FILIS 2024: ANS, Anvisa e Anahp participam de debate sobre qualidade em saúde

Encontro terá a participação de representantes de órgãos reguladores, medicina diagnóstica e hospitais

No dia 29 de agosto, o 8º Fórum Internacional de Lideranças da Saúde (FILIS), realizado pela Abramed, reunirá no Teatro B32, em São Paulo, grandes nomes do setor para abordar o macro tema “Saúde Inovadora: Oportunidades para um setor sustentável”.

Um dos debates que serão realizados ao longo do dia abordará o tema “O papel da qualidade para a sustentabilidade do setor”, com a participação de Antônio Britto, diretor da Associação Nacional de Hospitais Privados (Anahp); Daniel Meirelles, diretor da Terceira Diretoria da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa); e Maurício Nunes da Silva, diretor de Desenvolvimento Setorial na Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS). O moderador será Wilson Shcolnik, membro do Conselho de Administração da Abramed e gerente de Relações Institucionais do Grupo Fleury.

“A Abramed, que congrega tanto laboratórios clínicos, de anatomia patológica quanto clínicas de diagnóstico por imagem, espera que este debate com representantes e diretores de órgãos reguladores possa abrir caminhos e renovar expectativas. Trazendo nossas visões de mercado como usuários de novas tecnologias, queremos apresentar à Anvisa e à ANS as inovações mais recentes, criando oportunidades de reconhecimento para os prestadores e promovendo uma regulação mais direcionada à inovação emergente em nosso país”, comenta Shcolnik.

Ele também acredita que as sociedades médico-científicas, que congregam profissionais atuantes no setor de medicina diagnóstica, possam contribuir significativamente para a atualização dos padrões técnicos e requisitos de qualidade exigidos. Isso se deve à necessidade contínua de adaptação aos novos conhecimentos, aos modelos de prestação de serviços e às novas tecnologias que são constantemente introduzidas no mercado pela indústria. “Essa colaboração com os órgãos reguladores será uma grande oportunidade”, reforça.

Segundo Shcolnik, é importante incluir a ANS nesse debate, pois tanto as operadoras de saúde quanto os prestadores de serviço têm interesse no bem-estar dos beneficiários e pacientes. Também é do interesse das operadoras que eles não adoeçam ou que cuidem para o não agravamento de doenças, pois isso tornaria o tratamento mais difícil e, sobretudo, mais custoso.

“O programa Qualiss-ANS teve a boa intenção de premiar ou reconhecer os prestadores de serviços que investem em qualidade. No entanto, o número de serviços acreditados no Brasil ainda é muito pequeno, tanto na área hospitalar quanto na laboratorial e de diagnóstico por imagem. Infelizmente, a iniciativa da ANS ainda não atingiu os objetivos esperados, pois o reconhecimento em termos de divulgação para o público leigo e a obtenção de reajustes contratuais diferenciados não foram alcançados”, explica.

Com relação à Anvisa, Shcolnik destaca que a missão da agência é eliminar ou reduzir os riscos na prestação de serviços de saúde. Isso inclui regular tanto o registro dos produtos utilizados na assistência à saúde quanto os serviços de saúde em si. Na área de laboratórios clínicos, a agência possibilita e aprova o registro de kits de diagnóstico in vitro, contando com uma gerência específica para avaliar documentos e evidências que garantam que os kits de diagnóstico que chegam ao mercado não apresentem riscos para os pacientes.

“Para o setor de prestação de serviços, isso é essencial. Basta lembrar que, durante a pandemia da Covid-19, vários dispositivos de testes rápidos apresentaram resultados falsos, demonstrando baixa qualidade ou desempenho, tanto no Brasil quanto em outros países. Isso ocorreu porque a maioria desses dispositivos – e é importante destacar que existem centenas de testes rápidos – não são avaliados antes de serem colocados no mercado”, expõe.

Portanto, segundo Shcolnik, o debate será uma excelente oportunidade para abordar esse assunto com Daniel Meirelles, da Terceira Diretoria da Anvisa. O objetivo é despertar a atenção da agência e de seus servidores para a necessidade de solucionar esse problema. “Além disso, na área de diagnóstico por imagem, a Anvisa tem se preocupado em disciplinar e regular boas práticas em outros setores, como medicina nuclear, por exemplo. Essa iniciativa também é recebida pelos prestadores com muita alegria”, complementa.

Sobre a participação da Anahp, Shcolnik frisa que a entidade, assim como a Abramed, compartilha a preocupação com a qualificação dos seus associados. Esse compromisso é evidenciado pelos critérios de admissão, que já exigem investimentos comprovados em qualificação na prestação de serviços.

“Infelizmente, o número de hospitais que adotam essas iniciativas ainda é baixo, assim como o de laboratórios. Esse movimento, iniciado há quase 25 anos, ainda não alcançou os resultados esperados, apesar dos diversos estímulos para indução da qualificação. Um ponto importante é a necessidade de que o público compreenda melhor o valor dessas iniciativas, pois, no final das contas, os beneficiários dos serviços são os principais interessados em sua implementação”, salienta.

Não perca esta oportunidade única de participar do 8º FILIS e discutir o papel da qualidade para a sustentabilidade do setor com os principais líderes do setor!

