Aumento dos casos de monkeypox exige diagnóstico mais rápido e preciso

Aumento dos casos de monkeypox exige diagnóstico mais rápido e preciso

Atualmente, há pelo menos 50 mutações do vírus, por isso, a importância de ampliar a definição diagnóstica

Após o surto de covid-19, todas as atenções passaram a se voltar para a monkeypox, também chamada de varíola dos macacos, que está se espalhando em grande escala no mundo inteiro desde o início de maio de 2022. Já foram registrados 27 mil casos em 88 países, de acordo com o Centro de Controle e Prevenção de Doenças dos Estados Unidos (CDC).

Primeiramente, os casos foram detectados no Reino Unido, Portugal e Espanha. No Brasil, são 1.860 confirmados, segundo dados divulgados pelo Ministério da Saúde na primeira semana de agosto, representando um aumento de 48% em relação à semana anterior. O estado de São Paulo está na liderança, seguido por Rio de Janeiro e Minas Gerais.

No dia 29 de julho, foi confirmada a primeira morte pela doença no Brasil. Era um homem de 41 anos com graves problemas de imunidade e que estava internado no Hospital Eduardo Menezes, em Belo Horizonte, MG. Importante ressaltar que a monkeypox é bem menos letal que a varíola dos humanos, erradicada em 1980. Segundo a Organização Mundial da Saúde, a letalidade é de 3% a 6%.

A Monkeypox é uma doença transmitida pelo ortopoxvírus, um poxvírus de circulação até então restrita a países africanos, onde as pessoas vivem perto dos animais da floresta que carregam o vírus. A transmissão se dá por meio do contato com animal ou humano infectado ou com material corporal humano contendo o vírus. Entre humanos se dá principalmente por meio de secreções respiratórias, lesões de pele ou objetos recentemente contaminados. O grande alerta é para evitar o contato íntimo e prolongado com quem tem a doença.

A data mais precoce de início dos sintomas no mundo foi em 17 de abril de 2022, sendo a maioria dos casos entre pessoas de 31 e 40 anos (42%) e do sexo masculino (99,6%). A maioria apresentou erupção cutânea e sintomas como febre, fadiga, dores musculares, vômitos, diarreia, calafrios, dor de garganta ou dor de cabeça.

A erupção na pele geralmente se desenvolve pelo rosto e acaba se espalhando para outras partes do corpo, incluindo os órgãos genitais, parecendo com varicela ou sífilis, a diferença é a evolução uniforme das lesões. Os quadros são normalmente brandos e não há necessidade de internação, mas a hospitalização pode ser necessária quando há grande desconforto e dificuldade de ingestão de água e/ou alimentos, dor na região anogenital ou infecção bacteriana secundária das lesões. O vírus é normalmente autolimitado e dura entre 3 e 4 semanas.

O aumento da incidência da doença pode ser explicado por quatro razões, segundo estudos do Núcleo de Enfrentamento e Estudos em Doenças Infecciosas Emergentes e Reemergentes (Needier) da Universidade Federal do Rio de Janeiro: a cessação da vacinação contra a varíola em 1980 e a queda da imunidade contra os ortopoxvírus; exposição maior ou mais frequente a espécies de animais transmissores; aumento da taxa de transmissão de humano para humano; e avanço na capacidade de diagnóstico e educação em saúde.

A gravidade da monkeypox pode ser maior entre crianças pequenas, mulheres e indivíduos imunodeprimidos, o que causa grande preocupação. Além disso, alguns casos não registram lesões da pele, apenas acometimento anal, ou seja, padrões completamente diferentes dos casos clássicos de monkeypox. Atualmente, há pelo menos 50 mutações do vírus, por isso a importância de ampliar a definição diagnóstica.

Diagnóstico

A recomendação mundial é que se expanda a capacidade diagnóstica, no entanto, no Brasil, ainda há limitações. O Ministério da Saúde instituiu quatro laboratórios públicos de referência capazes de fazer o diagnóstico. Todos estão localizados na região Sudeste e vão receber, inclusive, amostra de outros estados, o que pode atrasar os resultados.

Já está bem definido que o melhor material a ser colhido para o diagnóstico está nas lesões de pele, que têm alta carga viral, mesmo nove dias após seu surgimento. Importante friccionar muito bem o local para colher a quantidade suficiente. Outras recomendações são: não diluir, encaminhar refrigerado e não juntar coletas diferentes. Amostras de sangue, swab de orofaringe e urina também têm sua importância, mas possuem carga viral mais baixa.

A recomendação da Organização Mundial da Saúde (OMS) e da Organização Pan-Americana da Saúde (OPAS) é o diagnóstico molecular, que permite mais agilidade e precisão. Em países não endêmicos, é aceitável o diagnóstico por exame qPCR genérico para poxvírus, não necessariamente para monkeypox, no entanto, os laboratórios estão dando preferência a testes específicos.

Segundo Alex Galoro, diretor do Comitê de Análises Clínicas da Associação Brasileira de Medicina Diagnóstica (Abramed), pelo menos oito laboratórios associados à entidade realizam o exame específico para diagnóstico da monkeypox no país, atendendo a totalidade do território brasileiro. O qPCR, teste de biologia molecular que amplifica partes do DNA viral, é utilizado em vários países e recomendado pela OMS.

O tempo para obter o resultado dos testes costuma variar conforme a metodologia e os equipamentos utilizados, mas a execução em si leva em torno de 6h a 12h. A divulgação dos resultados é de 1 a 2 dias. Os testes de qPCR são bastante precisos, tendo uma sensibilidade e uma especificidade normalmente acima de 95%.

“Nossos associados representam mais de 60% de todos os exames efetuados na saúde suplementar no Brasil, inclusive apoiando pequenos laboratórios que coletam e enviam exames para análise dos grupos maiores. Com o passar do tempo e com o crescimento da demanda, pode haver novos laboratórios realizando esse serviço”, expõe Galoro. Ele enfatiza que quanto antes realizar o exame, melhor para o diagnóstico precoce, a fim de que as recomendações de isolamento e quarentena sejam seguidas.

Vale lembrar que esse exame não precisa de prescrição médica, mas é recomendado que seja indicado por um profissional de saúde após avaliação, inclusive para ver qual o tipo de lesão e fazer a orientação da necessidade e posteriormente do resultado do teste. “Até o momento, a doença não demonstra o mesmo potencial de aumento no número de casos que a covid-19, mas é importante seguir as informações e acompanhar os desdobramentos e as mudanças dos protocolos de saúde”, ressalta Galoro.

O Brasil deve receber as primeiras doses de vacina contra a monkeypox em setembro, segundo o Ministério da Saúde. Este lote deve conter 20 mil doses do imunizante Jynneos, da farmacêutica dinamarquesa Bavarian Nordic. Em outubro, um segundo lote deve chegar, com 30 mil doses da vacina. Apenas dois grupos receberão as primeiras doses: profissionais de saúde que manipulam as amostras colhidas de pacientes; e pessoas que tiveram contato direto com casos confirmados da doença.

Associe-se Abramed

Assine nossa Newsletter

    6° FILIS – Inscrições Abertas! Guia LGPD