Novas abordagens de diagnóstico e técnicas promissoras para doença de Parkinson

Especialista aborda a contribuição da ressonância magnética, questões genéticas e perspectivas em tecnologia

Há no mundo cerca de 4 milhões de pessoas com a doença de Parkinson, segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS), mas esse número pode dobrar até 2040, com o aumento da expectativa de vida e o envelhecimento populacional. Esta é uma das doenças destacadas na campanha global Fevereiro Roxo, que chama atenção para diversas condições médicas que afetam o sistema nervoso.

Identificar o Parkinson em estágios iniciais permite começar intervenções terapêuticas com maior antecedência, o que pode retardar a progressão dos sintomas e melhorar significativamente a qualidade de vida do paciente. Um diagnóstico precoce possibilita a implementação de estratégias de tratamento personalizadas, adaptadas às necessidades individuais de cada paciente.

“Atualmente, o diagnóstico é feito clinicamente e só pode ser confirmado definitivamente por meio de exames cerebrais após a morte. No entanto, o desenvolvimento de terapias poderia ser impulsionado com o uso de biomarcadores, permitindo a identificação de pacientes antes mesmo de apresentarem sintomas”, explica Alexandre Marconi Ayres Pereira, coordenador da Radiologia/Medicina Interna do Hospital Sírio-Libanês e Líder do Comitê de Radiologia e Diagnóstico por Imagem da Associação Brasileira de Medicina Diagnóstica (Abramed).

Embora ainda seja cedo para afirmar que existam marcadores e métodos que impactem no diagnóstico precoce da doença de Parkinson, o uso de biomarcadores poderia reduzir a subjetividade na avaliação e auxiliar na distinção entre outros transtornos parkinsonianos, especialmente em estágios iniciais.

Sobre técnicas de imagem relevantes, Marconi destaca que as sequências de ressonância magnética padrão, como T1/T2, T2-FLAIR e difusão, são comumente utilizadas nesse contexto. Embora as técnicas de medicina nuclear (PET e SPECT) sejam sensíveis e específicas, elas raramente são aplicadas na prática clínica, sendo mais comuns em pesquisas.

Na prática, a doença de Parkinson pode apresentar apenas atrofia leve, afetando várias regiões do cérebro. A ressonância magnética estrutural pode ser útil como biomarcador, mas são necessários estudos com amostras maiores para avaliar sua precisão. Além da ressonância magnética estrutural, técnicas como SWI e sequências T1 são utilizadas para avaliar o nigrossomo 1 e a neuromelanina, respectivamente.

Marconi explica que a perda do padrão de suscetibilidade da cauda da andorinha na substância negra pode ser um sinal diagnóstico promissor. Além disso, a intensidade de sinal na substância negra está relacionada à perda de neuromelanina e ao acúmulo de ferro.

A ressonância magnética também pode detectar sinais de parkinsonismo secundário, como alterações nos vasos sanguíneos. Na doença de Parkinson idiopática, menos neuromelanina nos neurônios dopaminérgicos pode indicar maior propensão à neurodegeneração estrutural. No entanto, a diminuição da neuromelanina não é exclusiva da doença de Parkinson e pode variar entre seus subtipos.

Genética

O estudo da genética na doença de Parkinson avançou desde a descoberta das mutações no gene α-sinucleína, em 1997. “Isso marcou um ponto de virada, revelando que doença pode ser influenciada por fatores genéticos, envolvendo uma combinação de mutações em vários genes, fatores ambientais e envelhecimento. Desde então, outras mutações genéticas altamente penetrantes e fatores de risco genético foram identificados, contribuindo para uma compreensão mais profunda das formas monogênicas da doença e da arquitetura do risco genético associado ao Parkinson”, detalha Marconi.

Além do α-sinucleína, genes como LRRK2 e glucocerebrosidase (GBA) também foram reconhecidos como fatores de risco genético para o Parkinson. A pesquisa genética continua a desempenhar um papel fundamental na compreensão da doença, com a esperança de que avanços futuros possam levar a terapias mais específicas e eficazes. “O estudo da genética no Parkinson é uma área promissora que pode fornecer respostas e uma melhor compreensão desta doença complexa”, complementa.

Futuro promissor

Quanto às perspectivas futuras em tecnologia para diagnóstico, Marconi destaca avanços recentes nas abordagens de transferência de magnetização, denominadas transferência de saturação por troca química (CEST). Elas têm se mostrado promissoras em destacar características exclusivas da doença de Parkinson e das síndromes parkinsonianas, auxiliando no diagnóstico diferencial.

A imagem ponderada em suscetibilidade (SWI) e o mapeamento quantitativo de suscetibilidade (qSM) também estão sendo investigadas em pesquisas, podendo fornecer informações valiosas sobre a presença de certas substâncias ou alterações nos tecidos.

É importante reconhecer que a luta contra o Parkinson envolve não apenas o desenvolvimento de novas tecnologias e terapias, mas também a conscientização pública e o engajamento dos profissionais da saúde. Com esforços combinados, é possível avançar na detecção precoce e no tratamento dessa doença complexa.

Radiologia: desafios e perspectivas para a prática profissional

Por Cibele Alves de Carvalho*

A prática da radiologia médica enfrenta uma série de desafios que não apenas impactam os profissionais da área, mas também reverberam na qualidade dos serviços de saúde oferecidos à população. Por isso, abordar essas questões de forma transparente e propositiva é fundamental, inclusive pensando na sustentabilidade de todo o sistema.

Um dos principais desafios enfrentados pelos médicos radiologistas é a percepção equivocada de que somos meros operadores de equipamentos. Ao contrário, somos médicos responsáveis pela interpretação dos exames de imagem e emissão dos respectivos laudos, assumindo toda a responsabilidade ética, civil, penal e criminal associada. Essa subestimação de nossa função tem reflexos diretos na remuneração que recebemos, muitas vezes inadequada e desproporcional ao nosso papel para o diagnóstico e tratamento das doenças.

Outra barreira significativa é a pressão das fontes pagadoras por redução de custos, ignorando que não somos nós os responsáveis pela solicitação dos exames. É imperativo que haja uma discussão  embasada  e responsável para avaliar o real custo  dos serviços de radiologia, em vez de transferir essa responsabilidade para os profissionais da área. O maior custo que temos sempre foi causado pelos gastos com medicamentos, órteses e próteses. Já os custos com propedêutica na cadeia da saúde giram em torno de 6%. 