Serviço

8ª edição do FILIS – Fórum Internacional de Lideranças da Saúde

Tema: “Saúde Inovadora: Oportunidades para um setor sustentável”

Quando: 29 de agosto de 2024

Horário: Das 9h00 às 18h00

Onde: Teatro B32, São Paulo

Garanta já sua participação: http://www.abramed.org.br/filis

Abramed debate “O papel do ESG na Medicina Diagnóstica”

Parceria entre a Abramed, o Comitê de ESG e a Roche Diagnóstica, o encontro contou com representantes do Pacto Global da ONU, do Capitalismo Consciente e associados da entidade

26 de junho de 2024 – Para discutir como práticas sustentáveis, de governança e socialmente responsáveis moldam o futuro da saúde, a Abramed realizou, em 20 de junho, um encontro especial com profissionais referências, na sede da Roche Diagnóstica Brasil, em São Paulo.

Flavia Vianna, gerente de Saúde e Trabalho do Pacto Global Brasil da ONU; Lidia Abdalla, CEO do Grupo Sabin e vice-presidente do Conselho de Administração da Abramed; Daniela Garcia, CEO do Capitalismo Consciente Brasil; e Sandra Sampaio, diretora de estratégia da Roche Diagnóstica trouxeram excelentes insights sobre o tema, sob mediação de Daniel Perigo, gerente de Sustentabilidade do Grupo Fleury e Líder do Comitê de ESG da Abramed.

Como anfitrião, Carlos Martins, CEO da Roche Diagnóstica Brasil, abriu o encontro, lembrando que, em 2024, a empresa foi eleita, pelo 15º ano consecutivo, a mais sustentável do setor de saúde, de acordo com o índice Dow Jones. “Sustentabilidade, segurança, diversidade e inclusão são vistas de forma muito séria por nós. Iniciamos há dois meses um projeto de alta profundidade, que tem como objetivo impactar quatro pilares: pessoas, pacientes, nossa cultura e, consequentemente, a sociedade”, explicou.

Logo após, Lidia apresentou a Abramed e ressaltou a relevância desse primeiro encontro para discutir o tema ESG e seus impactos na medicina diagnóstica. Na sequência, Périgo destacou que a reunião é um desejo antigo do Comitê de criar maneiras para estimular as melhores práticas de ESG nas empresas. “Sabemos que o trabalho é grande, mas há muitas oportunidades. Nosso grupo se dedica a conversar sobre esse tema e contribuir para o avanço das iniciativas”, expôs.

O encontro contou com palestra da Flavia, que iniciou falando sobre o Pacto Global Brasil da ONU, formado por 10 movimentos ligados aos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS) das questões mais urgentes do Brasil. “Trata-se de um chamado às empresas para promover ações concretas por meio de compromissos públicos. Somos a maior iniciativa de sustentabilidade corporativa do mundo, com abrangência e engajamento em 162 países”, expôs.

O Pacto Global da ONU – Rede Brasil é a segunda maior rede local do mundo, com mais de 1.900 participantes. Os mais de 50 projetos conduzidos no país abrangem, principalmente, os temas: Água e Saneamento, Alimentos e Agricultura, Energia e Clima, Direitos Humanos e Trabalho, Anticorrupção, Engajamento e Comunicação.

Flavia explicou o Movimento Mente em Foco, iniciativa do Pacto Global da ONU no Brasil que convida empresas a agir em benefício de seus colaboradores e da sociedade no combate ao estigma e ao preconceito social ao redor da saúde mental. O objetivo é que a saúde mental seja tratada não apenas como uma medida emergencial, mas, de forma preventiva e humanizada, como um tema perene e que faça parte da estratégia de negócio das companhias.

“É fundamental falar de sustentabilidade no trabalho, mas, se não olharmos para as pessoas, não vamos conseguir fazer a transformação que queremos no planeta. Cuidar da saúde mental é urgente e necessário. Portanto, ambicionamos ter, em 2030, mil empresas com programas estruturantes de saúde mental, impactando 10 milhões de trabalhadores”, disse.

Flavia também divulgou o Guia prático para construção de um ambiente de trabalho com segurança psicológica. “Trouxemos o assunto da saúde mental, mas reforçamos a saúde integral, ou seja, física e emocional. A proposta é colocar as pessoas nas tomadas de decisão das empresas”, expôs, lembrando que a saúde mental é responsabilidade de todas as pessoas, da liderança e de cada um, para um mundo corporativo mais saudável. “Sendo assim, precisamos realizar um trabalho preventivo, muito mais que um atendimento emergencial, sem tabu”, reforçou.

Após apresentação, foi aberta a mesa de debates com os demais participantes. Daniela começou explicando que o Capitalismo Consciente é um movimento que objetiva ajudar as empresas a implementarem práticas de estratégia e liderança conscientes, gerando um impacto positivo nos resultados, nas pessoas e no planeta. “A empresa é um sistema, que depende das boas relações com trabalhadores, fornecedores e comunidade”, disse.

Segundo ela, existem várias maneiras de externalizar isso, como a educação dos consumidores sobre medicamentos e a gestão de resíduos. Por exemplo, o descarte adequado de radiografias. “Uma empresa que ensina esses procedimentos está fortalecendo sua relação com os stakeholders externos que consomem seus produtos”, disse.

A Roche, por exemplo, busca engajar outros stakeholders da cadeia em suas ações sustentáveis, como explicou Sandra. São mais de 60 mil fornecedores, o que significa que a comunicação e a gestão dessa cadeia são fundamentais. “A Roche apoia os ODS e tem como meta, em relação aos parceiros, reduzir, até 2030, pelo menos 18% da emissão produzida de forma indireta”, disse.

