Abramed alerta para a importância de check up na prevenção de doenças

Abramed alerta para a importância de check up na prevenção de doenças

Em alinhamento às diretrizes da OMS, em alusão ao Dia Mundial da Saúde, entidade enfatiza importância da medicina diagnóstica e dos seus avanços para salvar vidas e reduzir custos e desperdícios no sistema de saúde

Atualmente a saúde está muito associada à prevenção e promoção à saúde do que ao tratamento da doença. Nesse sentido, a medicina diagnóstica continua sendo um elo muito importante. Além dos recursos que permitem diagnosticar e identificar a presença de muitas doenças antes que qualquer sintoma apareça. Os exames preditivos e a medicina personalizada têm emergido como uma excelente contribuição para a saúde das pessoas. 

O entendimento de que diagnosticar pacientes precocemente salva não só vidas, mas pode reduzir consideravelmente as despesas assistenciais também é outro fato consolidado. Um levantamento feito recentemente pela Organização Mundial da Saúde (OMS) mostra que, se países de baixa e média renda investirem US$ 1 por pessoa, ao ano, na prevenção de doenças crônicas, como diabetes, cerca de sete milhões de mortes poderiam ser evitadas até 2030.  

Além disso, estima-se que com esse mesmo montante investido em políticas públicas e medidas de prevenção de doenças do coração, diabetes, câncer e respiratórias, em nove anos a economia gerada poderia ser de US$ 230 bilhões. Por outro lado, não há dúvidas de que o diagnóstico tardio pode piorar a sobrevida e resultar em tratamentos mais custosos e muitas vezes paliativos.

Para a Abramed, as estratégias para o diagnóstico precoce e o rastreamento de algumas doenças ganham ainda mais importância, dentro desse contexto. Elas são eficazes, inclusive nos casos assintomáticos de diversas doenças graves, como alguns tipos de câncer e outras patologias silenciosas, como as doenças crônicas não transmissíveis. Os exames permitem detectar anormalidades e evitam intervenções mais complexas e até mesmo os óbitos. 

Segundo dados do Painel Abramed – DNA do Diagnóstico 2021, a detecção precoce por meio dos exames de diagnóstico é um dos instrumentos capazes de auxiliar no gerenciamento e na orientação das políticas de saúde. No Brasil, mais da metade (52%) das pessoas com 18 anos ou mais relatam diagnóstico de pelo menos uma doença crônica. 

“Temos a cada dia novos conhecimentos sendo agregados. Somos um setor muito privilegiado, pois conseguimos aplicar muito rapidamente novas tecnologias e tudo o que é desenvolvido na comunidade científica. Como é o caso da inteligência artificial, com os algoritmos e os aprendizados por máquina atuando e que cada vez mais sendo potencializado. Afinal, tudo isso baseia-se em informações originadas a partir de exames diagnósticos. A medicina precisa do nosso setor. Os médicos precisam ser assessorados para entenderem todos os recursos que estão chegando e agora tornam-se disponíveis para serem utilizados em benefício da saúde dos pacientes”, enfatiza Wilson Shcolnik, presidente do Conselho de Administração da Abramed. 

Alex Galoro, médico Patologista Clínico, gestor do Grupo Sabin Medicina Diagnóstica e coordenador do Comitê de Análises Clínicas da Abramed, ressalta que os Laboratórios Clínicos sofreram grandes alterações nas últimas décadas. São notáveis, segundo ele, as descobertas de novas metodologias e o maior conhecimento dos mecanismos das doenças, permitindo o desenvolvimento de grande número de novos testes. 

Atualmente, são mais de cinco mil diferentes modalidades de testes, muitos deles genéticos, que permitem a pesquisa específica de diferentes doenças com qualidade, segurança e eficácia. A evolução das Análises Clínicas ainda não acabou e permitirá cada vez mais a chamada “Medicina Personalizada”, com diagnósticos e acompanhamentos terapêuticos específicos para cada pessoa permitindo desta forma que cuidem de sua saúde e obtenham ganhos em expectativa e qualidade de vida.

