A medicina não pode mais negligenciar a gestão e a eficiência econômica

Por Alberto Duarte*

É inegável que a medicina contemporânea se depara com desafios complexos, sobretudo quando nos debruçamos sobre o intricado cruzamento entre diagnóstico, gestão e a sustentabilidade de nosso sistema de saúde. Como profissional imerso nesse cenário, percebo que é hora de uma reflexão profunda sobre como podemos promover mudanças positivas, levando em consideração o papel da medicina diagnóstica, pois se sabe que cerca de 70% das decisões médicas se baseiam em resultados de exames laboratoriais.

Quando pensamos em laboratórios e exames de imagem, inevitavelmente, estamos falando de elementos fundamentais na jornada diagnóstica do paciente. Contudo, aprimorar esses ambientes não deve se limitar apenas à sofisticação tecnológica, mas também à consciência de que a busca por diagnósticos precisos deve ser equilibrada com a responsabilidade de evitar exames desnecessários, que não apenas encarecem o processo, mas também expõem o paciente a procedimentos invasivos sem razão clínica.

Ao longo de minha trajetória, tive a oportunidade de liderar iniciativas voltadas para o uso racional do laboratório em um hospital público. Esta experiência ressaltou a importância de conscientizar os médicos sobre a necessidade de solicitar exames de forma ponderada. Alguns deles pecam pelo excesso por receio de serem acusados de negligentes.

Então, criamos algoritmos que indicavam quando e com que frequência determinados exames deveriam ser realizados, evitando excessos e reduzindo a sobrecarga econômica nos serviços de saúde. Esse é o tipo de movimento que contribui para o equilíbrio na cadeia de saúde, que envolve o médico, o paciente e a operadora de saúde.

Entretanto, a responsabilidade não recai apenas sobre os ombros dos médicos. A gestão, muitas vezes negligenciada nos currículos médicos, deve ser incorporada de maneira mais significativa na jornada de aprendizado. Durante minha presidência no conselho do Instituto Central do Hospital das Clínicas, percebi a complexidade que surge quando profissionais, muitas vezes não treinados em gestão, são encarregados de administrar serviços médicos.

A gestão eficaz não é apenas uma habilidade administrativa, mas uma ferramenta essencial para otimizar recursos, escolher opções terapêuticas mais acessíveis e, consequentemente, oferecer um atendimento de qualidade sem exorbitantes custos. No entanto, essa perspectiva de gestão não é amplamente ensinada nas faculdades de medicina, fazendo com que o médico nem sempre esteja apto a tomar decisões eficientes no âmbito financeiro.

Além disso, é importante abordar a assimetria na qualidade do ensino de medicina entre diferentes regiões. A padronização e a normatização nos currículos médicos são imperativos para garantir que todas as faculdades do país formem profissionais aptos a atuar em diversos cenários. Não podemos aceitar faculdades que não ofereçam oportunidades adequadas de prática clínica e residência, afinal, a experiência é crucial para o desenvolvimento de habilidades médicas. Há avanços na conscientização sobre essas questões, mas ainda há muito a ser feito para melhorar o sistema de saúde como um todo.

Nesse contexto de transformações necessárias, a inteligência artificial emerge como uma aliada promissora. A capacidade de reunir e analisar dados de forma rápida e precisa pode ser aproveitada para orientar os médicos na tomada de decisões mais embasadas. Algoritmos podem indicar a necessidade real de determinados exames, evitando solicitações desnecessárias e contribuindo para a racionalização dos recursos.

A Abramed, como representante das empresas de medicina diagnóstica, não tem como normatizar esse tema, mas pode, como vem fazendo, promover a racionalização através da conscientização da cadeia de saúde sobre a importância dessa questão e suas consequências. Dessa forma, a entidade visa a proteger seus associados, evitando glosas e o mau uso da prática médica.

Portanto, o futuro da medicina, na minha visão, depende da sinergia entre conscientização, gestão eficaz e incorporação de tecnologias inovadoras. A inteligência artificial não vai substituir o profissional, mas é uma ferramenta valiosa para orientar práticas mais conscientes e eficientes. As associações médicas, as instituições de ensino e os próprios profissionais têm um papel crucial na promoção dessas mudanças.

Como atuante na área, reafirmo que a medicina não pode mais negligenciar a gestão e a eficiência econômica. A busca incessante pelo que é mais recente e saliente na mídia nem sempre se traduz no melhor para o paciente. É chegada a hora de um realinhamento na formação médica, incorporando uma visão mais holística que compreenda a importância da gestão, da responsabilidade financeira e do uso consciente da tecnologia em prol de um sistema de saúde sustentável e de qualidade.

*Alberto Duarte – Graduado em Medicina pela Universidade de Pernambuco, com doutorado em Nefrologia pela Universidade Federal de São Paulo (Unifesp) e aperfeiçoamento em Imunologia pela Harvard Medical School. Conquistou livre-docência na Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (FMUSP), em 1983, e implantou o serviço de Imunologia Clínica do Hospital das Clínicas, além de ser responsável pela criação do Laboratório de Investigação Médica também nessa faculdade. Entre 2011 e 2013, foi Diretor do Instituto Adolfo Lutz, em São Paulo, e entre 2012 e 2023 foi Professor Titular de Patologia da FMUSP e Diretor do Laboratório Central do Hospital das Clínicas da FMUSP.  Recebeu o Prêmio Dr. Luiz Gastão Rosenfeld de 2023, homenagem criada pela Associação Brasileira de Medicina Diagnóstica (Abramed).