Em relação aos distribuidores, a empresa garante o cumprimento das metas através do código de conduta, ética e sustentabilidade, que permeia todo o programa de desempenho. Para o paciente, há ações de conscientização sobre o descarte de medicamentos em parceria com outras empresas. E expandindo o impacto à comunidade, a Roche, por meio de um programa global, incentiva os colaboradores a fazerem doações a instituições que ajudam crianças em situação de vulnerabilidade. “Temos muitas ações internas e externas, o tema ESG é um dos critérios, por exemplo, para eleger fornecedores”, disse.

Falando sobre tecnologia, Sandra ressaltou o valor da inteligência artificial, destacando seu papel na redução do tempo de processos e na sustentabilidade do laboratório. Este tema está diretamente relacionado à medicina de precisão, que foca na prevenção e na diminuição de desperdícios. “No âmbito local, é fundamental dialogar com os órgãos de saúde competentes para ampliar o acesso da população a essas tecnologias e melhorar os desfechos para os pacientes”, expôs.

Por sua vez, Lidia salientou que o compromisso com as metas ambientais e sociais deve estar na agenda das lideranças, pois dar o exemplo é essencial para o engajamento. “Quando as pessoas se sentem respeitadas e ouvidas, começam a ver que o impacto vai além delas, atingindo seu círculo de amigos e a comunidade. Mas se nada disso sensibiliza o líder, há a questão da lucratividade, pois a empresa se torna mais competitiva quanto investe em ESG e sua reputação sobe”, declarou. 

Sobre como começar, Lidia disse que não é necessário reinventar a roda; basta buscar exemplos do que está funcionando bem. “É importante fazer benchmarking com empresas de outros segmentos também. Às vezes, encontramos boas práticas simples que podemos implementar no dia a dia. Começar é difícil, mas depois é questão de manter o foco e o compromisso. Fazer e replicar: esse é o maior potencial que temos como profissionais, influenciar aqueles ao nosso redor”, expôs.

De fato, Flavia comentou que o desafio é enorme e que precisamos nos unir para enfrentar o problema. “Não podemos mais olhar para uma catástrofe e achar que ela está longe, pois ela está muito perto de nós. Precisamos nos mobilizar. O Impacto Global também destaca a importância do movimento das empresas para a transformação. Muitas colocam a responsabilidade no público, mas cabe a elas reconhecerem o poder que têm de transformar e gerar receita de forma responsável e sustentável. Precisamos estar dispostos a separar o tempo necessário para estarmos juntos, ouvir o que os especialistas estão dizendo e aprender com o que outras empresas estão fazendo, promovendo a troca de experiências”, disse.

Questionada sobre tendências em ESG, Daniela respondeu que, em termos de business, é reportar cada vez mais, afinal, ESG não é uma escolha, mas uma jornada. Já em termos de negócio e reputação, a tendência é analisar como a empresa se organiza e amplifica a sua atuação a respeito desses temas com transparência e ética. “Por fim, a tendência global é olhar para dados, ajudando o ser humano a viver melhor. Estamos caminhando para a sociedade 5.0, que é a tecnologia a serviço do bem-estar”, disse.

Daniela reforçou que ESG é cultura, assim como a transformação digital, e precisa ser trabalhado transversalmente. “Procure entre seus pares líderes de outras áreas para que, juntos, possam comprometer a liderança a ser patrocinadora desse tema. De forma mais pragmática, ignorar o impacto positivo pode resultar em problemas na gestão de riscos, na área financeira e na reputação.”

Segundo Daniela, precisamos ter uma visão sistêmica. Se não olharmos para nós como parte do todo, não vamos caminhar. “O sistema precisa fluir, esse é aprendizado da pandemia. Todos devem seguir a mesma jornada e trabalhar com propósito. O recado é muito claro: precisamos ter consciência do nosso impacto, intencionalidade das ações e buscar a melhor performance possível com foco na prosperidade da sociedade.”

Ao final, Flavia deixou uma frase bem conhecida e inspiradora: sonho que se sonha só é só um sonho, mas um sonho que se sonha junto se torna realidade. “Precisamos sonhar com um mundo sustentável, inclusivo e que contemple todas as pessoas. E que elas estejam saudáveis em sua integralidade, porque só assim teremos um mundo seguro e saudável para cada um de nós.”

Summit da Abramed na Hospitalar reafirmou o papel da inteligência artificial na transformação do setor de saúde

21 de maio de 2024 – A Hospitalar 2024 foi palco para o Summit Abramed, que reuniu importantes nomes do setor para discutir o macro tema “Transformação Digital na Saúde: Como a Inteligência Artificial está moldando o futuro do cuidado”.  O encontro foi realizado no dia 21 de maio, no São Paulo Expo. 

O presidente do Conselho de Administração da Abramed, Cesar Nomura, deu as boas-vindas e iniciou a programação, que contou com duas palestras e dois debates para tratar dos impactos da Inteligência Artificial (IA) na saúde, além de aspectos regulatórios e éticos sobre o tema. 

Ainda na abertura, Milva Pagano, diretora-executiva da entidade, apresentou institucionalmente a Abramed e mostrou a recém pesquisa lançada pela associação sobre o “Uso da Inteligência Artificial na Medicina Diagnóstica”, a publicação está disponível no site www.abramed.org.br.