Além disso, há questões que envolvem a evolução da inteligência artificial. Essa tecnologia tem impactado na formação de novos médicos radiologistas, porque há sempre a ameaça de que ela vai substituí-los. Embora a IA traga avanços significativos, as relações humanas e a expertise clínica são insubstituíveis. 

Os impactos negativos desses desafios para a comunidade médica são evidentes. O número de médicos especialistas está diminuindo, com muitos profissionais frustrados com a desvalorização de sua profissão e optando por outras especialidades ou até mesmo indo atuar em outros países. Com isso, o Brasil perde capacidade técnica e intelectual, comprometendo a qualidade dos nossos serviços de saúde.

E, ainda, essa falta de valorização resulta em dificuldades para atualização e investimento na própria carreira. Sem falar na baixa remuneração pelas operadoras de saúde, o que impacta na renovação tecnológica, reduzindo as chances de investimento no diagnóstico cada vez mais precoce. Diagnosticar precocemente é fundamental para minimizar os custos assistenciais e melhorar os desfechos clínicos, reduzindo a morbidade e aumentando as chances de sobrevida dos pacientes.

Agora falando em tendências, o cenário médico brasileiro apresenta duas que podem impactar significativamente a prática da radiologia. Primeiramente, a proliferação descontrolada de novas escolas de Medicina, com qualidade questionável, tem aumentado o número de médicos no mercado de trabalho, desvalorizando a profissão como um todo. Em segundo lugar, as políticas governamentais têm priorizado a formação de generalistas, em detrimento dos especialistas, o que tem levado muitos profissionais a optarem pela atuação em estratégia de saúde da família, especialmente do ponto de vista financeiro.

Esta situação tem preocupado tanto o Colégio Brasileiro de Radiologia (CBR) quanto a Associação Brasileira de Medicina Diagnóstica (Abramed), que vêm trabalhando em conjunto para valorizar o papel dos profissionais que atuam com propedêutica, incluindo radiologistas e, no caso da Abramed, também os patologistas clínicos. A colaboração entre essas entidades inclui iniciativas políticas para destacar a importância do trabalho desses profissionais e defender seus interesses junto aos órgãos legislativos e Agências Nacionais.

O CBR tem feito, inclusive, discussões, webinares, salas de discussão em congresso para que o acadêmico entenda melhor qual é o papel do médico radiologista, que eu reitero: é essencial dentro da Medicina. Já a Abramed desempenha um papel crucial ao monitorar os dados dos laboratórios clínicos, evidenciando o impacto positivo desses serviços na redução dos custos assistenciais. A medicina diagnóstica gera impacto no custo assistencial, mas para menos, não para mais.

A educação continuada também é uma prioridade para o CBR e a Abramed, que promovem iniciativas para atualização profissional e aprimoramento técnico dos médicos radiologistas e patologistas clínicos. Essas ações são fundamentais para valorizar e fortalecer a especialidade médica em propedêutica no Brasil.

A preocupação com a qualidade e a segurança dos serviços de imagem e laboratórios também gerou iniciativas importantes. O CBR criou o Programa de Acreditação em Diagnóstico por Imagem (Padi); a Sociedade Brasileira de Patologia Clínica/Medicina Laboratorial (SBPC/ML) criou o Programa de Acreditação de Laboratórios Clínicos (PALC); e a Sociedade Brasileira de Patologia (SBP) criou o Programa de Acreditação e Controle de Qualidade (PACQ). Vários simpósios de qualidade têm sido realizados através das ações conjuntas entre as entidades. 

De fato, a prática da radiologia enfrenta desafios significativos, mas também oferece oportunidades para aprimoramento e inovação. É fundamental que os radiologistas estejam cientes e ativos na defesa de sua prática profissional, participando da vida associativa,   potencializando sua representatividade e defendendo seus interesses em todas as instâncias pertinentes. Somente a união poderá nos fortalecer para enfrentarmos os desafios, garantir a valorização da profissão e, principalmente, oferecer serviços de saúde de qualidade à população.

*Cibele Alves de Carvalho é médica formada pela UFMG, especialista em Clínica Médica e em Radiologia e Diagnóstico por Imagem, com MBA em gestão de hospitais e serviços de saúde pela Fundação Getúlio Vargas. Foi presidente da Sociedade Mineira de Radiologia (SRMG) por dois mandatos e presidente do Conselho Regional de Medicina de Minas Gerais (CRMMG), onde ainda é conselheira. É presidente do Colégio Brasileiro de Radiologia (CBR) e diretora administrativa e financeira da Clínica Scanner, em Belo Horizonte. Além disso, é membro da Câmara Técnica de Radiologia e Diagnóstico por Imagem do Conselho Federal de Medicina (CFM).

Genética tem papel fundamental no diagnóstico precoce de doenças raras

Com os testes genômicos abrangentes, mais de 40% dos pacientes recebem o diagnóstico em questão de semanas, em vez de anos

As doenças raras continuam a representar um desafio significativo para médicos e pacientes, mas os avanços na medicina diagnóstica, especialmente na genética, estão proporcionando esperança para uma identificação mais rápida e precisa dessas condições. 

O Dia Mundial das Doenças Raras, comemorado em 29 de fevereiro, é uma oportunidade para aumentar a conscientização sobre essa condição que afeta mais de 300 milhões de pessoas no mundo, segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS). Além da busca por tratamentos eficazes, o diagnóstico preciso é fundamental, afinal, a identificação precoce pode significar a diferença entre acesso a cuidados adequados e anos de incerteza.

João Bosco de Oliveira Filho, CEO da Genesis Genomics, empresa do Grupo Fleury e do Hospital Albert Einstein, ambas associadas da Associação Brasileira de Medicina Diagnóstica (Abramed), explica que os médicos enfrentam diversos desafios na identificação precoce de doenças raras, principalmente devido à sua baixa incidência. Com mais de 9.600 tipos identificados, cada um com uma prevalência extremamente baixa, torna-se difícil para os profissionais de saúde reconhecerem os sinais, especialmente na atenção primária.