Entidades se unem em campanha de valorização dos laboratórios clínicos em prol da segurança dos pacientes

SBPC/ML, Abramed, SBAC, CBDL e APBM criaram a campanha #EuConfioNoLaboratório após publicação de norma que autoriza a realização de exames de análises clínicas em farmácias e consultórios

Para evidenciar a expertise e a precisão diagnóstica dos laboratórios clínicos e esclarecer a população, auxiliando nas melhores decisões com relação à saúde, as cinco principais entidades médicas do setor se juntaram para criar a campanha nacional #EuConfioNoLaboratório. A ação conjunta envolve a Sociedade Brasileira de Patologia Clínica e Medicina Laboratorial (SBPC/ML), a Associação Brasileira de Medicina Diagnóstica (Abramed), a Sociedade Brasileira de Análises Clínicas (SBAC), a Câmara Brasileira de Diagnóstico Laboratorial (CBDL) e a Associação Paulista de Biomedicina (APBM).

A motivação foi a publicação da Resolução da Diretoria Colegiada (RDC) nº 786/2023, da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), que entrou em vigor no dia 1 de agosto, permitindo a realização de exames de análises clínicas, em caráter de triagem, em farmácias e consultórios, os chamados testes rápidos. 

As entidades entendem que a nova norma é importante, mas chamam atenção para a garantia de rigorosos procedimentos de qualidade, que ofereçam precisão e confiabilidade aos resultados dos exames. Segundo elas, há um risco de a população fazer uso de exames por curiosidade ou conveniência.

“A nova RDC gerou muitas dúvidas, tanto nos profissionais da área, quanto nos cidadãos. Os laboratórios já têm a expertise de triagem e diagnóstico […] e é essa qualidade que traz segurança aos pacientes”, afirma o presidente da SBPC/ML, Fábio Brazão, que continua: “A busca contínua por qualidade do serviço é o que norteia nosso trabalho. Vamos seguir em frente acreditando nos laboratórios e oferecendo o melhor para a saúde da população”, diz.

Para o diretor de relações institucionais da SBPC/ML, Wilson Shcolnik, é histórica a junção de tantas sociedades científicas trabalhando em prol de um único objetivo: evidenciar a importância do trabalho laboratorial. “É estranho que esta nova diretriz na RDC apareça justo nesse momento, quando o laboratório ganha relevância e visibilidade em tempos de pandemia”, questiona ele.

Shcolnik, que também é presidente do Conselho de Administração da Abramed, declara que o desafio agora é mostrar o valor dos exames de laboratório, desde a promoção e prevenção de doenças até o diagnóstico, pela sua precocidade, possibilitando tratamentos que vão beneficiar os pacientes e trazer desfechos favoráveis, além de cura ou reabilitação. “Muitos nos acusam de realizar muitos exames ou de que os resultados não são acessados. Agora, iniciaremos uma campanha para dar voz aos representantes do setor, de modo que o laboratório tenha o seu valor bem declarado para toda a sociedade”, reforça.

Por sua vez, o presidente da CBDL, Carlos Eduardo Gouvêa, ressalta que o laboratório é o ponto de encontro entre pacientes e a medicina para diagnósticos mais precisos. “Depois da pandemia da Covid-19, o valor do diagnóstico ficou mais claro que nunca. Precisamos valorizar ainda mais o serviço que alicerça esses dados e, dessa forma, ter acesso a terapias cada vez mais precisas. É o laboratório que traz o cidadão lá da ponta da cadeia da saúde para ter visibilidade de fato, possibilitando-lhe um diagnóstico”, diz.

De acordo com a presidente da SBAC, Dra Maria Elizabeth Menezes, é muito importante disseminar a informação correta à população e que todos fiquem cientes da diferença entre Exames de Análises Clínicas – EAC realizados fora do laboratório (farmácia e consultório isolado) os chamados “teste de triagem” e exames realizados no laboratório (RDC786/2023). “Os exames realizados em laboratório precisam cumprir uma série de exigências sanitárias para a segurança do paciente. Sendo assim, fica nítida a importância da  campanha de valorização dos laboratórios uma vez que o resultado do exame laboratorial norteia a conduta clínica e o manejo do paciente”.

No vídeo abaixo, os presidentes das cinco maiores entidades do mercado de análises clínicas compartilham informações sobre o que torna os laboratórios tão essenciais para a saúde e o bem-estar de todos nós.

[Acesse o vídeo oficial da campanha]

Para orientar a população em geral, a campanha “Eu Confio no Laboratório” conta com um site próprio (www.euconfionolaboratorio.com.br), cujo propósito é fornecer informações transparentes e acessíveis sobre a realização de exames laboratoriais. A ideia é esclarecer dúvidas e ajudar as pessoas a tomarem decisões mais acertadas para cuidar de sua saúde.