Sobre o tema “Desafios e oportunidades para o uso da Inteligência Artificial na Saúde”, foi realizada uma palestra introdutória com a participação da diretora geral da Siemens Healthineers no Brasil, Adriana Costa, que iniciou sua apresentação expondo que, atualmente, metade da população global não tem acesso aos cuidados básicos de saúde.

Segundo ela, todos que atuam na área, independentemente do segmento, precisam lidar com desafios globais relevantes, que causam essa falta de acesso, como longevidade, crescimento demográfico da população e escassez de mão de obra especializada. “A Siemens está presente em mais de 70 países, com mais de 84 soluções alimentadas por Inteligência Artificial. Já usamos a IA em nossas tecnologias e soluções há algum tempo, mas é importante conectarmos aos avanços atuais da IA generativa e outros pontos fundamentais em termos de discussões futuras”, explicou.

Adriana ressaltou que a IA é uma grande ferramenta que possibilita resolver os problemas atuais em saúde, desde que o dados sejam interpretados corretamente. “Geramos muitas informações, mas o que fazemos com esses dados?”, comentou, afirmando que a IA generativa foi a adoção mais rápida de uma oferta digital na história da humanidade. Para ela, a IA generativa complementará as atuais soluções e poderá ajudar na padronização de protocolos e boas práticas no Brasil e mundialmente. 

Logo após, foi realizado o debate moderado por Ademar Paes Jr., sócio da Clínica Imagem e membro do Conselho de Administração da Abramed, além de Adriana Costa, da Siemens, e Carlos Pedrotti, gerente médico de Telemedicina no Hospital Israelita Albert Einstein e presidente do Conselho de Administração da Saúde Digital Brasil.

Para Paes Jr., a IA é extremamente importante nessa jornada atual, com o objetivo claro de melhorar o acesso e o desfecho para os pacientes, além de aperfeiçoar a eficiência do setor no âmbito da gestão. “Utilizamos a IA em diversas áreas, incluindo gestão de pessoas, operações, finanças, comercial e estratégica. Nosso objetivo é melhorar a eficiência empresarial e criar condições para implementar tecnologias que impactem positivamente a vida das pessoas”, ressaltou.

No painel, Adriana colocou que qualquer avanço na área de tecnologia precisa considerar o mercado atuante e o benefício tanto para o paciente quanto para a cadeia como um todo. “Precisamos entender o contexto onde estamos, seguir padrões globais e locais. O uso deve estar associado à realidade do mercado, ao acesso a essas tecnologias, pensando na cadeia de forma integrada”, afirmou.

A tendência no aumento da oferta de novas soluções e como elas devem ser consumidas também foram discutidas. “Essa é a pergunta de um bilhão de dólares. Antes de discutir quem vai liderar, é fundamental entender por que estamos fazendo isso e qual é o propósito do desenvolvimento dessa tecnologia. Nesse processo, já estamos bem avançados junto a diversas instituições. A colaboração e a integração determinarão a rapidez com que endereçaremos as soluções. Não haverá uma liderança única”, disse Adriana. 

Por sua vez, Pedrotti comentou como será essa integração para que se possa oferecer soluções de forma mais organizada e estruturada. “Nesse cenário, o importante não é só a inovação, mas também como transformar o sistema para ter viabilidade econômica. Hoje, a saúde digital é de grande representatividade. Existe uma cadeia de tecnologias das mais simples às mais complexas, em contato direto com o público em geral”, disse.

Segundo o gerente médico de Telemedicina no Hospital Albert Einstein, a IA será rapidamente incorporada quando provar ao usuário, ao médico que utiliza o sistema ou a outro profissional de saúde que ele se tornará mais eficiente usando a tecnologia, sem perda de tempo com tarefas repetitivas e burocráticas. “A eficiência pode vir em poucos toques, baseada nos protocolos mais atualizados, para que o próprio médico possa acessar rapidamente e acompanhar o paciente transversalmente”, explicou.

Para encerrar, uma pergunta da plateia mencionou a questão do tráfego de dados necessário para a tomada de decisões. Como fazer essas informações circularem entre instituições, em conformidade com a LGPD? “Embora ainda estejamos distantes da interoperabilidade, muitos outros países também enfrentam esse desafio. Esse é um dos pontos fundamentais para que o sistema de saúde avance com mais qualidade”, afirmou Pedrotti.

Já Adriana completou que poucos países têm tantos dados como o SUS. “Quanto mais os setores público e privado e as agências reguladoras trabalharem em conjunto, mais teremos essa articulação para trazer uma solução combinada de dados.”

Conforme destacou, a tecnologia é uma grande impulsionadora para garantir qualidade para todos em qualquer lugar. “Precisamos colocar o paciente no centro, e o negócio precisa ser rentável e justo para toda a cadeia. As pautas não são excludentes, mas combinadas, para ter um bom resultado para todos nós”, encerrou Adriana.

O Summit Abramed na Hospitalar 2024 também promoveu um debate sobre os desafios regulatórios da Inteligência Artificial na saúde. Leia aqui.