“Hoje em dia temos bem claros os hábitos de vida saudáveis, que precisam ser seguidos por cada pessoa, a fim de minimizar os riscos de doença. Os exames de checkup são uma ferramenta também importante para estes cuidados, pois permitem a detecção de alterações em estágios ainda iniciais, que não causam sinais e sintomas que permitam ao indivíduo perceber que alguma doença está se instalando”, enfatiza o Galoro. 

Entendendo quais são os principais exames de diagnósticos a serem realizados 

O check up é uma rotina de exames utilizados para a avaliação da saúde das pessoas, que permite a detecção de alterações fisiológicas que predisponham a determinadas doenças ou da própria doença. Esta rotina é adequada a cada indivíduo, conforme sua idade e gênero, visando a detecção de doenças mais comuns para cada caso.

 “Ao contrário do velho comentário de que é melhor não ir ao médico, porque ‘quem procura acha’ a doença, o check up é uma atividade de prevenção, porque toda doença tem melhor chance de tratamento e de cura, quando diagnosticada precocemente. Portanto, quanto antes tivermos o diagnóstico, melhor”, ressalta o coordenador do Comitê de Análises Clínicas da Abramed. 

Todo check up deve ser realizado sob orientação médica para que a individualização seja possível, incluindo o levantamento de hábitos de vida obtidos na anamnese; exame físico e complementares, que podem abranger testes laboratoriais, de imagem, cardiológicos, entre outros. 

“Os testes de check up costumam ser bastante sensíveis, para conseguirem detectar qualquer possibilidade de alteração. Quando um teste é positivo, não significa necessariamente que a pessoa está doente. Podem ser necessários outros exames mais específicos, para concluir a investigação. Por isso a necessidade de um profissional habilitado para interpretar os resultados e orientar o paciente que fez os exames”, enfatiza. 

Entre os exames normalmente solicitados estão: a MAPA (Monitorização Ambulatorial da Pressão Arterial), por exemplo. Este é o exame indicado para auxiliar no monitoramento da pressão arterial e pode prevenir graves doenças, especialmente nas faixas etárias mais avançadas, que são geralmente acometidas por doenças cardiovasculares. A hipertensão arterial atinge cerca de 23,9% da população brasileira acima de 18 anos e até 62,1% das pessoas com 75 anos ou mais de idade, e pode reduzir a expectativa de vida dos pacientes em até 40 se não for controlada adequadamente. 

Outro exemplo de atenção, é a diabetes, uma doença grave, que se mal controlada, pode ocasionar diversos problemas vasculares nos olhos, nos nervos, nos rins e no coração. Estas consequências, porém, podem ser reduzidas com controle sistemático da doença, feito principalmente por meio da manutenção das taxas de glicose no sangue em certos limites, assim como do rastreamento das complicações crônicas, sempre sob orientação médica. A dosagem de glicose no sangue, chamada glicemia (aleatória ou de jejum), é o exame usado para a triagem da diabetes.

Outros exames de rotina devem ser realizados para monitorização dos pacientes, entre os quais: hemograma, hemoglobina glicada, ureia, creatinina, pesquisa de microalbuminúria e perfil lipídico.  Também devem fazer parte da lista, o eletrocardiograma para medir a atividade elétrica do coração e que serve para diagnosticar a existência de problemas cardíacos; o teste ergométrico que ajuda a avaliar o funcionamento do sistema cardiovascular sob estímulo; e o ecocardiograma que é uma ultrassonografia do coração que fornece imagens obtidas por meio de ondas sonoras e cores para avaliar o tipo de fluxo sanguíneo nas câmaras cardíacas. Lembrando que outros exames podem ser recomendados conforme a necessidade individual do paciente. 

Os exames laboratoriais são imprescindíveis para estes check ups, que devem ter orientação médica para a indicação e interpretação dos exames. Para a realização dos exames, é importante buscar Laboratórios confiáveis, de preferência com algum tipo de Acreditação, para garantia de sua Qualidade.

Associe-se Abramed

Assine nossa Newsletter

    Guia LGPD