Por isso, o atraso nessa definição é comum, com pacientes passando cerca de mais de sete anos até receberem um diagnóstico correto, mesmo em países desenvolvidos. “É comum precisar realizar mais de cinco consultas e receber mais de três diagnósticos errôneos ao longo do caminho. Essa demora é muitas vezes atribuída à falta de familiaridade dos médicos com essas doenças e à dificuldade de acesso a testes genéticos abrangentes”, explica.

Afinal, dessas mais de 9.600 doenças, estima-se que 60% a 80% são causadas por alterações genéticas. O desenvolvimento de testes como o sequenciamento do genoma inteiro ou do exoma (sequenciamento das regiões codificantes do DNA) tem revolucionado a forma como essas patologias são diagnosticadas. Em vez de depender de testes gene a gene, os testes genômicos abrangentes podem fornecer diagnósticos rapidamente, encurtando o tempo de espera e reduzindo o número de resultados errados.

“Com esses testes, mais de 40% dos pacientes recebem o diagnóstico em questão de semanas, em vez de anos. Além da genética, os testes bioquímicos podem detectar defeitos enzimáticos, enquanto a citometria pode ser útil para identificar certas patologias”, comenta Bosco.

Embora as tecnologias avançadas estejam disponíveis, ainda existem desafios significativos na implementação e acesso a essas ferramentas. Mesmo que tenha crescido a inclusão de testes genéticos no Rol da ANS, trata-se de testes mais restritos, que muitas vezes exigem a realização de múltiplos exames sequenciais, gerando perda de tempo. “Acredito que a inclusão de abordagens mais abrangentes em genética evoluirá gradualmente nos próximos anos.”

“Com exceção de algumas iniciativas de pesquisa, como o Projeto de Genomas Raros, uma colaboração entre o Hospital Albert Einstein e o Ministério da Saúde, que proporciona diagnósticos genômicos gratuitos para milhares de pacientes do SUS, o acesso a essas ferramentas para o diagnóstico de doenças raras ainda é bastante desafiador dentro do sistema público de saúde”, expõe. 

Segundo Bosco, é importante demonstrar não apenas a eficácia, mas também a custo-efetividade desses métodos em comparação aos testes tradicionais em cascata. Isso inclui considerações como tempo de consumo, número de exames realizados e potencial perda de qualidade de vida decorrente de investigações prolongadas ou progressão da doença sem tratamento adequado.

Ele salienta que a conscientização sobre as doenças raras é vital para garantir um diagnóstico precoce e preciso. “Portanto, o Dia Mundial da Doença Rara desempenha um papel primordial ao alertar e aumentar o conhecimento sobre essas condições, com a esperança de estimular ciclos de treinamento para uma identificação mais rápida pelos profissionais”, finaliza.

Uso de tecnologia, personalização e empatia são chaves para uma Jornada do Paciente de excelência

A inteligência artificial é ideal para otimizar os processos, mas isso não significa deixar de lado a humanização

A Jornada do Paciente em laboratórios clínicos envolve desde a escolha do local para o exame, passando por agendamento, recebimento de instruções prévias, check-in, coleta de amostras, processamento dos exames, até a entrega dos resultados.

A qualidade da experiência em cada interação colabora não apenas para a satisfação do paciente, mas também para a confiabilidade dos resultados. Ao compreender essa jornada, os laboratórios clínicos podem identificar áreas de melhoria, otimizar processos e garantir uma trajetória positiva e eficaz.

Para que isso seja possível, a personalização no atendimento e a agilidade dos processos são fundamentais, como destaca William Malfatti, diretor de Comunicação, Relacionamento com Clientes e Relações Institucionais do Grupo Fleury, Líder do Comitê de Comunicação da Associação Brasileira de Medicina Diagnóstica (Abramed).

“A inteligência artificial e outras soluções digitais são grandes aliadas para o sucesso dessa evolução. Adicionalmente, há crescentes avanços na ciência de dados para ajudar as instituições de saúde a prestarem uma efetiva coordenação de cuidados”, acrescenta.

Por exemplo, utilizar sistemas de gestão de relacionamento com o cliente (CRM) permite registrar e acompanhar as preferências individuais, como melhores horários para agendamento de exames ou métodos de comunicação, atendendo às necessidades específicas de cada um.

Além disso, a agilidade dos processos pode ser aprimorada por meio do agendamento online, que não só melhora a experiência do paciente, mas também aumenta a eficiência operacional dos laboratórios, reduzindo o tempo de espera e otimizando o fluxo de trabalho.

Com relação à inteligência artificial, algoritmos podem ser usados para analisar grandes volumes de dados de pacientes e identificar padrões que ajudem os laboratórios a prever demandas futuras, otimizar o uso de recursos e fornecer um atendimento mais proativo e personalizado. Essas tecnologias também possibilitam automatizar tarefas repetitivas, como o processamento de resultados de exames, liberando tempo para os profissionais de saúde se concentrarem em tarefas mais complexas e de alto valor agregado.

O setor de saúde tem tradição de incorporação de novas tecnologias. O acesso a resultados de exames, por exemplo, já acontece desde 1998 – três anos após a internet chegar aos computadores pessoais. “A inteligência artificial começou sendo aplicada no desenvolvimento de testes de medicina personalizada e de precisão e agora avança na direção do autoatendimento para agendamento de exames. Isso tudo colaborou para a transformação do setor na busca por proporcionar a melhor experiência ao cliente”, reforça Malfatti.

Sobre indicadores-chave de desempenho para avaliar a qualidade do atendimento, depende de cada instituição, não há um padrão. No entanto, independentemente dos indicadores escolhidos, de acordo com Malfatti, é fundamental garantir o engajamento dos colaboradores na coleta e interpretação dos dados, além de traduzir essas informações em oportunidades concretas para melhorar a experiência do cliente, como implementar novos procedimentos para reduzir os tempos de espera ou investir em conscientização sobre diversidade para garantir o efetivo acolhimento a cada cliente.

Malfatti lembra que a atualização tecnológica contínua é fundamental para eliminação de fricções em processos como agendamento, check-in nas unidades de atendimento e acesso a resultados. “Mas segue tendo peso determinante o acolhimento a cada cliente para garantia de uma experiência baseada em humanização e empatia nas etapas centrais dessa jornada, especialmente no momento da realização de exames e procedimentos”, ressalta.

