Venda de autotestes de Covid-19 no Brasil

São Paulo – 28/01/2022 – Sobre a liberação da venda de autotestes de Covid-19 no Brasil, a Associação Brasileira de Medicina Diagnóstica (Abramed) apoia a utilização desta modalidade de testagem, pois reconhece sua utilidade como triagem neste momento da pandemia, e aguarda a inclusão das orientações sobre o uso dos autotestes em uma atualização do “Plano Nacional de Expansão de Testagem para Covid-19” (PNE Teste). 

Entretanto, sente-se na obrigação de alertar e reforçar a sua preocupação com a qualidade desses dispositivos e possíveis falhas na execução dos autotestes que, embora tenham uma aparente facilidade de aplicação, têm complexidade tecnológica e exigem que todas as etapas sejam realizadas com muito cuidado. 

Imperfeições nessas etapas levam a obtenção de falso-negativos, o que, do ponto de vista epidemiológico, é extremamente grave por trazer falsa sensação de segurança em relação a não transmissibilidade da COVID-19. 

Face a essas preocupações, a Abramed, junto a Sociedade Brasileira de Análises Clínicas – SBAC, e a Sociedade Brasileira de Patologia Clínica / Medicina laboratorial – SBPC/ML, enviou ofício ao Ministério da Saúde, solicitando que os Laboratórios Clínicos participem da realização dos autotestes, em caráter temporário e excepcional, disponibilizando seu ambiente controlado para que os pacientes realizem o procedimento com a orientação e supervisão de profissionais capacitados, bem como para terem seus resultados comunicados aos órgãos sanitários competentes, como já é prática nesses estabelecimentos. 

Por fim, reafirmamos que o autoteste trata-se de um teste de triagem e requer confirmação para diagnóstico.

SOBRE A ABRAMED Fundada em 2010, a Associação Brasileira de Medicina Diagnóstica, entidade sem fins lucrativos, é resultante da união de importantes instituições de medicina diagnóstica, laboratorial e por imagem, comprometidas com a ética e a qualidade dos serviços prestados, promovendo a melhoria contínua de serviços no setor da saúde, além de reunir, produzir, sistematizar e disseminar conhecimentos interdisciplinares.

Abramed contribui para discussão sobre agenda de políticas para a saúde em evento virtual

Participante do Welcome Saúde, Leandro Figueira destacou a importância da educação para o desenvolvimento do setor

“Diálogos para uma agenda de políticas para a saúde” foi o tema do debate promovido pelo Grupo Mídia no evento Welcome Saúde: Perspectivas políticas e econômicas pós-pandemia, realizado virtualmente no dia 27 de janeiro. 

Com moderação de Paulo Henrique Fraccaro, superintendente da Abimo – Associação Brasileira da Indústria de Dispositivos Médicos, o debate contou com profissionais de grande experiência no setor, que discutiram as necessidades da área de saúde e as perspectivas para este ano.

Segundo Francisco Balestrin, presidente do SINDHOSP – Sindicato dos Hospitais, Clínicas, Laboratórios e Demais Estabelecimentos de Saúde do Estado de São Paulo e do CBEXs – Colégio Brasileiro de Executivos da Saúde, em 2020 começou um movimento muito positivo da sociedade, mostrando a interdependência entre todos os atuantes na área de saúde, inclusive entre os setores público e privado.

“Entretanto, nessa trajetória, sofremos muito. A política repercutiu em todas as ações: no desenvolvimento de produtos, nas ações coordenadas de combate à doença e de produção de vacinas, ou seja, além do ‘inimigo comum’, chamado Covid-19, tivemos de enfrentar outro elemento, a política, com mudanças constantes de ministros e disseminação de notícias falsas”, destacou Balestrin.

Para o presidente do SINDHOSP e do CBEXs, será muito difícil desenvolver uma política pública de saúde em 2022. “O cristal já está trincado, não tem jeito de colar. Precisamos de uma grande mudança. Todos teremos de trabalhar para produzir propostas de reestruturação do sistema que possam ser utilizadas a partir do ano que vem, não deste ano”, revelou. 