FILIS 2024: rumo à saúde inovadora e sustentável

O maior encontro de líderes da saúde acontecerá dia 29 de agosto, no Teatro B32, em SP, com palestras, debates, cases de sucesso e momentos de interação. Inscrições já abertas

17 de abril de 2024 – A 8ª edição do FILIS – Fórum Internacional de Lideranças da Saúde, organizado pela Associação Brasileira de Medicina Diagnóstica (Abramed), acontecerá no dia 29 de agosto, no Teatro B32, em São Paulo. Com o macro tema “Saúde Inovadora: Oportunidades para um setor sustentável”, o evento promete ser um marco para a discussão de tendências e transformações que moldam o panorama da saúde no Brasil e no mundo. 

O tema reflete a importância de promover a inovação como um meio de impulsionar a sustentabilidade e o progresso no setor da saúde, além de reconhecer as oportunidades significativas que a inovação oferece para toda a cadeia.

Diversas palestras e debates estarão em pauta ao longo do dia, abordando gestão de qualidade, integração da saúde, interoperabilidade, desafios e inovações. Destacam-se figuras importantes do cenário nacional e internacional, como representantes do governo, CEOs de grandes empresas e especialistas em saúde digital.

Logo após a palestra magna, o primeiro debate discutirá o tema “Integrando a cadeia de valor: Desafios e soluções para melhoria do cuidado em saúde”, em formato dinâmico e interativo, proporcionando aos participantes a oportunidade de compartilhar insights e contribuir para o avanço do setor de saúde. 

Na sequência, o Leaders Connection dará uma pausa na programação para networking entre os participantes, seguido pelo primeiro Momento Transformação, que trará um case sobre “Inteligência de Dados” com foco na integração de sistemas. 

A primeira palestra tratará de “Gestão de qualidade e integração da saúde”, seguida do debate sobre “O papel da qualidade para a sustentabilidade do setor”. “Este tema destaca a importância de investir na qualidade dos serviços como meio de promover a sustentabilidade a longo prazo e garantir que os sistemas de saúde possam atender às necessidades da população de forma eficiente”, ressalta Milva Pagano, diretora-executiva da Abramed. 

O segundo Momento Transformação trará um case sobre interoperabilidade, seguido por mais um Leaders Connection e por uma palestra internacional. Fechando a programação, acontecerá o debate “Interoperabilidade na Saúde: Desafios, Perspectivas e Inovações”, tema fundamental para garantir a sustentabilidade e que demanda a integração de todos os stakeholders. “A Abramed tem desempenhado um papel ativo no seu desenvolvimento, especialmente por meio da adoção do padrão LOINC e pela parceria com o governo e outras entidades. Esse assunto é essencial quando se fala em redução de custos e maior eficiência nos processos, sempre pensando no melhor para o paciente”, acrescenta Milva.

O evento trará, ainda, a 6ª edição do Prêmio Dr. Luiz Gastão Rosenfeld, que reconhece e homenageia personalidades que se destacaram por contribuições significativas para o avanço do setor de saúde. Já receberam a honraria a bióloga molecular e geneticista Mayana Zatz; o Professor Dimas Tadeu Covas, presidente do Instituto Butantan; e o Professor Doutor Alberto Duarte, pesquisador e diretor de Análises Clínicas da Rede D´Or SP.

O FILIS é considerado um ponto de encontro essencial para todos os membros da cadeia de saúde, reunindo profissionais, gestores, autoridades e especialistas do setor em um espaço propício para o compartilhamento de conhecimento, networking e reflexão sobre os desafios e oportunidades que permeiam a área.

As inscrições estão abertas e as vagas são limitadas. Faça parte dessa jornada de transformação!

Serviço

8ª edição do FILIS – Fórum Internacional de Lideranças da Saúde

Tema: “Saúde Inovadora: Oportunidades para um setor sustentável”

Quando: 29 de agosto de 2024

Horário: Das 9h00 às 18h00

Onde: Teatro B32, São Paulo

Garanta já sua participação: www.abramed.org.br/filis

Casos de dengue na rede privada têm a maior taxa das últimas seis semanas, alerta Abramed

De 17 a 23 de março, foram realizados 73.328 exames, com 21.705 positivos, um aumento de 15% na positividade em relação à semana anterior

Tanto o número de exames de dengue realizados na rede privada quanto a quantidade de positivos registrados na semana de 17 a 23 de março são os maiores das últimas seis semanas, segundo a Associação Brasileira de Medicina Diagnóstica (Abramed), cujos associados representam 65% do volume de exames realizados na saúde suplementar no Brasil.

Na comparação entre a semana de 10 a 16 de março e a semana de 17 a 23 de março, os casos de dengue aumentaram 15%, passando de 18.870 positivos para 21.705. A quantidade de exames realizados também aumentou, de 70.150 para 73.328, representando um crescimento de 5%. 

No acumulado de seis semanas, de 11 de fevereiro a 23 de março, foram realizados 402.559 exames de dengue, com 104.010 casos positivos, ou seja, 25,8% do total, segundo uma média ponderada do período.

Esses dados ressaltam a importância da vigilância contínua e da implementação de medidas preventivas eficazes para combater a propagação da doença. Comprometida com a situação, a Abramed defende que os exames sejam feitos em laboratórios clínicos, que oferecem precisão, segurança, testes mais abrangentes e conformidade com padrões de qualidade, permitindo identificar casos mais graves. 