Confiança e treinamento

Quanto à construção do ativo de confiança, tão poderoso e determinante para o sucesso de uma instituição médica, Malfatti recorda que a saúde é o ativo mais relevante na vida das pessoas, um sentimento exacerbado na pandemia. “Isso equivale a dizer que ninguém entrega sua saúde a quem não confia. Por isso, as instituições médicas no geral investem fortemente nos pilares que formam sua reputação, como excelência médica e técnica, formação de cultura voltada ao cliente e processos contínuos de contratação e treinamento de pessoas que se conectem com os valores e o propósito da organização, entendendo a empatia como atributo essencial para se atuar na área de saúde”, ressalta.

Um dos melhores exemplos, segundo Malfatti, é o da Cleveland Clinic, que sempre foi vista como referência médica nos Estados Unidos, mas que atuou de forma estruturada para responder a um desejo dos clientes pela humanização nas relações. “Hoje, são considerados uma das maiores referências do mundo no binômio excelência médica e empatia”, expõe. 

Por fim, ele enfatiza a importância do treinamento dos profissionais de saúde para proporcionar uma experiência mais humanizada e eficaz aos pacientes. O engajamento pode ser feito através de sessões de treinamento, feedbacks regulares e incentivo ao desenvolvimento pessoal. “A partir daí, deve-se desenvolver um ritual de sensibilização contínua das pessoas para que mantenham sempre viva a chama da empatia. O sucesso é certo quando isso acontece”, finaliza.

Cresce 49,8% número de exames de covid-19 realizados na rede privada, segundo Abramed

Os dados comparam as semanas de 28 de janeiro a 3 de fevereiro e de 4 a 10 de fevereiro; positividade sobe de 30% para 34%

A quantidade de exames de covid-19 realizados na rede privada cresceu 49,8%, na comparação entre a semana de 4 a 10 de fevereiro (18.172) e a semana anterior, de 28 de janeiro a 3 de fevereiro (12.129). Os dados são das empresas associadas à Associação Brasileira de Medicina Diagnóstica (Abramed), que representam cerca de 65% do volume total de exames realizados na saúde suplementar no Brasil.

Além disso, a taxa de positividade subiu de 30% para 34% no período. O número de casos positivos confirmados também aumentou consideravelmente de uma semana para outra, com 6.210 positivos registrados na semana de 4 a 10 de fevereiro, em comparação com os 3.676 da semana 28 de janeiro a 3 de fevereiro, um crescimento de 69% em quantidade de pessoas.

Ao longo de seis semanas (7/1 a 10/2), a Abramed realizou 62.500 exames, dos quais 17.635 foram positivos, representando uma taxa média de positividade de 28,2%.

Diante desse cenário, a entidade reforça a importância contínua das medidas de prevenção e controle, bem como a necessidade de intensificar os esforços na detecção e no tratamento precoce da doença.

“Defendemos que os exames sejam feitos em laboratórios clínicos, que oferecem precisão, testes mais abrangentes e conformidade com padrões de qualidade. Além disso, os laboratórios clínicos associados à Abramed enviam os resultados dos exames diretamente à Rede Nacional de Dados em Saúde (RNDS/DATASUS), contribuindo para o monitoramento epidemiológico pelo Ministério da Saúde. Essas informações são essenciais para avaliar a situação da doença e orientar as medidas de saúde pública”, declara Wilson Shcolnik, presidente do Conselho de Administração da Abramed.

Exames de dengue realizados nos laboratórios privados crescem 39,55% em uma semana, segundo Abramed

A comparação é entre a semana de 4 a 10 de fevereiro de 2024 e a semana anterior, de 28 de janeiro a 3 de fevereiro. O número de casos está muito acima do ano passado.

O número de exames de dengue realizados nos laboratórios privados do país cresceu 39,55% em uma semana, segundo as empresas associadas à Associação Brasileira de Medicina Diagnóstica (Abramed), que representam cerca de 65% do volume total de exames realizados na saúde suplementar no Brasil. A comparação é entre a semana de 4 a 10 de fevereiro de 2024 (43.210) e a semana anterior, de 28 de janeiro a 3 de fevereiro (30.962).

Já a positividade caiu de 21% para 17%, no mesmo período. No entanto, em termos de quantidade de pessoas com a doença, foram 6.383 positivos na semana de 28 de janeiro a 3 de fevereiro, contra 7.547 positivos na semana de 4 a 10 de fevereiro. Um aumento em número de indivíduos com dengue de 18,23%.

“A positividade caiu de 21% para 17% somente porque o número de exames realizados aumentou muito. Mas vejam que o número de casos está muito acima do ano passado também”, explica Bruno Santos, coordenador de Inteligência de Mercado da Abramed. 

Ele se refere à comparação entre os dados da sexta semana epidemiológica deste ano e do ano passado. Em 2023, foram realizados 16.030 exames de dengue, enquanto em 2024, foram 43.210, uma variação de 170%. Em relação aos positivos, foram 4.387 na sexta semana epidemiológica de 2023, contra 7.547 na mesma semana de 2024, uma variação de 72%.

Vale ressaltar que a pesquisa realizada pela Abramed não apresenta dados separados por regiões do país, ou seja, todos os números estão disponíveis apenas em nível Brasil, sem qualquer recorte local.

Veja abaixo as tabelas:

Exames

O exame laboratorial é crucial para diferenciar doenças que têm os mesmos sintomas, como dengue, a zika e a Chikungunya. Wilson Shcolnik, presidente do Conselho de Administração da Abramed, explica que, nos estágios iniciais da dengue, até o quinto dia após o início dos sintomas, é feita a pesquisa de antígeno do vírus. E entre o décimo e o décimo quarto dia, é possível identificar a presença de anticorpos.

Como há quatro sorotipos de vírus da dengue circulando no Brasil (um, dois, três e quatro), há reagentes que possibilitam identificar todos juntos, não um de cada vez, o que facilita o processo de diagnóstico. 

Os profissionais de saúde utilizam vários métodos laboratoriais, sendo o ELISA (enzimaimunoensaio) um dos mais comuns, por ser muito sensível e específico para detectar a presença de antígenos ou anticorpos em uma amostra biológica, como o sangue.

No caso da dengue, o ELISA é usado para detectar o NS1 (antígeno do vírus) ou os anticorpos produzidos pelo sistema imunológico em resposta à infecção pelo vírus. O NS1 é uma proteína viral produzida durante a infecção aguda e sua presença no sangue indica uma infecção ativa. 