Também convidado para o debate, Leandro Figueira, vice-presidente do Conselho de Administração da Abramed – Associação Brasileira de Medicina Diagnóstica, concordou com a opinião de Balestrin sobre não ser possível haver mudança política este ano, pois o país vai se concentrar na agenda eleitoral.

Questionado sobre a necessidade de uma melhor organização dos recursos disponíveis para saúde, Figueira comentou que o mercado de saúde privado é extremamente onerado. “Geramos riqueza, resultado para o PIB, emprego, mas sua sustentabilidade é questionável. A questão é: qual o limite da gestão para fazer com que todas as margens decrescentes sejam responsáveis por manter o setor?”

Figueira citou os desperdícios e a falta de recursos tanto do setor público quanto do privado. “Todos dizem que a racionalização de recursos é necessária, mas nós, como agentes de mudança, ainda não internalizamos ou não tivemos a força política necessária para poder mudar a mentalidade dos políticos e criar uma política de Estado, seja para a saúde suplementar, seja para o Sistema Único de Saúde.” 

Para o vice-presidente do Conselho de Administração da Abramed, precisamos educar a população sobre a utilização dos recursos em saúde conscientemente. “Mobilizando a sociedade, a racionalização do recurso vai naturalmente aparecer e teremos um setor mais sustentável”, expôs.  

De acordo com Figueira, não adianta ir atrás dos políticos para criar uma agenda pública e discutir o acesso à saúde. É necessário criar políticas públicas para definir qual é o grau de instrução da população para poder levar conhecimento. “E levando conhecimento, faremos uma sociedade melhor, elegeremos representantes melhores e será um círculo virtuoso de crescimento para o país.”  

Em sua apresentação, Figueira também destacou o papel da Abramed durante a pandemia, já que os associados foram extremamente requisitados, por ser a porta para a realização de exames. No entanto, o Brasil não conseguiu lidar com maestria com a crise. “Foi a iniciativa privada que se mobilizou para que os dados chegassem ao Ministério da Saúde. Em relação à área pública, a privada tem como diferenciais a disciplina, a capacidade de execução, a utilização de protocolos rígidos e a cobrança de profissionais superiores, no sentido de responsabilidade”, disse.

Falando sobre a atenção primária, Denise Eloi, diretora-executiva do ICOS – Instituto Coalizão Saúde, salientou a importância de ampliar e organizar o acesso à saúde, mas evitando soluções isoladas, investindo também nas atenções secundária e terciária.

“Algumas discussões pedem alterações na atenção primária, mas elas só aumentam a fragmentação do sistema de saúde. Entendo que aprimorar o modelo assistencial, a gestão, o financiamento, o desenvolvimento científico e tecnológico, a indústria, a relação entre público e privado, enfim, propostas que entreguem valor ao cidadão, deve ser o foco dessa agenda política”, expôs Denise. 

Também contribuiu para o debate Carlos Alberto Pereira de Oliveira, coordenador do Projeto “Sífilis Não”, pesquisador do LAIS/UFRN, vice-diretor do IFHT/UERJ e assessor externo da OMS para a Estratégia de Aprendizagem. Ele concorda com os enormes desafios para 2022, mas acredita que é nele que começará a construção para os anos seguintes. 

“Precisamos entender que 2022 será um ano em que a pandemia passará a ser uma endemia. A saúde, a economia, os empregos, o recolhimento de impostos não podem parar. Por isso, nossa agenda política na saúde é mais que prioritária e exige mobilização. Precisamos ter uma bancada no Congresso Nacional que defenda a saúde pública e privada como um negócio”, afirmou.

Conforme explicou Oliveira, é necessário ter um plano específico para o setor da saúde que dialogue transversalmente com outras áreas. E que chegue ao Congresso até o fim de fevereiro ou começo de março, senão não haverá uma política pública para defender coletivamente.  

Para os participantes, é importante definir os principais eixos que nortearão os próximos passos da saúde, unir forças e reunir pessoas que tenham compromisso com a saúde e sejam fundamentais para a tomada de decisões. A responsabilidade é de todos nós.