No dia 4 de agosto, foi divulgado um vídeo de posicionamento, dando início à campanha. O engajamento inicial alcançou 331 mil contas, com mais de 12 mil interações e mais de 11 mil likes. O vídeo também pode ser acessado através do site. 

Abramed integra webinário da Shift sobre perspectivas para a medicina diagnóstica

Evento demonstrou que as expectativas para 2024 são positivas, com a continuidade da colaboração entre as entidades setoriais e o crescimento do uso da inteligência artificial

Para fazer uma retrospectiva de 2023 e discutir as tendências que conduzirão o setor de medicina diagnóstica em 2024, a Shift, especializada em Tecnologia da Informação (TI) para o segmento, convidou Wilson Shcolnik, presidente do Conselho da Administração da Associação Brasileira de Medicina Diagnóstica (Abramed), para integrar o webinário “Transformando a saúde dos negócios e das pessoas”, também com participação de Fábio Brazão, presidente da Sociedade Brasileira de Patologia Clínica/Medicina Laboratorial (SBPC/ML), e Maria Elizabeth Menezes, presidente da Sociedade Brasileira de Análises Clínicas (SBAC). O evento foi realizado no dia 28 de novembro, sob a moderação de Marcelo Lorencin, CEO e fundador da Shift, parceira institucional da Abramed.

Os palestrantes reforçaram a importância da medicina diagnóstica no setor de saúde, lembrando que cerca de 70% das decisões médicas se baseiam em resultados de exames laboratoriais. E esse valor ficou ainda mais evidente durante a pandemia. Segundo dados da 5ª edição do Painel Abramed – O DNA do Diagnóstico, as associadas realizaram mais de 720 milhões de exames de diagnóstico em 2022, um aumento de 9,5% em relação a 2021.

“Nosso setor está em crescimento e vai continuar assim por uma série de razões. Estou otimista, embora ainda tenhamos muitos desafios a enfrentar. O grande fator positivo neste ano que se encerra foi a união das entidades, de uma maneira nunca vista antes. Com isso, nos tornamos fortes para defender os interesses do setor diante de tantas ameaças que encontramos no ambiente externo, seja em assuntos regulatórios, como a RDC 786/2023, da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), seja em assuntos de mercado, já que muitos laboratórios também atendem a área privada”, disse Shcolnik.

Ele frisou que o foco da RDC era o funcionamento dos laboratórios clínicos, mas, por uma série de contingências, gastou-se muita energia na discussão sobre exames realizados fora do laboratório clínico. “Na minha opinião, conseguimos bons resultados, pois os critérios para realização desses exames são muito rígidos. Compete a cada um de nós fiscalizar como eles estão sendo feitos nas farmácias, afinal, não podemos submeter as pessoas a qualquer tipo de risco”, complementou.

Ainda referente à RDC 786/2023, Shcolnik apontou várias conquistas relacionadas à tecnologia da informação. Antes, não havia autorização legal para a liberação automática de exames, embora todos os laboratórios utilizem essa ferramenta. Agora, a questão está prevista na regulamentação. Outra conquista foi a assinatura dos laudos, que não precisa mais ser certificada, simplificando o processo.

Shcolnik participou recentemente de uma reunião na Anvisa, mas a agência revelou não ter condições de informar um cronograma para discutir e promover ainda mais alterações já identificadas na nova RDC. “Nós da Abramed temos discutido algumas iniciativas no futuro para nos proteger e oferecer aos pacientes as melhores práticas, com resultados de exames confiáveis”, acrescentou.

Lorencin reforçou que a evolução da RDC é importante, desde que não traga impacto negativo e autorize o uso da automação para garantir o equilíbrio do setor e, ao mesmo tempo, a segurança do paciente. “Isso é o que preconiza a questão da assinatura em termos de autenticidade e integridade dos dados, sem aumentar os custos na cadeia produtiva de medicina diagnóstica. Isso também foi um trabalho em conjunto”, destacou.

Essa união entre as entidades também resultou na campanha inédita de valorização do laboratório, chamada “Eu confio no Laboratório”, demonstrando preocupação com a saúde do paciente após alteração na RDC. O objetivo é conscientizar a população sobre a importância de buscar resultados de exames em locais adequados, garantindo a qualidade dos resultados.

De acordo com Brazão, o local que vai realizar o exame fora do laboratório clínico – que já tem essa expertise – precisa montar um programa de garantia da qualidade, para fazer gestão de equipamento, gestão de risco e gestão de pessoas. “O investimento nesses locais deve ser fiscalizado”, ressaltou.

Fazendo uma comparação com outros países, Maria Elizabeth compartilhou sua experiência em um evento na Guatemala, que reuniu representantes da América Latina, América Central e República Dominicana. O Brasil é o único país com poucas barreiras sobre exames realizados fora de laboratório. “Mesmo nos Estados Unidos, onde cada estado tem sua legislação, não é tão aberto assim, com a preconização da assistência primária através de farmácia e inteligência artificial para alguns exames. Por outro lado, a América Latina está preocupada com a qualificação de laboratórios”, disse.

