O futuro do setor da saúde no Brasil e na América Latina é tema de palestra internacional no sexto FILIS

O futuro do setor da saúde no Brasil e na América Latina é tema de palestra internacional no sexto FILIS

Abrindo o módulo inovação e futuro, Esteban López abordou assuntos como a digitalização e transformação da indústria médica e o papel da inteligência artificial e da machine learning

O futuro da saúde no Brasil e na América Latina foi o tema central da palestra internacional que abriu as discussões do módulo de inovação da sexta edição do Fórum Internacional de Lideranças da Saúde (FILIS), promovido pela Associação Brasileira de Medicina Diagnóstica (Abramed). Esteban López, líder de mercado – Saúde e ciências da vida para as Américas no Google Cloud, não só trouxe sua visão internacional, mas também mostrou como a tecnologia e a computação em nuvem são cruciais na transformação da indústria médica e de medicina diagnóstica na América Latina.

Segundo o executivo, atualmente o setor de saúde está desestruturado e desorganizado quando se trata de dados de saúde. E, quando se pensa em futuro, quatro pilares devem ser considerados: a digitalização; a inteligência artificial e o machine learning; o atendimento virtual; e a integração. O cenário é marcado pela alta disponibilidade de dados médicos por conta da IoMT (internet das coisas médicas). Para se alcançar valor, é preciso utilizar tanto dados médicos como operacionais para embasar uma definição mais correta das próximas ações visando alcançar melhores desfechos clínicos e eficiência operacional.

“Faltam médicos e enfermeiros no mundo. Precisamos do atendimento virtual e que mais profissionais atuem em um nível mais alto. Nesse sentido, recursos como IA e machine learning nos permitiram otimizar o atendimento. Além disso, o suporte à decisão clínica com base na inteligência artificial ajudará nas tomadas de decisões. E, claro, isso tudo precisa ser integrado. O acesso a dados e informação precisa ser otimizado para redução de custos e para se obter uma visão integral do paciente”, ressaltou. 

López apontou que existem alguns desafios reportados pelos próprios CEOs. A busca pelo conhecimento, pela experiência digital do paciente e por melhorias na eficiência operacional e na prestação de cuidados digitais estão entre os anseios. “Uma porta digital com trabalho macro de analytics pode aprimorar os processos e reduzir custos administrativos. Os pacientes têm uma experiência melhorada nesses casos e a eficiência operacional é essencial para reduzir custos. A covid destacou muitas falhas no sistema e propiciar desfechos mais assertivos é fundamental, tanto quanto os modelos digitais de atendimentos tornaram-se um novo padrão. A automação desses processos amplia os insights, traz mais agilidade. Os sistemas precisam de mais dados e informações e a possibilidade de usá-los”.

A saúde é hoje uma prioridade no Google Cloud, conforme explicou o especialista. A instituição tem trabalhado para organizar as informações do setor no mundo, com o intuito de impactar a saúde por meio de dados e para acelerar a capacidade de todas as empresas de saúde e biociências no sentido de transformar e reimaginar os diagnósticos por meio da inovação baseada em dados.

“Sabemos que os sistemas de saúde do mundo inteiro estão cerca de 15 anos atrás de outros segmentos quando o assunto é uso da tecnologia e inovação. A pandemia permitiu acelerar esse processo. E o futuro da saúde é realmente o deep learning.

A patologia digital também foi apontada como um campo emergente da inteligência artificial. Nos próximos cinco anos, hospitais e laboratórios alavancarão as tecnologias digitais para melhorar a qualidade, a velocidade e a precisão na patologia, visando suprir uma escassez mundial de patologistas. Por exemplo, lâminas precisam ser digitalizadas e transformadas em novo padrão tecnológico. Depois disso, há uma grande economia no armazenamento e processamento, assim como uma grande oportunidade na revisão dessas imagens quando o conhecimento não está disponível localmente. Mas é possível aplicar a IA, o machine learning e o deep learning para descobertas e previsões relacionadas à saúde.

Para finalizar, o executivo trouxe uma visão geral de como o Google Cloud é importante para organizações de saúde e biociências, trazendo, entre outros pontos, segurança e conformidade para a indústria médica e oferecendo tecnologia de ponta.

Associe-se Abramed

Assine nossa Newsletter

    6° FILIS – Inscrições Abertas! Guia LGPD