No entanto, Shcolnik alertou que a identificação do sorotipo responsável pela infecção requer testes mais sofisticados, geralmente realizados em estudos epidemiológicos. “Além do teste específico para dengue, é fundamental também realizar a contagem de plaquetas e avaliar o estado de hidratação do paciente. Abaixo de 40 mil plaquetas há risco de sangramento, identificando dengue hemorrágica”, alerta Shcolnik.

Vale ressaltar que os exames feitos em laboratórios oferecem uma série de vantagens em termos de precisão, capacidade de diferenciação de doenças, possibilidade de testes mais abrangentes, aconselhamento profissional e conformidade com padrões de qualidade.

Além disso, os laboratórios clínicos associados à Abramed enviam os resultados dos exames diretamente à Rede Nacional de Dados em Saúde (RNDS/DATASUS), contribuindo para o monitoramento epidemiológico pelo Ministério da Saúde. Essas informações são essenciais para avaliar a situação da doença e orientar as medidas de saúde pública. 

Alerta

Importante lembrar que com as altas temperaturas e as chuvas, aumenta a proliferação do Aedes aegypti, mosquito transmissor da dengue, gerando uma grande preocupação, especialmente após o recorde histórico de 1.017 mortes em 2022 e um continuado aumento de casos em 2023. 

Além disso, as mudanças climáticas, incluindo fenômenos como o El Niño, têm contribuído para a expansão do vetor em regiões antes consideradas menos propensas à disseminação da dengue, como Centro-Oeste e Sul, segundo o Instituto Nacional de Meteorologia (INMET).

Com o aumento global de casos de câncer, Abramed enfatiza a importância do diagnóstico precoce

Inovações prometem revolucionar a precisão do diagnóstico e a personalização do tratamento, destacando a importância da Medicina de Precisão no combate à doença.

Em alusão ao Dia Mundial de Combate ao Câncer (4/2), a Associação Brasileira de Medicina Diagnóstica (Abramed) reforça a urgência de intensificar os esforços em pesquisa, prevenção, diagnóstico e tratamento para enfrentar o crescimento dos casos de câncer globalmente.

Divulgada pela Organização Mundial de Saúde (OMS) em 1º de fevereiro de 2024, a pesquisa Globocan 2022 mostrou que aproximadamente 20 milhões de pessoas em todo o mundo foram diagnosticadas com câncer em 2022, com a previsão de que esse número ultrapasse 35 milhões nos próximos 30 anos. Atualmente, 53,5 milhões de indivíduos vivem com a doença, considerando um período de prevalência de cinco anos.

No cenário brasileiro, foram identificados 627.193 novos casos em 2022. O tipo mais prevalente, excluindo o câncer de pele não melanoma, foi o de próstata, com 102.519 (representando 16,3% do total e 32,1% no recorte por gênero). Em segundo ficou o câncer de mama, que apresentou 94.728 novos casos (15,1% do total e 30,8% no recorte por gênero).

De fato, esse número tem aumentado ano a ano. “A projeção para 2023 é de um incremento de cerca de 12% em relação a 2022. Para se ter uma ideia, a taxa de crescimento da população brasileira foi de 0,52% ao ano, de acordo com o Censo de 2022”, expõe Marcos Queiroz, líder do Comitê de Radiologia e Diagnóstico por Imagem da Associação Brasileira de Medicina Diagnóstica (Abramed) e diretor de medicina diagnóstica no Hospital Albert Einstein.

Ele se baseia nos dados do Instituto Nacional do Câncer (INCA), que estima a ocorrência de 704 mil novos casos de câncer no Brasil neste ano, com destaque para as regiões Sul e Sudeste, responsáveis por 70% da incidência. “Isso acontece porque essas regiões têm a maior população do país, além de serem locais onde os métodos diagnósticos são mais disponíveis, favorecendo a detecção das lesões”, acrescenta.

Segundo o oncologista Carlos Gil, presidente do Instituto Oncoclínicas e diretor médico da Oncoclínicas&Co., associada Abramed, com o aumento da expectativa de vida da população em geral, os casos também tendem a crescer. Além disso, fatores ambientais, como estilo de vida, além de algumas mutações genéticas hereditárias em casos mais raros, influenciam no aparecimento da doença.

“Medidas de prevenção e políticas que promovam exames regulares para detecção precoce de tumores são fundamentais para as chances de sobrevivência das pessoas. O grande desafio é fazer com que tanto os tratamentos quanto os exames preventivos cheguem com equidade às pessoas. Há um desafio médico, mas também social no combate ao câncer”, explica.

Novidades em diagnóstico

São muitas as novidades para o diagnóstico de câncer. Entre elas, Queiroz cita os testes de análise molecular somática, que consistem no estudo da presença de mutações e outros biomarcadores em tecidos tumorais. Isso ajuda os médicos a entenderem melhor a biologia do câncer e a personalizarem o tratamento de acordo com as características genéticas do tumor.

“Recentemente, foi lançado o primeiro painel molecular para o estudo do linfoma e outras neoplasias linfoides. O desenvolvimento desses painéis é fundamental para um diagnóstico mais preciso e para direcionar terapias mais eficazes”, explica Cristóvão Mangueira, diretor médico de Análises Clínicas do Hospital Albert Einstein.

Também há painéis germinativos para avaliar predisposição hereditária ao câncer. Isso permite intervenções preventivas, como aconselhamento genético e monitoramento mais frequente. Há, ainda, a biópsia líquida, que envolve o estudo do sangue do paciente para pesquisa de mutações com impacto clínico. A biópsia líquida é menos invasiva do que biópsias tradicionais de tecidos e pode ser usada para monitorar a resposta ao tratamento e detectar precocemente a recorrência do câncer.

Existem também pesquisas avaliando o sequenciamento de genoma completo (WGS, do inglês Whole Genome Sequencing), que permite uma análise abrangente de todo o material genético de uma célula ou tecido. No contexto do câncer, o WGS pode revelar mutações específicas que impulsionam o crescimento tumoral, possibilitando estratégias terapêuticas mais personalizadas.

“Outra inovação presente nos Estados Unidos e que deve chegar ao Brasil em breve é a utilização de biópsia líquida para rastreio de diversos tipos de câncer, atuando como diagnóstico precoce, ou seja, antes de os sintomas aparecerem”, explica Mangueira.