Falta reagente e política para autoteste

Em nota publicada no Jornal Zero Hora, Alex Galoro, diretor do Comitê de Análises Clínicas da Abramed, disse que a mesma falta de reagentes que afeta os laboratórios limita a produção de autotestes. Mesmo que a Fiocruz fosse demandada a aumentar a produção de testes destinados a postos de saúde – o que não deve ocorrer, por não haver intenção de fazer distribuição gratuita -, esbarraria na dificuldade de importação que afeta os laboratórios privados. Confira a publicação na íntegra AQUI.

Presidente do Conselho de Administração da Abramed, Wilson Scholnik, fala ao Jornal Nacional

O presidente do Conselho de Administração da Abramed, Wilson Scholnik, falou ao Jornal Nacional, no último dia 12 de janeiro, em reportagem sobre o aumento de casos de Covid e a escassez de testes pelo Brasil. Segundo Scholnik, a corrida global por testes provocou uma escassez de insumos e não há previsão para normalização do fornecimento. A Abramed recomenda que alguns pacientes sejam priorizados. Confira a reportagem na íntegra aqui.

Em matéria sobre o mesmo tema, publicada pelo O GLOBO, a Abramed recomendou aos laboratórios privados brasileiros que “cessem” a testagem de pacientes com poucos sintomas ou assintomáticos para a Covid-19. A justificativa para essa medida está na iminente falta de insumos para realização de testes RT-PCR, que identificam o material genético do vírus, e de testes de antígeno, que detectam proteínas ligadas ao coronavírus. Leia a reportagem aqui.

Segundo a Abramed, seus associados respondem por mais de 65% de todos os exames realizados pela saúde suplementar no País. Para eles, a associação emitiu nota técnica pedindo pela priorização de pacientes a serem testados.  A escala de gravidade se dá na seguinte ordem: pacientes que tenham maior gravidade de sintomas; doentes hospitalizados e cirúrgicos; pessoas no grupo de risco; gestantes; trabalhadores assistenciais da área da saúde; e colaboradores de serviços essenciais. Veja reportagem do Estadão clicando aqui.

Antibiótico – Vilão ou Herói?

A resistência a antibimicrobianos é uma ameaça global que promete causar 10 milhões de mortes por ano até 2050 e danos catastróficos à economia. Atualmente, pelo menos 700.000 pessoas morrem a cada ano devido a doenças resistentes a medicamentos, e sem investimento, as gerações futuras enfrentarão os impactos desastrosos do uso de antimicrobianos de forma não controlada como a que ocorreu durante a pandemia da COVID19. 

O uso excessivo, indevido e o abuso de antimicrobianos foram reconhecidos como os principais impulsionadores do surgimento global de resistência antimicrobiana (AMR), tanto na comunidade quanto em hospitais. A taxa de uso inadequado de antimicrobianos em hospitais foi calculada em 50%, evidenciando a importância da adoção de iniciativas direcionadas a otimização do uso de antimicrobianos, incluindo seleção, dose, duração e via de administração, também conhecido como Antimicrobial Stewardship (AMS), e a criação de programas de manejo antimicrobiano (Antimicrobial Stewardship programs – ASPs). As iniciativas de AMS buscam a melhores resultados no cuidado ao paciente, reduzir efeitos adversos, diminuir a pressão seletiva para a resistência a antimicrobianos, e fornecer cuidados de saúde com boa relação custo-benefício.

Neste sentido, a bioMérieux lançou a primeira campanha desenvolvida a nível global com efetivação regional, como ocorre aqui no Brasil. O objetivo desta campanha de 2 anos é:

– AUMENTAR A VISIBILIDADE como parceiro de soluções para o público em geral em vários níveis de maturidade de gerenciamento antimicrobiano;

– GERAR IMPACTO NOS NEGÓCIOS da empresa, criando engajamento com nossa Oferta Integrada de AMS.

A primeira fase da campanha AMS foi lançada em novembro de 2021 durante a Semana Mundial de Conscientização Antimicrobiana (WAAW), com um artigo de liderança de pensamento com Mark Miller, MD, diretor médico, intitulado “O papel crucial do diagnóstico para melhorar a administração antimicrobiana”. Este artigo está incluído ao lado de outras empresas e associações líderes como um patrocínio de campanha de resistência antimicrobiana (AMR) com a Global Cause.