Vale lembrar que os laboratórios clínicos associados à Abramed enviam os resultados dos exames diretamente à Rede Nacional de Dados em Saúde (RNDS/DATASUS), contribuindo para o monitoramento epidemiológico pelo Ministério da Saúde. Essas informações são essenciais para avaliar a situação da doença e orientar as medidas de saúde pública.

ABRAMED – Exames e positividade – DENGUE (2024)
 Semana
 11/02 a 17/0218/02 a 24/0225/02 a 02/0303/03  a 09/0310/03 a 16/0317/03 a 23/03Total 6 semanas*
Nº de exames realizados            47.712             69.065             71.392             70.912                     70.150                         73.328                     402.559 
Taxa de positividade24%23%25%26%25%30%25,8%
Número positivos            11.233             15.947             17.848             18.407                     18.870                         21.705                     104.010 

* a taxa de positividade total é a média ponderada do período

Aumento número de exames na última semana: 5%

Aumento do número de positivos na última semana:  15%

Casos de dengue sobem 3% na rede privada, alerta Abramed

Embora o número de exames tenha caído ligeiramente em uma semana, foram 18.407 casos positivos, a maior marca em seis semanas

13 de março de 2024 – Os casos de dengue registrados na rede privada subiram 3% na comparação entre a semana de 3 a 9 de março e a semana anterior, de 25 de fevereiro a 2 de março, mesmo com a redução de 1% no número de exames realizados no período. Os dados são da Associação Brasileira de Medicina Diagnóstica (Abramed), cujos associados representam 65% do volume de exames realizados na saúde suplementar no Brasil.

Na semana de 25 de fevereiro a 2 de março, foram registrados 71.392 exames de dengue, com 17.848 positivos. Já na semana de 3 a 9 de março, embora o número de exames tenha caído ligeiramente para 70.912 – a única queda das últimas seis semanas (de 28 de janeiro a 9 de março) – foram 18.407 casos positivos, a maior marca do período.

Nas últimas seis semanas analisadas (de 28 de janeiro a 9 de março), foram realizados 333.253 exames de dengue. A taxa de positividade média durante esse período foi de 23,9%, registrando 79.486 casos positivos. 

Esses dados ressaltam a importância da vigilância contínua e da implementação de medidas preventivas eficazes para combater a propagação da doença. Comprometida com a situação, a Abramed defende que os exames sejam feitos em laboratórios clínicos, que oferecem precisão, segurança, testes mais abrangentes e conformidade com padrões de qualidade, permitindo identificar casos mais graves. 

Vale lembrar que os laboratórios clínicos associados à Abramed enviam os resultados dos exames diretamente à Rede Nacional de Dados em Saúde (RNDS/DATASUS), contribuindo para o monitoramento epidemiológico pelo Ministério da Saúde. Essas informações são essenciais para avaliar a situação da doença e orientar as medidas de saúde pública.

ABRAMED – Exames e positividade – DENGUE (2024)
 Semana
 28/01 a 03/0204/02 a 10/0211/02 a 17/0218/02 a 24/0225/02 a 02/0303/03  a 09/03Total 6 semanas*
Nº de exames realizados            30.962             43.210             47.712             69.065                     71.392                         70.912                     333.253 
Taxa de positividade21%22%24%23%25%26%23,9%
Número positivos                6.383                 9.668             11.233             15.947                     17.848                         18.407                       79.486 

* a taxa de positividade total é a média ponderada do período

Aumento número de exames na última semana: -1%

Aumento do número de positivos na última semana:  3%

Casos de dengue crescem 12% da rede privada, alerta Abramed

Na comparação entre a semana de 25 de fevereiro a 2 de março e a semana de 18 a 24 a fevereiro, os resultados positivos passaram de 15.947 para 17.848

5 de Março de 2024

O número de casos de dengue registrados na rede privada cresceu 12% em números absolutos, passando de 15.947 para 17.848, na comparação entre a semana de 25 de fevereiro a 2 de março e a semana anterior, de 18 a 24 a fevereiro. 

Já o número de exames realizados aumentou 3% no período, passando de 69.065 para 71.392. Os dados são da Associação Brasileira de Medicina Diagnóstica (Abramed), cujos associados representam 65% do volume de exames realizados na saúde suplementar no Brasil.

Tanto o número de exames quanto os casos positivos vêm aumentando gradativamente desde a semana de 21 a 27 de janeiro. No período das últimas seis semanas, de 21 de janeiro a 2 de março, foram realizados 284.325 exames em todo o país, sendo 23,4% positivos, na média, que representam 66.443 casos.

Essa elevação ressalta a importância da vigilância contínua e da implementação de medidas preventivas eficazes para combater a propagação da doença. Comprometida com a situação, a Abramed defende que os exames sejam feitos em laboratórios clínicos, que oferecem precisão, segurança, testes mais abrangentes e conformidade com padrões de qualidade, permitindo identificar casos mais graves. 

Vale lembrar que os laboratórios clínicos associados à Abramed enviam os resultados dos exames diretamente à Rede Nacional de Dados em Saúde (RNDS/DATASUS), contribuindo para o monitoramento epidemiológico pelo Ministério da Saúde. Essas informações são essenciais para avaliar a situação da doença e orientar as medidas de saúde pública.