Por último, surgiram, recentemente, aparelhos para a detecção intraoperatória de tecido tumoral através de espectrometria de massa (Mass Spect Pen). O dispositivo pode ser usado durante uma intervenção cirúrgica para análise em tempo real de tecidos biológicos. Ele permite a identificação rápida e precisa de tecido tumoral, ajudando os cirurgiões a distinguirem entre tecido saudável e canceroso durante a operação.

Já na área de imagem molecular, estão sendo desenvolvidos novos métodos de diagnóstico para câncer, que utilizam marcadores especiais para exames de PET-CT, como o FAPI (inibidor da proteína de ativação de fibroblastos), mais sensível que o tradicional PET-FDG para alguns tipos de tumores. Também há o marcador PET-FES, para detectar e acompanhar o câncer de mama. “Esses novos marcadores tornam o diagnóstico e o acompanhamento das lesões neoplásicas muito mais precisos”, reforça Queiroz.

“Dessa forma, todos esses avanços direcionam a um tratamento mais específico, melhorando o resultado clínico desses pacientes. É a chamada Medicina de Precisão, que significa personalizar o tratamento com base nas características únicas de cada caso”, explica.

Dia Nacional da Mamografia: exame fundamental para o diagnóstico do câncer de mama

Além do Dia Mundial do Combate ao Câncer (4/2), é celebrado, em 5 de fevereiro, o Dia Nacional da Mamografia, principal método de rastreio para diagnóstico precoce do câncer de mama, que muitas vezes não é realizado na frequência recomendada, especialmente em países em desenvolvimento.

No Brasil, a Sociedade Brasileira de Mastologia (SBM), o Colégio Brasileiro de Radiologia e Diagnóstico por Imagem (CBR) e a Federação Brasileira das Associações de Ginecologia e Obstetrícia (FEBRASGO) recomendam a mamografia anual para as mulheres a partir dos 40 anos de idade. No entanto, o Ministério da Saúde preconiza o rastreamento bianual, a partir dos 50 anos.

“A alta taxa de ocorrência de diagnósticos em estágio mais avançado que ainda ocorre no país e o desafio relacionado à equidade de acesso a tratamentos avançados impulsionam a letalidade”, frisa Gil.

A Abramed desempenha um papel crucial nesse cenário. As empresas associadas realizaram 1.4 milhão de mamografias em 2022, o que equivale a 29% dos exames na Saúde Suplementar e 16% do total no Brasil, segundo o Ministério da Saúde e a 5ª Edição do Painel Abramed – O DNA do Diagnóstico.

“A conscientização sobre a importância da mamografia, especialmente a tomossíntese, exame de mamografia tridimensional, que apresenta resultados ainda melhores que a mamografia tradicional, e o acesso a informações respaldadas por profissionais de saúde são fundamentais para salvar vidas e combater a doença”, salienta Queiroz.

Estudos demonstraram que a tomossíntese pode aumentar a taxa de detecção do câncer de mama em até 30% em comparação à mamografia convencional. A resposta está em sua capacidade de produzir imagens tridimensionais da mama, permitindo uma visualização em camadas. Isso é fundamental para detectar lesões pequenas e identificar anormalidades em mulheres com tecido mamário denso, reduzindo as taxas de falsos positivos e falsos negativos.Em 2023, a Abramed apoiou fortemente a inclusão do exame no rol de procedimento da ANS em prol da sustentabilidade do sistema de saúde brasileiro.

Em uma semana, cresce 21% o número de exames de dengue realizados na rede privada, segundo Abramed

A comparação é entre a semana de 14 a 20 de janeiro e a semana de 21 a 27 de janeiro. A positividade pode ser considerada estável: foi de 25% para 24%.

O número de exames de dengue realizados na rede privada aumentou 21% em uma semana, de acordo com as associadas à Associação Brasileira de Medicina Diagnóstica (Abramed), que representam cerca de 65% do volume de exames realizados na saúde suplementar no Brasil. A comparação é entre a semana de 14 a 20 de janeiro e a semana de 21 a 27 de janeiro de 2024 (última atualização dos dados). A positividade pode ser considerada estável: foi de 25% para 24%.

Comparando a semana de 31 de dezembro de 2023 a 6 de janeiro de 2024 (10.916) e a semana de 21 a 27 de janeiro de 2024 (21.984), o aumento é de mais de 101% na quantidade de exames realizados no período de quatro semanas. Apesar do crescimento, a positividade é a mesma: 24%. 

Desde a semana de 23 a 30 de dezembro de 2023, o número de exames de dengue vem subindo, enquanto a positividade tem variado entre 22% e 25%. Esses números mostram que as pessoas estão buscando a confirmação do diagnóstico ao sentirem sintomas associados à doença, como febre alta, dores musculares, dor ao movimentar os olhos, mal-estar, falta de apetite, dor de cabeça e manchas vermelhas no corpo.

“Se o risco de uma epidemia de dengue se concretizar, o papel do laboratório clínico para avaliar o risco de hemorragias será fundamental para evitar mortes”, explica Wilson Shcolnik, presidente do Conselho de Administração da Abramed.

Exames

O exame laboratorial é crucial para diferenciar doenças que têm os mesmos sintomas, como a dengue, a zika e a Chikungunya. Shcolnik explica que, nos estágios iniciais da dengue, até o quinto dia após o início dos sintomas, é feita a pesquisa de antígeno do vírus. E entre o décimo e o décimo quarto dia, é possível identificar a presença de anticorpos.

Como há quatro sorotipos de vírus da dengue circulando no Brasil (um, dois, três e quatro), há reagentes que possibilitam identificar todos juntos, não um de cada vez, o que facilita o processo de diagnóstico. 

Os profissionais de saúde utilizam vários métodos laboratoriais, sendo o ELISA (enzimaimunoensaio) um dos mais comuns, por ser muito sensível e específico para detectar a presença de antígenos ou anticorpos em uma amostra biológica, como o sangue.

No caso da dengue, o ELISA é usado para detectar o NS1 (antígeno do vírus) ou os anticorpos produzidos pelo sistema imunológico em resposta à infecção pelo vírus. O NS1 é uma proteína viral produzida durante a infecção aguda e sua presença no sangue indica uma infecção ativa. 

