Abramed apoia diagnóstico preciso e de qualidade para geração de valor aos pacientes

Abramed apoia diagnóstico preciso e de qualidade para geração de valor aos pacientes

ema foi debatido por Claudia Cohn, membro do Conselho de Administração da Abramed, em talk show realizado no Congresso Nacional de Hospitais Privados

29 de novembro de 2019

Com uma programação voltada para o conhecimento, inovação e relacionamento, a sétima edição do Congresso Nacional de Hospitais Privados (Conahp), realizado pela Anahp, entre 26 e 28 de novembro, em São Paulo, trouxe o tema “Saúde Baseada na Entrega de Valor: o papel do hospital como integrador do sistema”, que foi debatido a partir das perspectivas de experiência do paciente, modelos assistenciais, informação e tecnologia.

Representando a Abramed, Claudia Cohn, membro do Conselho de Administração, participou do talk show “Experiência do paciente: muito além do cuidado humanizado e da hotelaria, as diferentes dimensões de atuação para a geração de valor aos pacientes”, no dia 28, e defendeu o diagnóstico preciso e de qualidade para tornar a experiência do paciente mais positiva. “Temos que ter a responsabilidade e a consciência para saber que o diagnóstico interfere no cuidado. E quando o paciente está no hospital ou no ambulatório, todos os pontos de contato são diferentes, por isso precisamos pensar efetivamente de forma multidisciplinar. Levar em consideração a expectativa de quem está sendo cuidado é fator fundamental.”

Marcelo Alvarenga, chief experience office do Hospital Sírio-Libanês e coordenador do painel, provocou os participantes comentando que “o ponto de vista individual do paciente sobre o cuidado está relacionado à expectativa de cada um”. 

Para Lucas Andrade, CEO da Clínica Florence, ao longo de uma jornada de assistência, o paciente pode ter expectativas diferentes, mas existe um elemento que não pode deixar de estar no centro do cuidado. “Não existe experiência positiva se não oferecermos segurança”, ressaltou, lembrando que quando se trata de pacientes no fim da vida o cuidado tem de ser maior. “É preciso olhar esse processo como nossa razão de existir para entendermos que seu sofrimento é intenso e nos colocarmos no lugar de quem está precisando de assistência.”

Outro ponto abordado no debate foi o engajamento da equipe e a importância do treinamento para as lideranças, o que impacta diretamente na experiência de quem é atendido por esses profissionais. Para Vania Rohsig, superintendente assistencial do Hospital Moinhos de Vento, “o colaborador é parte importante da entrega do cuidado e é preciso que haja desenvolvimento das lideranças para esse olhar.  Avançar na satisfação do paciente é evoluir no modelo assistencial. Temos um caminho grande para o desenvolvimento dos líderes para prepará-los para essa entrega de cuidado e esse novo cenário da assistência.”

Florentino Cardoso, diretor-executivo médico do Hospital Care, ressaltou que é preciso debater a educação em saúde. “Há muitos anos defendo não falar apenas de diagnóstico e tratamento. Temos de instruir a população sobre direitos e deveres”. Para ele, o profissional que está na ponta, no atendimento, deve sempre perguntar ao paciente se há dúvidas em relação ao seu cuidado. “É necessário ouvir muito, praticar empatia e buscar a qualidade da assistência.”

Alvarenga comentou ainda a importância de se olhar para o colaborador e dar condições para que ele atue da melhor forma no atendimento ao paciente. “Autocuidado é algo que devemos dar aos nossos colaboradores para que eles possam desenvolver ferramentas de empatia, por exemplo.”

A mudança no comportamento do paciente, na visão de Andrade, também deve ser levada em conta. “Ele não aceita mais o cuidado paternalista, que dita o que fazer. O paciente hoje quer ser ouvido, ter uma participação mais ativa no tratamento.”

Para isso, na opinião de Claudia, é necessária uma nova cultura. “A propaganda induziu o paciente a crer que valor em saúde é contar com alta tecnologia, equipamentos de alto custo. Investir na mudança de hábito desse paciente é uma forma de mudar a visão dele”, disse. E para que ele seja mais saudável, o estímulo à prevenção, fazer exames e tratar as doenças antes que elas se agravem são fundamentais. “O desafio de todos do setor de saúde é a geração de valor para a população, medindo de forma eficiente os desfechos clínicos”, finalizou.

Associe-se Abramed

Assine nossa Newsletter

5° FILIS Guia LGPD