Maria Elizabeth também contou que só no Brasil há o farmacêutico generalista, o que coloca em risco a vida dos laboratórios. “Esse generalista não tem competência para fazer os exames, fornecer os resultados para o paciente e fazer o encaminhamento correto. Existem alguns cursos preparatórios, mas não são desenvolvidos pelas sociedades científicas”, apontou.

O impulso da tecnologia

“A tecnologia é a base de qualquer negócio, mas é preciso que as empresas tenham maturidade para poder capturar o seu valor”, disse Lorencin. “Quanto mais madura uma organização está perante seus processos, mais consegue capturar resultados da tecnologia, que vão desde a automação total até diferenciais competitivos”, comentou o CEO da Shift.

Para Brazão, os laboratórios precisam de um sistema que ajude desde o cadastro até a liberação dos resultados, passando pelas três fases: pré-analítica, analítica e pós-analítica, com foco na segurança. “Com o avanço da tecnologia, vemos o crescimento da telemedicina, que aumenta o acesso e gera resultado de forma mais rápida. Vivemos o momento dos quatro ‘p’: prevenção, participação, previsão e personalização”, disse.

Ele citou outras tecnologias promissoras, como a genômica, a metagenômica e a espectrometria de massa. Nesse ponto, destacou a união também entre laboratórios menores para unir tecnologias e realizar exames em parceria. “É importante se apegar à tecnologia na automação e na qualidade, para que os clientes tenham confiança em seu trabalho”, comentou Brazão.

Por sua vez, Shcolnik citou outras inovações. A radiologia já utiliza reconhecimento de imagem com grandes benefícios para os pacientes. “O olho humano não consegue ver essas imagens, mas a inteligência artificial as identifica e envia alertas para que os médicos possam priorizar a análise dessas imagens e tecer suas conclusões”, explica.

Na área de laboratórios clínicos, acrescentou o reconhecimento de imagem em hematologia e até em parasitologia. Segundo ele, a inteligência artificial elevará a importância dos exames para as decisões clínicas de 70% para quase 90%. “Na literatura internacional já há definições do uso da IA para melhoria de processos em laboratórios, para identificação de novos valores de referência populacionais, para indicações de exames em cada situação clínica e sobretudo para auxílio na interpretação. A IA conseguirá unir todos esses dados e transformá-los em informações muito valiosas. Esse é um futuro que se aponta”, explicou Shcolnik.

Maria Elizabeth também acredita no aumento da importância dos exames laboratoriais. Segundo ela, o crescimento é impulsionado pela miniaturização de plataformas, permitindo que até mesmo laboratórios de menor porte realizem exames em suas próprias instalações.

A presidente da SBAC explicou que as plataformas reduziram os erros, desde a fase pré-analítica até a emissão do laudo. Nas mais compactas, há a possibilidade de personalização para atender às necessidades específicas dos pequenos laboratórios, possibilitando a realização de exames individualizados. Essa abordagem não apenas melhora a precisão dos resultados, mas também oferece maior flexibilidade operacional.

Ela lembra, no entanto, que os dados no Brasil não estão centralizados, o que é fundamental para trabalhar predição e prevenção. “A Shift pode ajudar nisso em parceria com as entidades. Há vários trabalhos sendo realizados no Brasil que necessitam de integração. Precisamos de um lugar para estocar dados e permitir a análise”, acrescentou.

Maria Elizabeth ressalta, ainda, que a IA não vai substituir o cérebro humano. “Quanto mais nos capacitarmos, menos seremos substituídos. A proximidade com o paciente será de extrema importância. Depois da tecnologia, vai voltar a era da humanização. O tratamento humanizado vai se sobrepor à tecnologia”, expôs.

De forma geral, as perspectivas para 2024 são positivas para o setor de medicina diagnóstica, com a continuidade da colaboração entre as entidades para atingir as demandas do setor e com o crescimento do uso da inteligência artificial, ajudando os laboratórios a atenderem à população com mais precisão e rapidez.

CFM, AMB e CBR alertam sobre riscos de usurpação da função do médico em exames de ultrassonografia

A Lei 12.842/2013 deixa claro que a emissão de laudo de exames endoscópicos e de imagem é atividade privativa do médico

O Conselho Federal de Medicina (CFM), a Associação Médica Brasileira (AMB) e o Colégio Brasileiro de Radiologia e Diagnóstico por Imagem (CBR) assinaram um comunicado conjunto para alertar a população sobre os riscos associados à realização de exames de ultrassonografia por profissionais não médicos.

A ultrassonografia, procedimento médico não invasivo, tem se expandido em diversas áreas da medicina, desempenhando papel crucial em diagnósticos precisos e acompanhamento de patologias. No entanto, as entidades médicas ressaltam a complexidade dessas áreas e a necessidade de conhecimentos profundos de embriologia, anatomia, patologia, além do domínio da técnica ultrassonográfica associada à clínica específica de cada especialidade.

O comunicado destaca que, embora as imagens documentadas representem apenas uma fração mínima das varreduras multiplanares visualizadas pelo médico durante o exame, são fundamentais para a elaboração de laudos diagnósticos. Esse processo, realizado em tempo real, exige não apenas a aplicação da técnica, mas também a interpretação correta das imagens, considerando a expertise do médico na área.