No entanto, Shcolnik alertou que a identificação do sorotipo responsável pela infecção requer testes mais sofisticados, geralmente realizados em estudos epidemiológicos. “Além do teste específico para dengue, é fundamental também realizar a contagem de plaquetas e avaliar o estado de hidratação do paciente. Abaixo de 40 mil plaquetas há risco de sangramento, identificando dengue hemorrágica”, alerta Shcolnik.

Importante lembrar que com a chegada das altas temperaturas e da temporada de chuvas, aumenta a proliferação do Aedes aegypti, mosquito transmissor da dengue, gerando uma grande preocupação, especialmente após o recorde histórico de 1.017 mortes em 2022 e um continuado aumento de casos em 2023. 

Além disso, as mudanças climáticas, incluindo fenômenos como o El Niño, têm contribuído para a expansão do vetor em regiões antes consideradas menos propensas à disseminação da dengue, como Centro-Oeste e Sul, segundo o Instituto Nacional de Meteorologia (INMET).

Vale ressaltar que os laboratórios clínicos associados à Abramed enviam os resultados dos exames diretamente à Rede Nacional de Dados em Saúde (RNDS/DATASUS), contribuindo para o monitoramento epidemiológico pelo Ministério da Saúde. Essas informações são essenciais para avaliar a situação da doença e orientar as medidas de saúde pública. 

Tendências e perspectivas para 2024 no setor de medicina diagnóstica

A expectativa é por diagnósticos mais rápidos e precisos, com a ajuda da tecnologia, impulsionando intervenções preventivas

O cenário da área de medicina diagnóstica para 2024 é muito promissor, com grandes oportunidades, embora haja alguns desafios. Segundo Wilson Shcolnik, presidente do Conselho de Administração da Associação Brasileira de Medicina Diagnóstica (Abramed), as condições epidemiológicas continuam a impulsionar a demanda por exames, tanto na área laboratorial como na de imagem, especialmente em relação às doenças crônicas e ao envelhecimento da população.

De acordo com dados da 5ª edição do Painel Abramed – O DNA do Diagnóstico, o Brasil está passando por uma significativa transição demográfica. Essa mudança, relacionada à transição epidemiológica, indica uma alteração nos padrões de saúde do país. Anteriormente, as doenças infectocontagiosas eram a principal causa de mortes, especialmente em nações de baixa renda.

Contudo, à medida que a população amadurece, as doenças crônicas não transmissíveis, como hipertensão e diabetes, tornam-se mais proeminentes como causas de óbito. O Brasil reflete essa transição, com uma crescente prevalência de doenças não transmissíveis, evidenciando o impacto do envelhecimento populacional nesse cenário epidemiológico.

Além disso, Shcolnik ressalta que de acordo com as previsões do Instituto Nacional do Câncer (INCA), o Brasil deve registrar 704 mil casos novos de câncer ao ano no triênio 2023-2025, com destaque para as regiões Sul e Sudeste, que concentram cerca de 70% da incidência da doença. Essa realidade vai demandar ainda mais um diagnóstico precoce e preciso.

Por outro lado, estão surgindo novos biomarcadores que poderão auxiliar ​​em diversos aspectos do diagnóstico, como identificação de doenças, avaliação de riscos, estratificação de pacientes e monitoramento de tratamentos. Sua utilização tem permitido a individualização de tratamentos para a medicina personalizada.

“A busca por métodos mais avançados e precisos é evidente, com a espectrometria de massa ganhando destaque como uma metodologia analítica no laboratório clínico. Apesar de ser uma opção custosa, oferece vantagens na identificação e quantificação precisa de marcadores”, acrescenta Shcolnik.

No que diz respeito à população, o presidente da Abramed observa um aumento na conscientização sobre a importância da prevenção, refletido na realização de procedimentos preventivos. “Exames acessíveis, como o papanicolau e a pesquisa de sangue oculto nas fezes para identificar câncer de colo de útero, são ferramentas que ganharão ainda mais relevância”, destaca.

Um assunto que merece atenção é o risco de uma epidemia de dengue. Se isso se concretizar, o papel do laboratório clínico para avaliar o risco de hemorragias será fundamental para evitar mortes. Segundo dados preliminares das associadas à Abramed, o número de exames de dengue realizados na rede privada aumentou mais de 77% em quatro semanas (de 16 de dezembro de 2023 a 13 de janeiro de 2024), enquanto a positividade variou entre 18% e 24%.

Falando em tecnologia, uma inovação significativa que Shcolnik ressalta é a integração da inteligência artificial (IA) na análise e interpretação dos dados produzidos por laboratórios clínicos e na área de medicina diagnóstica. A combinação desses dados com informações clínicas e características pessoais pode proporcionar conclusões preditivas, abrindo caminho para intervenções mais eficazes.

No campo do diagnóstico por imagem, Cesar Higa Nomura, vice-presidente do Conselho de Administração da Abramed, destaca a crescente presença da IA nos exames de ressonância magnética, que prometem aumento na qualidade e redução no tempo necessário para sua realização.

O uso da IA está promovendo uma revolução na prática médica, oferecendo diagnósticos mais rápidos e precisos, melhorando a eficiência operacional e proporcionando uma melhor experiência aos pacientes. “No entanto, é importante considerar questões éticas, regulatórias e de segurança ao integrar a IA na prática clínica, para garantir que os benefícios sejam alcançados de maneira responsável e segura”, salienta.

Além disso, Nomura ressalta a tendência de redução no uso de filmes e papéis nos exames de imagem. “A migração para formatos digitais e armazenamento em nuvem se mostra não apenas mais eficiente, mas também mais ecologicamente responsável, pois sem os filmes não há mais descarte no meio ambiente. Isso é uma tendência mundial”, declara. A Abramed tem se dedicado ao tema, atuando junto a outros atores da cadeia.

Outra tendência cada vez mais proeminente no setor de saúde é a busca pela interoperabilidade, visando otimizar a troca de informações entre diferentes sistemas e proporcionar uma visão abrangente dos dados do paciente. Nesse contexto, o Padrão Internacional de Nomenclatura e Codificação de Observações de Laboratório (LOINC) emerge como uma ferramenta crucial.

O LOINC estabelece um conjunto padronizado de códigos para a identificação única de observações clínicas e resultados de testes laboratoriais, facilitando a harmonização e integração eficiente de dados entre instituições de saúde. A implementação do LOINC contribui para a interoperabilidade ao permitir que profissionais de saúde compartilhem informações de maneira mais precisa e eficaz, promovendo uma abordagem mais coordenada e centrada no paciente.