ABRAMED – Exames e positividade – DENGUE (2024)
 Semana
 21/01 a 27/0128/01 a 03/0204/02 a 10/0211/02 a 17/0218/02 a 24/0225/02 a 02/03Total 6 semanas*
Nº de exames realizados            21.984             30.962             43.210             47.712                     69.065                         71.392                     284.325 
Taxa de positividade24%21%22%24%23%25%23,4%
Número positivos                5.364                 6.383               9.668             11.233                     15.947                         17.848                       66.443 

* a taxa de positividade total é a média ponderada do período

Aumento número de exames na última semana: 3%

Aumento do número de positivos na última semana: 12%

Casos de dengue crescem 42% na rede privada, segundo Abramed

O número de testes positivos saltou de 11.233 para 15.947, na comparação entre as semanas de 11 a 17/02 e de 18 a 24/02

28/02/2024 – Sobe 42% o número de casos de dengue, segundo a Associação Brasileira de Medicina Diagnóstica (Abramed), cujos associados representam 65% do volume de exames realizados na saúde suplementar no Brasil. O número de casos positivos cresceu de 11.233 para 15.947, comparando as semanas de 11 a 17/02 e de 18 a 24/02. Os dados estão disponíveis apenas ao nível Brasil, ou seja, não há recorte por cidade ou estado.

Durante a semana de 11 a 17/02, o número de exames realizados foi de 47.712, aumentando para 69.065 na semana seguinte, de 18 a 24/02. Esse crescimento foi de cerca de 45%.

Nas últimas seis semanas (de 14/01 a 24/02), 231.089 exames foram realizados pelos associados à Abramed, com taxa de positividade média de 23%, o que representa 53.207 pessoas com dengue no acumulado das semanas.

ABRAMED – Exames e positividade – DENGUE (2023/2024)
 Semana
 14/01 a 20/0121/01 a 27/0128/01 a 03/0204/02 a 10/0211/02 a 17/0218/02 a 24/02Total 6 semanas*
Nº de exames realizados        18.156        21.984        30.962        43.210                47.712                    69.065                231.089
Taxa de positividade25%24%21%22%24%23%23%
Número positivos            4.612            5.364          6.383          9.668                11.233                    15.94753.207

* a taxa de positividade total é a média ponderada do período

Aumento número de exames na última semana: 45%

Aumento do número de positivos na última semana: 42%

Comparação entre anos

Ao analisar os dados da 8ª semana epidemiológica dos anos de 2023 e 2024, podemos observar um aumento significativo tanto no número de exames realizados quanto no número de casos positivos.

Na 8ª semana epidemiológica de 2024, o número de exames realizados aumentou em 213% em relação à mesma semana epidemiológica de 2023, passando de 22.085 para 69.065 exames. O número de casos positivos também apresentou um aumento acentuado, foi de 8.327 para 15.947, representando um aumento de 91,5%.

Diante desse cenário, a entidade reforça a importância contínua das medidas de prevenção e controle, bem como a necessidade de intensificar os esforços na detecção e no tratamento precoce da dengue.

“Defendemos que os exames sejam feitos em laboratórios clínicos, que oferecem precisão, segurança, testes mais abrangentes e conformidade com padrões de qualidade, permitindo identificar casos mais graves. Além disso, os laboratórios clínicos associados à Abramed enviam os resultados dos exames diretamente à Rede Nacional de Dados em Saúde (RNDS/DATASUS), contribuindo para o monitoramento epidemiológico pelo Ministério da Saúde. Essas informações são essenciais para avaliar a situação da doença e orientar as medidas de saúde pública”, declara Wilson Shcolnik, presidente do Conselho de Administração da Abramed.

ABRAMED – Exames e positividade – DENGUE (2023/2024)

Semana epidemiológicaExames realizadosVar. % 24/23PositivosVar. % 24/23
2023202420232024
1                      9.744                  10.91612%  2.583  2.6663%
2                    11.002                  15.24639%  3.418  3.365-2%
3                    11.944                  18.15952%  3.798  4.60821%
4                    12.501                  21.98776%  3.275  5.37564,1%
5                    14.487                  30.962114%  3.882  6.38364%
6                    16.030                  43.210170%  4.387  9.668120,4%
7                    17.871                  47.712167%  5.03211.233123%
8                    22.085                  69.065213%  8.32715.94791,5%

Carnaval 2024 tem 114% mais pessoas com dengue do que mesmo período em 2023, segundo Abramed

Com relação ao número de exames de dengue realizados na rede privada, o aumento foi de 160% 

21/02/2024 – O número de exames positivos de dengue realizados na rede privada cresceu 114% na comparação entre os Carnavais de 2023 e 2024, considerando duas semanas: a que antecede o Carnaval e a do feriado em si.

Já com relação ao número de exames de dengue realizados, o aumento foi de 160%. Em 2023 foram realizados 34.913 exames, com 9.778 positivos. Já em 2024, foram realizados 90.922 exames, com 20.901 positivos.

Os dados são das empresas associadas à Associação Brasileira de Medicina Diagnóstica (Abramed), que representam cerca de 65% do volume total de exames realizados na saúde suplementar no Brasil.

Sétima semana epidemiológica 23/24

Comparando a sétima semana epidemiológica de 2023 e 2024, no ano passado foram realizados 17.871 exames, enquanto em 2024 foram 47.712, um crescimento de 167%. Em relação ao número de positivos, foram 5.032 em 2023, e 11.233 em 2024, um crescimento de 123% na quantidade de pessoas com a doença.