A Abramed expressa seu total apoio ao comunicado e destaca sua importância para a promoção da precisão diagnóstica e a segurança do paciente. Como defensora dos mais altos padrões éticos e técnicos na prática médica, a entidade ressalta a necessidade de garantir que os procedimentos ultrassonográficos sejam conduzidos exclusivamente por profissionais médicos altamente qualificados, assegurando a interpretação adequada das imagens e a emissão de laudos precisos que orientem o tratamento e o acompanhamento clínico.

Leia o comunicado na íntegra neste link.

Clínicas e laboratórios investem em espaços lúdicos para crianças

Os ambientes dedicados exclusivamente a esses pacientes contribuem para uma melhor experiência e tranquilidade de toda a família

A conscientização sobre a importância do bem-estar infantil em clínicas e laboratórios vem crescendo e muitos estabelecimentos perceberam a necessidade de criar ambientes mais acolhedores e amigáveis. Investir no conforto e na segurança das crianças tornou-se uma prioridade, pois isso pode melhorar significativamente a experiência das famílias que buscam cuidados de saúde. 

Atualmente, as prestadoras de serviços de diagnóstico contam com espaços dedicados exclusivamente a esse público, com brinquedos, jogos educativos e decorações alegres. Além disso, as equipes de saúde passaram a receber treinamento especializado em lidar com pacientes pediátricos, o que contribui para uma abordagem mais sensível e empática.

Acolhimento

Uma dessas clínicas é a CDPI Criança, do Rio de Janeiro, que surgiu no começo dos anos 2000 justamente para fazer essa diferenciação. “Passamos a ter um espaço exclusivo para atendimento aos pequenos pacientes. Na recepção já tínhamos uma área de lazer com brinquedos, além de um espaço mais lúdico para entreter as crianças e deixá-las mais tranquilas”, explica Tatiana Fazecas, radiologista pediátrica da CDPI Criança, que faz parte da Dasa.

Segundo ela, o espaço infantil é a melhor forma de acolher a criança. “Também temos um cuidado especial com os pais, que muitas vezes estão estressados com a saúde dos filhos e precisam de um atendimento mais cuidadoso”, complementa.

A equipe da CDPI Criança é formada por especialistas em pediatria, ou seja, todos os profissionais e equipes multidisciplinares, incluindo radiologistas pediátricos, equipes de enfermagem, apoio ao diagnóstico e técnicos, têm formação geral em suas áreas e especialização em cuidado infantil. “Isso traz inúmeras vantagens, como o conhecimento mais aprofundado em como lidar com a criança, desde o acolhimento na sala de espera até o momento da realização do exame, diagnóstico diferenciado e preciso das patologias pediátricas e exames mais direcionados com menor tempo de execução”, destaca Tatiana.

No contexto da realização de tomografias computadorizadas em pacientes pediátricos, a equipe especializada demonstra uma atenção extra à dose de radiação necessária e à condução do exame. A expertise em patologias pediátricas permite programar exames com doses de radiação reduzidas e protocolos adaptados à faixa etária, garantindo a segurança e a qualidade do diagnóstico.

Além disso, na CDPI Criança, a utilização da sedação em pacientes pediátricos durante tomografias é minimizada devido à eficiência dos aparelhos e ao foco nas necessidades das crianças. Em relação à ressonância magnética, quando necessária, são adotadas abordagens para evitar a sedação, como a comunicação clara com o paciente para reduzir ansiedade e a possibilidade de acompanhamento dos pais durante o procedimento.

Humanização

Goiânia está prestes a contar com uma unidade infantil totalmente lúdica do Laboratório Padrão, marca que passou a integrar o Grupo Fleury este ano. No novo laboratório a criança encontra um castelo com personagens logo ao entrar. Na recepção, uma linda paisagem transmite calma, causando a sensação de imersão em uma floresta. 

As portas dos elevadores dão continuidade ao interior da floresta. Elas se abrem como um distanciamento entre as árvores e trazem os animais. A sala de espera é uma brinquedoteca dentro do castelo, com brinquedos, mobiliários e desenhos para colorir alinhados à temática.

Para coletas de exames e vacinas há várias salas: do Castelo, dos Dragões, das Princesas, dos Animais, dos Unicórnios, da Floresta e dos Guerreiros. O colchonete das camas, os jalecos dos atendentes e até os curativos são personalizados com o tema. Ao final do atendimento, a criança leva um brinde e o certificado de coragem. 

“Além do ambiente lúdico e do espaço preparado para a comodidade das famílias, nossa equipe está treinada para oferecer o manejo e os cuidados adequados ao realizar a coleta dos pequenos clientes. O objetivo é proporcionar uma melhor experiência para todos na hora de cuidar da saúde”, diz a coordenadora de operações da rede de Laboratórios Padrão, Mariana Rodrigues.

Ela reforça ainda que a unidade também realiza o atendimento para adultos. Sendo assim, enquanto os pais fazem alguma coleta ou exame, os filhos podem aguardar em um ambiente acolhedor. 

Ambientação

No laboratório do Lab Imagem, do CURA grupo, em Londrina, também há um espaço kids dedicado ao acolhimento de crianças em processo de coleta de exames. A ambientação é completamente adequada a elas, com salas lúdicas decoradas com desenhos e cores que são familiares ao seu mundo. Na sala de brinquedos, podem se distrair enquanto aguardam atendimento.