“Essa tendência reflete o compromisso crescente em aprimorar a qualidade e a eficiência dos cuidados de saúde por meio da integração de sistemas e da adoção de padrões que transcendem fronteiras institucionais. A Abramed tem atuado ativamente pela sustentabilidade do setor, buscando tornar a interoperabilidade uma realidade”, complementa Shcolnik.

Assim, 2024 promete ser marcado por avanços significativos no setor de medicina diagnóstica, desde o aprimoramento de métodos analíticos até a integração da inteligência artificial, proporcionando diagnósticos mais precisos, rápidos e aprimorando as possibilidades de intervenções preventivas.

A medicina não pode mais negligenciar a gestão e a eficiência econômica

Por Alberto Duarte*

É inegável que a medicina contemporânea se depara com desafios complexos, sobretudo quando nos debruçamos sobre o intricado cruzamento entre diagnóstico, gestão e a sustentabilidade de nosso sistema de saúde. Como profissional imerso nesse cenário, percebo que é hora de uma reflexão profunda sobre como podemos promover mudanças positivas, levando em consideração o papel da medicina diagnóstica, pois se sabe que cerca de 70% das decisões médicas se baseiam em resultados de exames laboratoriais.

Quando pensamos em laboratórios e exames de imagem, inevitavelmente, estamos falando de elementos fundamentais na jornada diagnóstica do paciente. Contudo, aprimorar esses ambientes não deve se limitar apenas à sofisticação tecnológica, mas também à consciência de que a busca por diagnósticos precisos deve ser equilibrada com a responsabilidade de evitar exames desnecessários, que não apenas encarecem o processo, mas também expõem o paciente a procedimentos invasivos sem razão clínica.

Ao longo de minha trajetória, tive a oportunidade de liderar iniciativas voltadas para o uso racional do laboratório em um hospital público. Esta experiência ressaltou a importância de conscientizar os médicos sobre a necessidade de solicitar exames de forma ponderada. Alguns deles pecam pelo excesso por receio de serem acusados de negligentes.

Então, criamos algoritmos que indicavam quando e com que frequência determinados exames deveriam ser realizados, evitando excessos e reduzindo a sobrecarga econômica nos serviços de saúde. Esse é o tipo de movimento que contribui para o equilíbrio na cadeia de saúde, que envolve o médico, o paciente e a operadora de saúde.

Entretanto, a responsabilidade não recai apenas sobre os ombros dos médicos. A gestão, muitas vezes negligenciada nos currículos médicos, deve ser incorporada de maneira mais significativa na jornada de aprendizado. Durante minha presidência no conselho do Instituto Central do Hospital das Clínicas, percebi a complexidade que surge quando profissionais, muitas vezes não treinados em gestão, são encarregados de administrar serviços médicos.

A gestão eficaz não é apenas uma habilidade administrativa, mas uma ferramenta essencial para otimizar recursos, escolher opções terapêuticas mais acessíveis e, consequentemente, oferecer um atendimento de qualidade sem exorbitantes custos. No entanto, essa perspectiva de gestão não é amplamente ensinada nas faculdades de medicina, fazendo com que o médico nem sempre esteja apto a tomar decisões eficientes no âmbito financeiro.

Além disso, é importante abordar a assimetria na qualidade do ensino de medicina entre diferentes regiões. A padronização e a normatização nos currículos médicos são imperativos para garantir que todas as faculdades do país formem profissionais aptos a atuar em diversos cenários. Não podemos aceitar faculdades que não ofereçam oportunidades adequadas de prática clínica e residência, afinal, a experiência é crucial para o desenvolvimento de habilidades médicas. Há avanços na conscientização sobre essas questões, mas ainda há muito a ser feito para melhorar o sistema de saúde como um todo.

Nesse contexto de transformações necessárias, a inteligência artificial emerge como uma aliada promissora. A capacidade de reunir e analisar dados de forma rápida e precisa pode ser aproveitada para orientar os médicos na tomada de decisões mais embasadas. Algoritmos podem indicar a necessidade real de determinados exames, evitando solicitações desnecessárias e contribuindo para a racionalização dos recursos.

A Abramed, como representante das empresas de medicina diagnóstica, não tem como normatizar esse tema, mas pode, como vem fazendo, promover a racionalização através da conscientização da cadeia de saúde sobre a importância dessa questão e suas consequências. Dessa forma, a entidade visa a proteger seus associados, evitando glosas e o mau uso da prática médica.

Portanto, o futuro da medicina, na minha visão, depende da sinergia entre conscientização, gestão eficaz e incorporação de tecnologias inovadoras. A inteligência artificial não vai substituir o profissional, mas é uma ferramenta valiosa para orientar práticas mais conscientes e eficientes. As associações médicas, as instituições de ensino e os próprios profissionais têm um papel crucial na promoção dessas mudanças.

Como atuante na área, reafirmo que a medicina não pode mais negligenciar a gestão e a eficiência econômica. A busca incessante pelo que é mais recente e saliente na mídia nem sempre se traduz no melhor para o paciente. É chegada a hora de um realinhamento na formação médica, incorporando uma visão mais holística que compreenda a importância da gestão, da responsabilidade financeira e do uso consciente da tecnologia em prol de um sistema de saúde sustentável e de qualidade.

*Alberto Duarte – Graduado em Medicina pela Universidade de Pernambuco, com doutorado em Nefrologia pela Universidade Federal de São Paulo (Unifesp) e aperfeiçoamento em Imunologia pela Harvard Medical School. Conquistou livre-docência na Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (FMUSP), em 1983, e implantou o serviço de Imunologia Clínica do Hospital das Clínicas, além de ser responsável pela criação do Laboratório de Investigação Médica também nessa faculdade. Entre 2011 e 2013, foi Diretor do Instituto Adolfo Lutz, em São Paulo, e entre 2012 e 2023 foi Professor Titular de Patologia da FMUSP e Diretor do Laboratório Central do Hospital das Clínicas da FMUSP.  Recebeu o Prêmio Dr. Luiz Gastão Rosenfeld de 2023, homenagem criada pela Associação Brasileira de Medicina Diagnóstica (Abramed).