Os leitores do artigo terão acesso à página de destino da campanha AMS com conteúdo adaptado à sua maturidade AMS (com base na localização) e onde estão no processo de tomada de decisão. As postagens de mídia social que promovem a página de destino estão atualmente ativas no Facebook e no Twitter, juntamente com anúncios direcionados do LinkedIn para os principais públicos.

Em 2022, a campanha global AMS alinhará táticas e atividades em torno de importantes congressos e observâncias globais, como ECCMID, AACC, ASM Microbe, World AMR Congress e WAAW. A participação regional começará em meados do primeiro trimestre de 2022 em prazos designados, permitindo que as equipes regionais acelerem seus roteiros de AMS localizados, impulsionem mudanças e alcancem seu potencial total.

Ainda vale ressaltar que entre as soluções no uso correto dos antimicrobianos, a biomerieux disponibiliza testes de diagnósticos multiplex para pesquisa sindrômica de patógenos, que tem papel fundamental no direcionamento da terapia antimicrobiana. Sem ferramentas diagnósticas com bom desempenho e rápidas, como  os painéis, a equipe médica, que acreditam no conceito de stewardship não têm informações suficientes sobre o estado do paciente e qual o melhor tratamento a ser direcionado.

Durante a pandemia da COVID19, a grande maioria dos pacientes internados receberam antibióticos, mesmo sendo pouco frequente a infecção secundária por uma bactéria. Painéis multiplex para pesquisa de patógenos respiratórios possibilitam a identificação do patógeno causador dos sintomas em cerca de uma hora além dos genes de resistência o que possibilitam a maior assertividade do tratamento.

É nesta base – um diagnóstico rápido e confiável – que se constroem os pilares de AMS: conhecer os germes presentes em cada setor do hospital para orientar os tratamentos iniciais e guiar adequadamente o uso de antibióticos ao final da investigação laboratorial. É assim que vamos virar a jogo no combate a resistência bacteriana!

Associadas à Abramed investem em novos modelos de negócios e ganham destaque no combate à pandemia

Plataformas digitais de saúde e apoio hospitalar estão entre as soluções adotadas para agilizar o atendimento

Mesmo em meio à crise provocada pelo novo coronavírus, 64,4% das associadas à Abramed investiram no desenvolvimento de novos modelos de negócio, de acordo com o Painel 2021 da Abramed – Associação Brasileira de Medicina Diagnóstica: O DNA do Diagnóstico. Alguns destaques são: ampliação do atendimento domiciliar, oferta de vacinas, plataformas digitais de saúde e coordenação dos cuidados, exames para detecção da covid-19, apoio hospitalar e Home Care. 

Wilson Shcolnik, presidente do Conselho de Administração da Abramed, destaca que, segundo dados da Saúde Digital Brasil, entre 2020 e 2021, cerca de mais de 7 milhões e meio de consultas foram feitas por telemedicina. Com certeza, algumas delas geraram solicitações de exames complementares, tanto de diagnóstico por imagem como laboratoriais. “A telepatologia e a telerradiologia já são amplamente utilizadas. A telepatologia, que consiste no envio de lâminas microscópicas para a leitura remota de especialistas, é uma ferramenta que vem crescendo não só no Brasil, mas também em outros países.”

No início da pandemia, a falta de insumos gerou uma competição em nível internacional que se estendeu para as vacinas, complicando a situação no Brasil. “Mas nós brasileiros somos famosos pela criatividade e flexibilidade, então novas soluções foram colocadas em prática durante a pandemia, levando pesquisadores e profissionais que trabalham em laboratórios clínicos a adaptar métodos analíticos que eram muitas vezes usados em outras situações para enfrentar a pandemia”, diz Wilson Shcolnik. Um exemplo é o sequenciamento de Nova Geração, muito utilizado na medicina personalizada para detecção de mutações, que acabou sendo usado também na pandemia. “Podemos chamar de um pequeno desvio de função, mas com proveitos para a população”, acrescenta. 