Além disso, há um certificado de coragem e um painel com bichinhos disponíveis. O jaleco usado também possui uma cor diferenciada, ocasionalmente colorido, de forma que a criança não associe ao branco típico de hospitais. Todas essas medidas visam tornar o processo de coleta menos impactante.

Ela conta que os melhores técnicos de enfermagem, especialmente aqueles com maior empatia no cuidado com as crianças, foram selecionados para treinamentos de coleta no Hospital do Câncer de Londrina, uma vez que as veias das crianças são tão finas quanto as dos pacientes em tratamento quimioterápico.

Dessa forma, os técnicos receberam capacitação para aperfeiçoar a punção durante a coleta com maior cuidado. “Atualmente, o nosso Espaço Kids, que agora está mais estabelecido, conta com uma equipe inteiramente dedicada não apenas às crianças, mas também aos recém-nascidos”, explica Katlin Marçal, gerente de operações do Lab Imagem.

Tudo isso prova que um ambiente acolhedor e apropriado pode fazer uma diferença significativa na jornada de tratamento e na construção de uma relação de confiança com os pacientes mais jovens. O laboratório não precisa ser um ambiente frio e pouco amigável.

Tecnologias emergentes na saúde: oportunidades e desafios

Por Wilson Shcolnik*

A busca incessante por avanços científicos e tecnológicos no campo da saúde tem revolucionado a forma como enfrentamos desafios e promovemos o bem-estar em escala global.

No primeiro semestre de 2023, a Organização Mundial da Saúde (OMS) lançou um relatório intitulado “Tecnologias emergentes e inovações científicas: Uma perspectiva global de saúde pública”. Esse documento identifica as inovações mais promissoras em ciência e tecnologia capazes de impactar significativamente a saúde mundial no futuro próximo.

A medicina diagnóstica é um dos setores que se beneficiam dessas inovações, podendo disponibilizá-las imediatamente a pacientes. Por exemplo, o desenvolvimento de um diagnóstico viral de baixo custo traria uma mudança significativa na detecção precoce e no controle de doenças infecciosas, especialmente em regiões com recursos limitados.

A aplicação da genômica no diagnóstico precoce de doenças é outra inovação mencionada no relatório da OMS. Por meio da triagem pré-natal genômica universal e da identificação de distúrbios metabólicos e congênitos, é possível obter diagnósticos precisos e orientar o manejo e o tratamento dessas condições de forma mais eficiente. Além disso está bem descrita e já é realidade a aplicação da genômica na caracterização precisa de mutações relacionadas a diferentes tipos de câncer, e a definição de tratamentos personalizados.

Outra inovação citada refere-se ao diagnóstico remoto rápido por meio de dispositivos, como telefones celulares, relógios inteligentes e sensores vestíveis, que está revolucionando a maneira como conectamos pessoas aos serviços de medicina diagnóstica e outros serviços de saúde.

Essa solução permite a troca de informações em tempo real entre pacientes e médicos, promovendo a saúde individual, prevenindo doenças e melhorando o gerenciamento de condições médicas, além de fornecer dados relevantes para a gestão da saúde pública e economia da saúde.

Embora as tecnologias emergentes e as inovações científicas ofereçam promessas animadoras, é importante reconhecer e gerenciar os riscos associados a esses avanços.

Entre os desafios apontados pela OMS estão: a falta de confiabilidade e precisão dos resultados de exames; a dificuldade em compreender e interpretá-los, colocando em risco a segurança dos pacientes; a restrição de acesso devido a altos custos, com a ampliação das desigualdades na saúde; as preocupações com a privacidade de dados; e a necessidade de garantir padrões de fabricação consistentes.

Cabe adotar abordagens proativas para enfrentar esses desafios. Isso inclui investir em pesquisa e desenvolvimento para aprimorar a confiabilidade e a precisão dos testes diagnósticos; garantir a acessibilidade sem comprometer a sustentabilidade de sistemas de saúde, por meio de parcerias estratégicas e modelos de negócios inovadores; promover a educação e o treinamento adequados para os profissionais de saúde e os pacientes; bem como estabelecer ações rigorosas de segurança de dados e privacidade. Neste ponto, a Abramed reafirma o seu papel de protagonista, colaborando na busca por um setor cada vez mais sustentável.

À medida que continuamos a explorar as fronteiras da inovação em saúde, é fundamental nos dedicarmos a mitigar esses riscos de forma cuidadosa e responsável. Somente assim poderemos aproveitar plenamente o potencial transformador das novas tecnologias e garantir um futuro mais saudável para todos.

*Wilson Shcolnik é Presidente do Conselho de Administração da Associação Brasileira de Medicina Diagnóstica (Abramed)

IA, 5G e automação redefinem diagnósticos, tratamentos e cuidados

O avanço da tecnologia tem mudado a forma como os diagnósticos são realizados e afetando positivamente a prática médica.

A indústria da saúde está sendo profundamente impactada pela combinação de tecnologias avançadas, como: a Inteligência Artificial (IA), a implementação da rede 5G para melhorar a conectividade e ampliar o acesso à saúde em escala e a automação de processos para ganho de eficiência e produtividade.

