Abramed participa de debate no Welcome Saúde 2020

Abramed participa de debate no Welcome Saúde 2020

Com o tema “Despertar de uma nova era”, evento discute perspectivas econômicas e políticas para o setor na nova década

28 de Janeiro de 2020

O vice-presidente do Conselho de Administração da Abramed, Leandro Figueira, foi um dos executivos da saúde convidados a participar do Welcome Saúde 2020, promovido pelo Grupo Mídia, no dia 28 de janeiro, em São Paulo, e que reuniu líderes e representantes de indústrias, laboratórios, hospitais, operadoras de planos de saúde e fornecedores do setor. Figueira compôs a mesa que discutiu “A busca por um ambiente seguro e estável de negócios na saúde em 2020”, com a participação de Valdir Ventura, CEO do Grupo São Cristovão; Rodrigo Lopes, CEO do Grupo Leforte; Amaury Guerrero, CEO do Grupo Opty; moderado pelo doutor em filosofia e direito pela Universidade de Frankfurt, Giovanni Agostini Saavedra.

De acordo com Figueira, poucas áreas foram tão beneficiadas pelo avanço da tecnologia como a saúde, e a medicina diagnóstica tem sido um dos segmentos que têm aproveitado muito essa oportunidade, evoluindo a ponto de permitir que, por exemplo, se detecte a probabilidade de alguém desenvolver determinadas doenças. “Há casos também em que patologias são identificadas muito precocemente, aumentando as chances de sucesso no tratamento”, ressaltou. 

Destacou ainda ser importante que se continue investindo em tecnologia e inovação para a descoberta de novos exames e processos que irão fazer com que a sociedade esteja mais segura. Trouxe como exemplo, o mapeamento do código genético do coronavírus, realizado em menos de dez dias. “Isso vai acelerar a busca por uma vacina eficaz no combate ao vírus e mostra que investir em tecnologia e em segurança fará a sociedade mudar a história no mundo”, completou Figueira.

Já Valdir Ventura, aposta em planejamento estratégico e qualidade para a obtenção de um ambiente seguro nos negócios em saúde. Segundo ele, planejar estratégias trouxe confiança à economia para desenvolver ações dentro da organização que realmente tivessem retorno financeiro, visando o crescimento no mercado.

Outro ponto fundamental, segundo Ventura, foi a mudança na cultura da instituição, investindo em qualidade e transparência. “Temos trabalhado em processos, por meio das certificações, na busca por qualidade no plano de saúde, hospital e unidades ambulatoriais, e vamos trabalhar com muita força em 2020 na sustentabilidade e nos pilares: transparência, iniciativa, comprometimento, criatividade e velocidade das ações para melhor atender os nossos beneficiários”, disse.

Rodrigo Lopes, concordou com Ventura, afirmando que a saúde precisa de transparência em todos os segmentos, mudança no modelo atual de investimentos em políticas de saúde e mais parcerias com a iniciativa privada. “É impossível se pensar em sustentabilidade no setor sem passar pela mudança no modelo de assistência. É fundamental investir em atenção primária, prevenção de doenças, em compliance e em análise de dados, já que informações temos muitas. Precisamos também de parcerias entre os sistemas público e privado para que a saúde, a partir de 2020, possa debater gestão, encontrar seus gargalos e voltar a crescer”, alertou.

O moderador da mesa, Giovanni Agostini Saavedra, comentou que o Brasil é tradicional importador de tecnologias e que as normativas do Estado acabam por atrapalhar os processos de inovação e integração tanto com universidades quanto com o mercado. “As grandes invenções no mundo surgiram em universidades. Por sua vez, temos iniciativas como a telemedicina, que amplia o acesso ao atendimento em saúde, sendo barradas por entidades. Algum dia teremos condições de acompanhar o processo de inovação mundial?”, questionou.

Nos dias atuais, segundo Amaury Guerrero, em que está difícil a sobrevivência no mercado, ainda há a cautela na manutenção da sustentabilidade, o que acaba por atuar como barreira para a inovação. “A modernização faz-se necessária em qualquer cenário, e isso significa incorporar inovações. Não acompanhar esse fluxo pode levar ao desaparecimento de suas empresas. Isso inclui, por exemplo, a automação de processos e telemedicina. Quem não está acompanhando essas modernizações corre o risco de enfrentar dificuldades e perder competitividade”, falou Guerrero.

Segundo Figueira, é preciso que haja mudança da mentalidade de que a incorporação de tecnologia é irreversível e que a telemedicina é real. “Falta regular e estabelecer a remuneração para essa prática, que é um estímulo às inovações e ao desenvolvimento sustentável do setor”, reforçou o vice-presidente, abordando ainda a necessidade de se ter atitudes positivas para conquistar resultados. “Com investimento em tecnologia, busca por eficiência e uso racional de recursos, é possível ofertar mais qualidade ao paciente. Além disso, quando trazemos transparência às ações, a sociedade vive melhor”, pontuou.

Saúde 5.0

Claudia Cohn e Lídia Abdalla, membros do Conselho de Administração da Abramed, também participaram do evento integrando a mesa de debate “Os desafios das Organizações de Saúde rumo à saúde 5.0”, com Irene Minikovski, presidente da Qualirede, e Francisco Balestrin, presidente do CBEXs, moderados por Lauro Miquelin, CEO da L+M.

Na visão de Lídia, a tecnologia e a chegada da internet colocaram todos no mundo globalizado, o que foi positivo do ponto de vista da evolução da medicina, mas há de se saber como aplicar esse conhecimento. “Falar de saúde 5.0 é ter a responsabilidade de que as inovações irão servir à humanidade, e não a sociedade servirá à tecnologia. Cabe aos líderes ver que este é um universo incrível, mas que o princípio de tudo são as pessoas, o paciente no centro do cuidado; e o papel das lideranças é melhorar isso”, disse ela.

Claudia reforçou que os líderes devem sanar as dúvidas e incertezas para as novidades que o advento 5.0 trará à saúde. “Mais do que tudo, não temos de ter pessoas para substituir, temos de ter indivíduos melhores”, afirmou, reforçando que será importante a evolução da sociedade individualista para uma com pensamento de colaboração e busca do bem comum.

De mesma opinião, Francisco Balestrin reforçou que “os líderes precisam ser figuras inspiradoras, que buscam conhecimento e renovação todo dia. O método antigo não vai mais funcionar nesse mundo novo”.

O evento ainda discutiu políticas inovadoras para o país, os reflexos na saúde com a reforma previdenciária e digital health como estratégia para um novo modelo de saúde.

Associe-se Abramed

Assine nossa Newsletter

    6° FILIS – Inscrições Abertas! Guia LGPD

    Veja também