Einstein deu suporte inconteste aos seus colaboradores durante pandemia

Einstein deu suporte inconteste aos seus colaboradores durante pandemia

Entre funcionários e dependentes, a instituição somou quase 5 mil infectados e para o melhor controle desse cenário investiu em um monitoramento forte, promovendo assistência segura de forma remota

Considerando que a Covid-19 não é apenas um comprometimento clínico, visto que traz consigo impactos sociais, econômicos, comunitários e psicológicos, do mesmo modo que se vivenciou o lado triste, também se notou uma grande preocupação social que merece ser destacada. Durante a pandemia, o Hospital Israelita Albert Einstein buscou identificar as necessidades dos infectados e planejar ações para o acolhimento dos colaboradores e seus familiares. 

Foram envolvidos o Serviço Social e a equipe de Saúde Populacional e após o diagnóstico positivo, médico e enfermeiro responsáveis pelo contato com o colaborador, identificavam as necessidades para que a assistente social entrasse em contato. No total, o projeto fez a avaliação social de 4.726 pessoas com Covid-19 (97% sintomáticos). Além do suporte social e emocional, foram direcionados 1.362 kits de higiene e 298 cestas básicas a essa população. Importante frisar que foram somente dois óbitos neste grupo.

“Criamos um cinturão de segurança durante o qual foram realizados mais de 150 mil contatos para identificação das necessidades básicas das pessoas, inclusive daquelas que viviam nas comunidades e tinham dificuldade de manter o isolamento”, disse a Gerente Médica de Saúde Populacional e Saúde Corporativa do Hospital Israelita Albert Einstein, Raquel Dilguerian de Oliveira Conceição.

Nesta ação, o Einstein fez um mapeamento da força interna de trabalho, detectou necessidades básicas de alimentação em 30% da equipe, e para isso fez a opção de, mesmo com a pandemia, manter o refeitório aberto de modo a prover refeição de qualidade para todos. Para a comunidade, além de doação de cestas básicas, foram feitas captação e distribuição de máscaras e álcool gel para que as pessoas pudessem evitar a disseminação do novo coronavírus em casa.

A abordagem centrada no monitoramento e estratificação de riscos no ambiente de cuidado hospitalar, com foco na garantia de equidade para o atendimento de colaboradores e dependentes, encabeçou a responsabilidade social da instituição nesse período. Todos os casos graves de Covid-19 de colaboradores e suas famílias, por exemplo, poderiam receber atendimento na UTI do Einstein, caso necessário – isso foi determinante para que não houvesse nenhum óbito em 2020. 

A instituição atuou de diferentes maneiras no enfrentamento à crise do coronavírus. Outro exemplo foi a preocupação em atender a todos os pacientes, usando a gestão inteligente de leitos para responder às diferentes demandas. Houve rápida mobilização de todas as áreas, da assistencial à pesquisa, o que garantiu que a organização apresentasse respostas rápidas e eficientes.

“Além disso, atuamos para a criação ou expansão de estruturas em São Paulo voltadas ao atendimento via SUS – Sistema Único de Saúde, como: o hospital de campanha do Pacaembu – que  em dez dias estava com 216 leitos prontos para uso, sendo 16 de UTI, frutos de doações também da iniciativa privada; ampliação de leitos de UTI para pacientes infectados na Unidade de Pronto Atendimento do Campo Limpo e no Hospital Municipal Vila Santa Catarina; e uma nova ala para Covid-19 no Hospital Municipal Dr. Moysés Deutsch – M’Boi Mirim, com ajuda das empresas Ambev e Gerdau”, detalha a gerente.

Raquel conta que a solidariedade e atuação em parceria, inclusive entre setores público e privado, aconteceu em todas as frentes. O Einstein é parte, por exemplo, da Aliança para condução de estudo multicêntrico que é formada, além dele, pelo HCor, Hospital Sírio-Libanês, Hospital Moinhos de Vento, Hospital Alemão Oswaldo Cruz, Beneficência Portuguesa, Brazilian Clinical Research Institute (BCRI) e Rede Brasileira de Pesquisa em Terapia Intensiva (BRICNet). Denominada Coalizão Covid-19 Brasil, a iniciativa conduz estudos voltados a diferentes populações de pacientes infectados pelo novo coronavírus. Os achados dos estudos permitiram avanços no tratamento de pacientes com Covid-19.

Além de plataforma própria de telemedicina, que já vinha sendo utilizada desde 2012 e foi ampliada devido à pandemia, Raquel cita também o desenvolvimento de uma nova técnica de sequenciamento genético chamada Viroma, como outro destaque do investimento em inovação no combate à crise. Viroma foi o primeiro exame capaz de identificar novas variantes do SARS-CoV-2 no Brasil. 

“Padronizamos, também, um método de RT-PCR específico para detecção do coronavírus e foi a partir deste exame que o primeiro caso positivo de Covid-19 foi diagnosticado no Brasil, em nosso hospital. Por fim, em parceria, desenvolvemos um equipamento chamado Atmus que auxilia na prevenção da propagação do coronavírus e outros agentes infecciosos no ambiente hospitalar”, finaliza.

Associe-se Abramed

Assine nossa Newsletter

    6° FILIS – Inscrições Abertas! Guia LGPD