Para todas as linhas de negócio citadas já existiam iniciativas incipientes dos membros associados à Abramed, no entanto, durante a pandemia, a implantação desses serviços acelerou-se de forma brutal. “Com a evolução da pandemia, do tratamento e da assistência dada a todos os beneficiários e pacientes, o sistema se adaptou de forma a não retroagir. Pode ser que algumas pessoas ainda prefiram usar o método antigo, mas quem descobriu outra via de acesso, proporcionada principalmente pelas plataformas, tem mantido a incidência muito alta em comparação com o pré-pandemia. É o conceito da conveniência”, diz Leandro Figueira, vice-presidente do Conselho de Administração da Abramed.

As empresas associadas à Abramed também investem continuamente para promover soluções capazes de entregar mais valor aos pacientes. Por meio de softwares e sistemas avançados de gerenciamento, é possível analisar exames laboratoriais e de imagem de forma cada vez mais rápida e eficiente, além de possibilitar condutas clínicas mais assertivas. Um número maior de empresas associadas à Abramed tem se adaptado a essas tecnologias, com destaque para os softwares de Business Intelligence (BI), utilizados por 96,2% das associadas.

Um dos destaques é a tendência crescente de investimento na integração de dados originados de vários segmentos do cuidado ao paciente, para proporcionar maior agilidade, melhorar a tomada de decisões e obter maiores ganhos de eficiência do sistema de saúde.

O serviço de atendimento domiciliar também está no foco das associadas à Abramed, principalmente impulsionado pela pandemia. Isso porque as unidades laboratoriais tiveram de adaptar suas estruturas para atender os pacientes com suspeita de covid-19 de forma separada dos demais que foram realizar outros exames. Uma das alternativas encontradas pelos laboratórios foi oferecer o exame para detecção do novo coronavírus em sistema drive-thru ou coleta domiciliar.

O Grupo Pardini, por exemplo, desde o início da pandemia, executou mais de 30 projetos, incluindo o drive-thru e o atendimento domiciliar, o que permitiu atender com segurança o crescente fluxo de pacientes.

Já a Sociedade Beneficente Israelita Brasileira Albert Einstein ampliou o serviço de atendimento domiciliar em 2020. Além da coleta de exames laboratoriais e vacinação, passou a incluir eletrocardiograma, ultrassonografia e polissonografia, evitando os deslocamentos.

Tecnologia traz boas perspectivas para o futuro da Medicina Diagnóstica

Mesmo diante dos desafios econômicos, regulatórios e legislativos, o panorama para o setor no Brasil é promissor

Mesmo com o panorama desafiador enfrentado nos últimos dois anos, o setor de Medicina Diagnóstica continuou investindo em novas tecnologias e formas de atendimento para ofertar soluções de diagnóstico laboratorial e de imagem, acelerar ainda mais a transformação digital, a automação de processos, a utilização das tecnologias de inteligência artificial, internet das coisas, entre tantas outras, sempre visando fornecer serviços de excelência que contribuem para o melhor cuidado da saúde.

Desde o início da pandemia, o setor atuou no desenvolvimento de testes moleculares recomendados pela Organização Mundial da Saúde (OMS). Os exames de imagem, como as tomografias computadorizadas, também foram essenciais para diagnosticar e monitorar casos mais graves que implicaram insuficiência respiratória, com outros exames laboratoriais. Continuamente, inúmeras ações foram realizadas para aprimorar os métodos diagnósticos e facilitar o acesso à população brasileira. A cooperação dos diversos agentes foi essencial para o avanço e a consolidação das medidas necessárias ao enfrentamento da crise.

Falando das perspectivas para 2022, Leandro Figueira, vice-presidente do Conselho de Administração da Abramed – Associação Brasileira de Medicina Diagnóstica, acredita que aqueles que deixaram de cuidar da saúde durante a pandemia vão voltar de forma gradativa às consultas e colocarão seus exames em dia.

Segundo o Painel Abramed 2021 – o DNA do Diagnóstico, cerca de 177 milhões de exames complementares deixaram de ser realizados na saúde suplementar em 2020 em decorrência da pandemia. “Percebemos que muitas pessoas que acabaram não resistindo à covid-19 eram portadoras de doenças crônicas não tratadas. Com isso, acreditamos que a população aprendeu a importância de se cuidar, para estar mais segura sobre a própria saúde”, diz Figueira.

O cenário é bastante desafiador, afinal de contas, é preciso assistir essa população. “Mas estamos otimistas, a vacinação trouxe benefícios e vamos conseguir implantar um ritmo para que a saúde seja uma pauta para todos os brasileiros”, comenta o vice-presidente.

