hoje a história dele está no aplicativo. Isso em saúde pública muda desfecho, porque você consegue fazer com que em algum momento o médico olhe toda a sua história e este é mais é um legado que a medicina diagnóstica está trazendo. Quanto mais pessoas pudermos impactar com a tecnologia, mais saúde coletiva teremos, mais diagnósticos precisos, mais informações clínicas em uma base de dados”, ressalta Shcolnik.

Tendências de mercado

A telerradiologia veio para ficar e surge como apoio para a realização de exames à distância, comandados remotamente por médicos especialistas e feitos por braços robóticos. Isso tudo permite não só ampliar o acesso, levando os exames para regiões mais distantes, como também diminui o tempo de realização e aumenta a assertividade dos diagnósticos, inclusive com apoio da inteligência artificial para fazer as primeiras triagens e reconstruir as imagens em 3D.

A transmissão em tempo real de exames por meio de streaming é também outra tendência, que ajuda a melhorar a entrega dos resultados ao paciente. Com este tipo de plataforma, é possível ampliar a oferta de exames com qualidade, fomentando uma comunicação ativa entre especialistas e generalistas – profissionais capacitados para realizarem diagnósticos e indicar cuidados mais generalistas, avaliando o paciente de forma mais integral e sem observar uma área específica. O médico que está realizando o exame pode solicitar, por exemplo, a qualquer tempo, apoio ao revisor durante a aquisição de imagens ou na conclusão do laudo.

O reconhecimento de voz, utilizando inteligência artificial, pode ajudar a converter áudio em laudo, minimizando as chances de erros na hora de digitar o documento. O recurso reduz o tempo despendido com a elaboração do laudo, o que é crucial, por exemplo, em locais de alta demanda ou em casos de urgência e emergência.

Já IoT, aliada a predição da inteligência artificial, consegue eliminar a necessidade de esperar pelas ocorrências, e habilita a capacidade de prever que elas ocorrerão e, desta forma, agir para evitá-las. Com este tipo de tecnologia é possível monitorar à distância e em tempo real, ambientes e equipamentos de engenharia clínica e de infraestrutura. Desta forma, é possível prever quebras e mau funcionamento que poderiam interromper a realização de exames complexos, como tomografia computadorizada e ressonância magnética.

“Vivemos um processo irreversível, a tecnologia e o digital têm papel importante na eficiência do diagnóstico, na melhoria da experiência do paciente, na qualidade do atendimento e também na redução de custos. Por isso, a Abramed está sempre atenta às novas tendências tecnológicas e também em estratégias que podem contribuir para geração de valor no setor”, finaliza Shcolnik.

Associe-se Abramed

Assine nossa Newsletter

    Guia LGPD