Segundo Adriana Costa, diretora geral da Siemens Healthineers no Brasil, essas convergências estão revolucionando o campo do diagnóstico médico e impulsionando a inovação em dispositivos médicos. Veja como a seguir.

– Inteligência artificial para análise de imagens: algoritmos de inteligência artificial são capazes de analisar e interpretar imagens médicas com uma precisão surpreendente. Isso é especialmente útil, por exemplo, na radiologia. A IA pode auxiliar radiologistas na detecção de doenças em radiografias, ressonâncias magnéticas, tomografias computadorizadas e ultrassonografias. “Essa análise assistida por IA resulta em diagnósticos mais rápidos e precisos, permitindo o início do tratamento mais cedo”, ressalta Adriana.

A IA também ganha cada vez mais espaço no tratamento oncológico, como a utilização de ferramentas automáticas para delinear precisamente o tumor e preservar as estruturas sadias, além da personalização do tratamento (chamado de Radioterapia Adaptativa). 

Adriana explica que, nessa última modalidade, é possível adequar ou até mesmo modificar o tratamento devido às alterações anatômicas e/ou fisiológicas do paciente em tempo real, utilizando-se de ferramentas baseadas em IA, sem aumentar o intervalo de tratamento, mesmo com as novas configurações.

– Telemedicina habilitada pelo 5G: a tecnologia 5G proporciona velocidades de transmissão de dados ultrarrápidas e baixa latência. Isso é fundamental para a telemedicina, pois permite consultas em tempo real, sem atrasos ou interrupções significativas na transmissão de áudio e vídeo. “Com o 5G, médicos podem realizar exames virtuais com mais qualidade, ao mesmo tempo que pacientes podem receber cuidados remotos de forma mais eficiente”, acrescenta a diretora geral da Siemens Healthineers no Brasil.

– Automação laboratorial: no campo de tecnologias que visam trazer maior eficiência para a cadeia da saúde, Adriana destaca a automação no processo de diagnósticos em análises clínicas que já é utilizada em larga escala. 

A automação permite a realização de exames a partir de menos tubos e menor quantidade de sangue coletado para formação das amostras, o que gera menos incômodo ao paciente e mais agilidade no atendimento. Ela possibilita também maior segurança, pois elimina grande parte da manipulação humana na plataforma laboratorial e reduz o índice de reconvocação de pacientes e novas coletas.

Avanços na medicina diagnóstica

O avanço da IA e do aprendizado de máquina na medicina diagnóstica conta com diversas implicações significativas, que estão mudando a forma como os diagnósticos são realizados e afetando positivamente a prática médica. Algumas das principais implicações, como salienta Adriana, são:

  1. Diagnósticos mais precisos e rápidos: os algoritmos de IA podem analisar grandes quantidades de dados médicos, incluindo imagens de exames, dados clínicos e históricos do paciente, a fim de identificar padrões sutis que podem não ser detectados facilmente pelos profissionais de saúde. Isso resulta em diagnósticos mais precisos, aumentando a taxa de acerto e diminuindo a margem de erro.
  1. Detecção precoce de doenças: a IA tem o potencial de identificar sinais precoces de doenças em estágios iniciais, quando o tratamento é mais eficaz. Isso é especialmente relevante para condições crônicas e cânceres, condições médicas em que a detecção precoce pode salvar vidas e melhorar os resultados do tratamento.
  1. Auxílio aos profissionais de saúde: a IA não substitui os médicos, mas atua como uma ferramenta complementar, fornecendo informações adicionais e insights valiosos para apoiar os profissionais de saúde em suas decisões clínicas. Isso permite que os médicos se concentrem mais no atendimento direto ao paciente e em temas mais complexos, enquanto a IA lida com tarefas mais operacionais e de análise de dados.

Além disso, segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS), atualmente, o mundo sofre uma escassez de aproximadamente 43 milhões de profissionais de saúde, e esse mercado ainda tem o desafio de manter os profissionais devidamente treinados e atualizados, bem como atender à alta demanda devido ao envelhecimento populacional.

“Por meio da tecnologia de realidade aumentada, é possível democratizar o conhecimento clínico, elevar a eficiência da mão de obra e melhorar a produtividade dos prestadores de serviço à saúde”, frisa Adriana.

  1. Medicina personalizada: com base nos dados do paciente, a IA pode ajudar a personalizar tratamentos e terapias para indivíduos específicos, levando em conta suas características genéticas, seu histórico médico e seu estilo de vida. Isso pode resultar em abordagens de tratamento mais eficientes e menos invasivas.
  1. Redução de custos de saúde: a IA pode ajudar a otimizar o uso de recursos médicos, evitando testes desnecessários e direcionando os pacientes para o tratamento mais adequado. Isso pode levar a uma redução nos custos de saúde, tornando os serviços médicos mais acessíveis para uma parcela maior da população.
  1. Melhoria da triagem: algoritmos de IA também podem ser usados para triar grandes grupos de pacientes com base em fatores de risco e sintomas, identificando aqueles que precisam de atenção imediata ou acompanhamento mais próximo.