Wilson Shcolnik, presidente do Conselho de Administração da Abramed, acrescenta que com o envelhecimento da população estão surgindo novos movimentos para valorizar a prevenção e a promoção à saúde, como a medicina personalizada. Vale lembrar que a quantidade de pessoas com 60 anos ou mais aumenta a cada ano e de forma acelerada, principalmente nos países menos desenvolvidos. “Há movimentos empresariais acontecendo, como novas incorporações, aquisições, fusões. A área de Medicina Diagnóstica no Brasil vem acompanhando o movimento mundial e acredito que ela possa dar as respostas que o sistema de saúde precisa”, expõe.

Sem dúvida, o futuro da saúde está diretamente ligado à prevenção e à promoção da saúde e também à saúde populacional. “Através da tecnologia, conseguimos identificar segmentos de pessoas propensas a algumas doenças, possibilitando programar e planejar intervenções para evitar que se instalem ou se descontrolem”, acrescenta o presidente.

Também é preciso cuidar das pessoas que já têm doenças identificadas, sobretudo crônicas, que exigem tratamentos prolongados. Os exames de diagnóstico por imagem e laboratoriais possibilitam ao médico gerenciar tratamentos, identificando mudanças de rumo terapêutico, às vezes tão necessárias.

Outro tema, que já está presente na área de saúde e Medicina Diagnóstica e ganha cada vez mais espaço, é o ESG (Environmental, social and corporate governance), sigla em inglês para ambiental, social e governança corporativa. Esse conceito amplia o olhar da sustentabilidade para eixos diferentes, extrapolando as questões relacionadas ao meio ambiente, e envolvendo ações que impactem positivamente a vida das pessoas de diversas maneiras e com diversas frentes. A geração de resíduos na realização dos exames é um dos assuntos que merecem atenção dentro desse conceito.

Vários laboratórios associados à Abramed já vêm adotando práticas de sustentabilidade há alguns anos.  A Abramed, inclusive, criou um comitê para começar a abordar o tema. O Comitê de ESG atuará em três pilares: benchmarking para trazer para os associados as melhores práticas; geração de conteúdo; e projetos aplicados, que consistem nas iniciativas que serão abraçadas pela entidade em ESG.

Mais um destaque quando se fala em perspectivas no setor é o diagnóstico assistido por inteligência artificial, que pode considerar todas as evidências médicas disponíveis, identificar patologias com exatidão e fornecer atendimento personalizado, melhorando os resultados do tratamento frente à existência de inúmeros dados em saúde, ainda pouco explorados.

Os softwares de inteligência artificial são capazes de incorporar o histórico familiar, fatores de risco e resultados de diversos exames para auxiliar no diagnóstico de inúmeras doenças.

“Há inúmeras oportunidades com a inteligência artificial, que, aplicada na área de Medicina Diagnóstica, como já vem acontecendo, vai ampliar a participação dos associados no sistema de saúde”, comenta Shcolnik.

Telemedicina

A telemedicina, mais do que tendência, é uma realidade necessária na assistência à saúde da população mundial. Ela é impulsionada pela necessidade de superar barreiras em regiões com infraestrutura limitada no acesso dos serviços de saúde e restrições orçamentárias enfrentadas, principalmente, por países em desenvolvimento.

De modo geral, a expectativa é que os procedimentos online sejam mais baratos que os presenciais, o que pode resultar na redução dos custos em saúde e evitar os desperdícios. Nesse sentido, diversas tecnologias estão em desenvolvimento para atender às necessidades de pacientes, médicos e outros profissionais de saúde.

Com a chegada do 5G e o avanço da tecnologia, o país vai ter mais condição de, por meio de telemedicina, fazer a medicina chegar a locais mais distantes. “A telerradiologia já é uma tecnologia regulamentada consagrada no país. Através dela, é possível operar equipamentos de tomografia computadorizada ou ressonância magnética a partir de centros tecnológicos em São Paulo ou em outros lugares. O Brasil é pioneiro nisso”, diz Figueira.