“Importante lembrar que as associadas à Abramed enviam os resultados dos exames diretamente à Rede Nacional de Dados em Saúde (RNDS/DATASUS), contribuindo para o monitoramento epidemiológico pelo Ministério da Saúde. Essas informações são essenciais para avaliar a situação da doença e orientar as medidas de saúde pública. Defendemos que os exames sejam feitos em laboratórios clínicos, que oferecem precisão, testes mais abrangentes e conformidade com padrões de qualidade”, declara Wilson Shcolnik, presidente do Conselho de Administração da Abramed.

Vale ressaltar, ainda, que a pesquisa realizada pela entidade não apresenta dados separados por regiões do país, ou seja, todos os números estão disponíveis apenas ao nível Brasil, sem qualquer recorte local.

Exames de dengue realizados nos laboratórios privados crescem 39,55% em uma semana, segundo Abramed

A comparação é entre a semana de 4 a 10 de fevereiro de 2024 e a semana anterior, de 28 de janeiro a 3 de fevereiro. O número de casos está muito acima do ano passado.

O número de exames de dengue realizados nos laboratórios privados do país cresceu 39,55% em uma semana, segundo as empresas associadas à Associação Brasileira de Medicina Diagnóstica (Abramed), que representam cerca de 65% do volume total de exames realizados na saúde suplementar no Brasil. A comparação é entre a semana de 4 a 10 de fevereiro de 2024 (43.210) e a semana anterior, de 28 de janeiro a 3 de fevereiro (30.962).

Já a positividade caiu de 21% para 17%, no mesmo período. No entanto, em termos de quantidade de pessoas com a doença, foram 6.383 positivos na semana de 28 de janeiro a 3 de fevereiro, contra 7.547 positivos na semana de 4 a 10 de fevereiro. Um aumento em número de indivíduos com dengue de 18,23%.

“A positividade caiu de 21% para 17% somente porque o número de exames realizados aumentou muito. Mas vejam que o número de casos está muito acima do ano passado também”, explica Bruno Santos, coordenador de Inteligência de Mercado da Abramed. 

Ele se refere à comparação entre os dados da sexta semana epidemiológica deste ano e do ano passado. Em 2023, foram realizados 16.030 exames de dengue, enquanto em 2024, foram 43.210, uma variação de 170%. Em relação aos positivos, foram 4.387 na sexta semana epidemiológica de 2023, contra 7.547 na mesma semana de 2024, uma variação de 72%.

Vale ressaltar que a pesquisa realizada pela Abramed não apresenta dados separados por regiões do país, ou seja, todos os números estão disponíveis apenas em nível Brasil, sem qualquer recorte local.

Veja abaixo as tabelas:

Exames

O exame laboratorial é crucial para diferenciar doenças que têm os mesmos sintomas, como dengue, a zika e a Chikungunya. Wilson Shcolnik, presidente do Conselho de Administração da Abramed, explica que, nos estágios iniciais da dengue, até o quinto dia após o início dos sintomas, é feita a pesquisa de antígeno do vírus. E entre o décimo e o décimo quarto dia, é possível identificar a presença de anticorpos.

Como há quatro sorotipos de vírus da dengue circulando no Brasil (um, dois, três e quatro), há reagentes que possibilitam identificar todos juntos, não um de cada vez, o que facilita o processo de diagnóstico. 

Os profissionais de saúde utilizam vários métodos laboratoriais, sendo o ELISA (enzimaimunoensaio) um dos mais comuns, por ser muito sensível e específico para detectar a presença de antígenos ou anticorpos em uma amostra biológica, como o sangue.

No caso da dengue, o ELISA é usado para detectar o NS1 (antígeno do vírus) ou os anticorpos produzidos pelo sistema imunológico em resposta à infecção pelo vírus. O NS1 é uma proteína viral produzida durante a infecção aguda e sua presença no sangue indica uma infecção ativa. 

No entanto, Shcolnik alertou que a identificação do sorotipo responsável pela infecção requer testes mais sofisticados, geralmente realizados em estudos epidemiológicos. “Além do teste específico para dengue, é fundamental também realizar a contagem de plaquetas e avaliar o estado de hidratação do paciente. Abaixo de 40 mil plaquetas há risco de sangramento, identificando dengue hemorrágica”, alerta Shcolnik.

Vale ressaltar que os exames feitos em laboratórios oferecem uma série de vantagens em termos de precisão, capacidade de diferenciação de doenças, possibilidade de testes mais abrangentes, aconselhamento profissional e conformidade com padrões de qualidade.

Além disso, os laboratórios clínicos associados à Abramed enviam os resultados dos exames diretamente à Rede Nacional de Dados em Saúde (RNDS/DATASUS), contribuindo para o monitoramento epidemiológico pelo Ministério da Saúde. Essas informações são essenciais para avaliar a situação da doença e orientar as medidas de saúde pública. 

Alerta

Importante lembrar que com as altas temperaturas e as chuvas, aumenta a proliferação do Aedes aegypti, mosquito transmissor da dengue, gerando uma grande preocupação, especialmente após o recorde histórico de 1.017 mortes em 2022 e um continuado aumento de casos em 2023. 

Além disso, as mudanças climáticas, incluindo fenômenos como o El Niño, têm contribuído para a expansão do vetor em regiões antes consideradas menos propensas à disseminação da dengue, como Centro-Oeste e Sul, segundo o Instituto Nacional de Meteorologia (INMET).