Mesmo diante desse cenário, ainda há desafios para se alcançar o pleno potencial da telemedicina. Entre eles, a necessidade de integração de dados entre os atores do sistema de saúde, uma integração mais adequada das atividades virtuais e rotinas de trabalho dos médicos no cotidiano, com o objetivo de possibilitar modelos de atendimento híbridos e o alinhamento dos incentivos para o trabalho virtual baseado em valor.

Durante a pandemia, a plataforma de telemedicina desempenhou um papel relevante no controle de disseminação e na ampliação do conhecimento sobre a doença. Mas a manutenção do seu uso em grande escala é incerta. No entanto, várias lições foram aprendidas neste período com objetivo de evitar o uso inadequado dos serviços médicos, estabelecendo processos de triagem mais eficientes.

Pandemia impulsiona desenvolvimento de aplicativos, reduzindo desperdícios no setor da saúde

Quase 70% das associadas à Abramed desenvolveram soluções principalmente para o agendamento de atendimentos

A pandemia alterou dramaticamente a prestação do atendimento ambulatorial no ano de 2020. Desde o início da pandemia, os pacientes começaram a adiar consultas eletivas e tratamentos, migrando para o uso de telemedicina.

A necessidade de isolamento social, visando à proteção dos profissionais de saúde e pacientes, contribuiu ainda mais para adaptações dos serviços de saúde por meio da utilização dessa tecnologia a fim de mitigar a disseminação da covid-19.

Para lidar com esses desafios, as empresas associadas à Abramed – Associação Brasileira de Medicina Diagnóstica – têm investido no desenvolvimento de aplicativos para smartphones com objetivo de oferecer maior conforto e praticidade aos pacientes, conforme demonstra o Painel Abramed 2021 – O DNA do Diagnóstico.

Em 2021, 69,2% das associadas à entidade desenvolveram aplicativos, principalmente para o agendamento de atendimentos em razão da pandemia. A ampliação do acesso de pacientes e médicos aos resultados de exames contribui para reduzir significativamente o desperdício no setor.

Segundo Leandro Figueira, vice-presidente do Conselho de Administração da Abramed, os aplicativos fazem parte da vida dos brasileiros e vieram para ficar. A portabilidade dos resultados foi intensificada durante a pandemia, trazendo uma vantagem enorme, porque as pessoas deixaram de ter a exclusiva necessidade de circular com seus exames como antigamente, passando a ter todo o seu histórico dentro de um aplicativo. “Isso, em termos de saúde pública, muda o desfecho, trazendo uma nova visão de futuro”, expõe.

Através dos aplicativos também é possível mudar a jornada dos pacientes dentro dos ambulatórios e das clínicas, por meio de agendamento antecipado e do web check-in, diminuindo o tempo de permanência no local. Atualmente, a portabilidade da Medicina Diagnóstica no smartphone gera resultados ainda incalculáveis. “O benefício que isso trará para a coletividade é muito grande”, salienta Figueira.

Só para ilustrar, o aumento das despesas médico-hospitalares é um dos principais desafios para a sustentabilidade do mercado de saúde no Brasil e no mundo. Geralmente esse aumento decorre, entre outros fatores, do aumento na frequência de utilização dos serviços de assistência médica, dos preços dos procedimentos, materiais e insumos, além de fraudes, desperdícios e judicialização da saúde. Essa escalada onera principalmente os contratantes de planos de saúde: empresas, indivíduos e famílias. Os aplicativos estão entre as soluções que podem ajudar a reduzir esses custos.

Esses e outros dados estão no Painel Abramed 2021 – O DNA do Diagnóstico. Publicação traz um panorama único do setor de Medicina Diagnóstica no Brasil. Clique aqui para acessar.

Nota Técnica sobre Desabastecimento de Insumos para Testes de Covid-19

A Associação Brasileira de Medicina Diagnóstica (Abramed), através de seu Comitê de Análises Clínicas, orienta por meio desta nota acerca da utilização criteriosa de testes para evitar risco de redução de oferta de exames para detecção da Covid-19. 

A importância da testagem de toda a população para controle epidemiológico e manejo de pacientes em uma pandemia é reconhecida por todos os profissionais de saúde e até mesmo por pacientes. Todavia a Abramed alerta que, assim como em outras partes do mundo,  a alta demanda de exames laboratoriais para o diagnóstico da Covid-19 trouxe ao setor de medicina diagnóstica brasileiro a preocupação com a falta de insumos necessários para a realização desses exames.

A alta transmissibilidade da nova variante Ômicron causou aumento exponencial de casos, o que vem demandando significativo aumento da  capacidade produtiva global de testes, tanto de PCR como de antígeno, e se os estoques não forem recompostos rapidamente poderá ocorrer a falta de oferta de exames. 

Quando avaliamos as notícias que vêm de outros países, de que eles já estão sem insumos, é certo que o problema chegará ao Brasil, não sendo possível mensurar nesse momento até quando poderemos atender, pois os estoques são variados dependendo do laboratório e da região, mas há um risco real de desabastecimento.

Dessa forma, recomendamos aos associados a priorização de pacientes para efetuarem os testes, segundo uma escala de gravidade a seguir: 

  1. Pacientes que tenham maior gravidade de sintomas
  2. Pacientes hospitalizados e cirúrgicos
  3. Pessoas no  grupo de risco
  4. Gestantes
  5. Trabalhadores assistenciais da área da saúde,
  6. Colaboradores de serviços essenciais

Outras entidades do setor de saúde também serão contatadas pela Abramed, como a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa),  Agência Nacional de Saúde Suplementar  (ANS),  Ministério da Saúde,  Associação Nacional de Hospitais Privados (Anahp), Associação Médica Brasileira (AMB), e outras entidades congêneres, para que haja a sensibilização sobre a importância de otimizar o uso dos testes disponíveis até que a situação seja normalizada.

Laboratórios alertam para ameaça de desabastecimento de insumos para testes de Covid-19

Abramed orienta para utilização criteriosa de testes para evitar risco da redução da  oferta de exames

A importância da testagem de toda a população para controle epidemiológico e manejo de pacientes em uma pandemia é reconhecida por todos os profissionais de saúde e até mesmo por pacientes. Todavia a Associação Brasileira de Medicina Diagnóstica (Abramed) alerta que, assim como em outras partes do mundo,  a alta demanda de exames laboratoriais para o diagnóstico da Covid-19 trouxe ao setor de medicina diagnóstica brasileiro a preocupação com a falta de insumos necessários para a realização desses exames.

A alta transmissibilidade da nova variante Ômicron causou aumento exponencial de casos, o que vem demandando significativo aumento da  capacidade produtiva global de testes, tanto de PCR como de antígeno, e se os estoques não forem recompostos rapidamente poderá ocorrer a falta de oferta de exames. 

“Quando avaliamos as notícias que vêm de outros países, de que eles já estão sem insumos, é certo que o problema chegará ao Brasil”, explica o presidente do Conselho de Administração da Abramed, Wilson Shcolnik. “Não é possível mensurar nesse momento até quando poderemos atender, pois os estoques são variados dependendo do laboratório e da região, mas há um risco real de desabastecimento”, alerta o executivo.

A entidade prepara uma nota técnica para seus associados recomendando a priorização de pacientes para efetuarem os testes, segundo uma escala de gravidade: “O ideal seria seguirmos testando todo mundo que se expôs de alguma forma, porém, com o cenário que vislumbramos a curto prazo, recomendamos fortemente que sejam submetidos a testes apenas os pacientes que tenham maior gravidade de sintomas, pacientes hospitalizados e cirúrgicos, pessoas no  grupo de risco, trabalhadores assistenciais da área da saúde, e colaboradores de serviços essenciais, cessando a testagem de contactantes, assintomáticos e pessoas com sintomas leves, que devem permanecer em isolamento até que o cenário seja normalizado, deixando a possibilidade de teste para os pacientes mais críticos”, reitera Shcolnik.

SOBRE A ABRAMED

Fundada em 2010, a Associação Brasileira de Medicina Diagnóstica, entidade sem fins lucrativos, é resultante da união de importantes instituições de medicina diagnóstica, laboratorial e por imagem, comprometidas com a ética e a qualidade dos serviços prestados, promovendo a melhoria contínua de serviços no setor da saúde, além de reunir, produzir, sistematizar e disseminar conhecimentos interdisciplinares.