Integração e interoperabilidade

A integração de sistemas de informações médicas e a interoperabilidade de dados são questões fundamentais para melhorar a eficiência, a qualidade e a segurança dos cuidados de saúde. No entanto, Adriana aponta que elas também apresentam desafios e oportunidades significativas. Entre os principais desafios, estão:

Padrões e formatos diferentes: os sistemas de informações médicas são frequentemente desenvolvidos por diferentes fornecedores, utilizando padrões e formatos de dados variados. Isso dificulta a comunicação e o compartilhamento de informações entre os sistemas, resultando em falta de interoperabilidade.

Questões de segurança e privacidade: compartilhar informações médicas sensíveis entre diferentes sistemas pode aumentar os riscos de violações de segurança e privacidade dos pacientes. Garantir a proteção adequada dos dados é um desafio importante.

Custos e investimentos: a integração de sistemas e a interoperabilidade geralmente requerem investimentos significativos em infraestrutura e tecnologia. Isso pode ser um obstáculo, especialmente para organizações de saúde com recursos limitados.

Diversidade de usuários e necessidades: os sistemas de saúde atendem a uma variedade de usuários, incluindo médicos, enfermeiros, administradores e pacientes. Cada grupo pode ter necessidades diferentes de acesso e uso de informações, tornando a integração complexa.

Resistência à mudança: a adoção de novos sistemas e processos de integração pode encontrar resistência por parte de profissionais de saúde que estão acostumados com sistemas existentes e que podem sentir que a mudança afeta negativamente sua produtividade.

Por outro lado, temos como oportunidades:

Melhoria na tomada de decisões clínicas: a interoperabilidade de dados permite que os profissionais de saúde acessem informações abrangentes do paciente em tempo real, o que pode levar às decisões mais corretas e aos tratamentos mais adequados.

Redução de erros médicos: com o compartilhamento eficiente de informações, há menos chances de erros médicos causados por falta de dados ou registros desatualizados.

Melhoria da eficiência operacional: a integração de sistemas pode melhorar a eficiência operacional, eliminando a necessidade de inserir manualmente dados em diferentes sistemas e reduzindo redundâncias e erros.

Facilitação da pesquisa e avanços em saúde: dados interoperáveis podem impulsionar a pesquisa médica, permitindo que os pesquisadores acessem grandes conjuntos de dados de pacientes e realizem estudos mais abrangentes.

Engajamento do paciente: a interoperabilidade pode permitir que os pacientes acessem as próprias informações médicas, aumentando o envolvimento, a responsabilidade e o engajamento deles na gestão de sua saúde.

Sistemas de saúde mais conectados: a interoperabilidade facilita a comunicação entre diferentes instituições de saúde, melhorando a coordenação do cuidado e facilitando a transferência de pacientes entre instalações.

Futuro da saúde 

Ao projetar o futuro da saúde em termos de dispositivos médicos e soluções, Adriana tem uma visão bastante otimista. Algumas de suas perspectivas são: 

– Foco na prevenção e medicina preditiva: com a coleta contínua de dados de saúde por meio de dispositivos conectados, haverá um monitoramento da saúde e, consequentemente, um foco maior na prevenção de doenças e na medicina preditiva, permitindo a intervenção antes que problemas se tornem mais graves. Para esse avanço, é fundamental a colaboração entre setores com foco em toda a jornada do paciente.

– Implementação de estratégias ESG envolvendo toda a cadeia produtiva: não é mais possível lançar produtos, serviços e processos na área de saúde sem considerar os impactos ambientais, sociais e de governança. “Vejo uma expansão no mercado de produtos recondicionados em prol de uma economia circular e centros de serviço ao paciente mais eficientes e inclusivos, desde o aspecto de infraestrutura até a formação de profissionais multidisciplinares, considerando os pilares de diversidade, equidade e inclusão”, expõe. 

Novos modelos de negócio: baseados em desfechos clínicos, eficiência e resultados compartilhados para reinvestimento em pesquisa e desenvolvimento de soluções sustentáveis.  

– Inteligência artificial integrada: a IA desempenhará um papel cada vez mais significativo na análise e interpretação de dados de saúde, permitindo diagnósticos mais precisos, tratamentos personalizados e melhor gerenciamento de doenças crônicas.

– Realidade aumentada e realidade virtual: essas tecnologias serão mais amplamente incorporadas em treinamentos e educação médica, planejamento cirúrgico, terapia de reabilitação e até mesmo em procedimentos médicos para aprimorar a precisão e a eficácia dos tratamentos. 

– Telemedicina e saúde digital: eles ganharão ainda mais destaque, possibilitando consultas médicas remotas, monitoramento à distância e acesso facilitado aos serviços de saúde.

– Conectividade 5G e Internet das Coisas (IoT): o 5G e a IoT fornecerão a infraestrutura para uma rede de dispositivos médicos conectados, permitindo uma troca mais rápida e segura de dados entre dispositivos e sistemas de saúde.

À medida que nos aproximamos desse futuro visionário, surge uma mensagem clara: a convergência tecnológica está redefinindo o que é possível, inspirando um mundo onde a saúde é mais acessível, personalizada e poderosa do que jamais imaginamos.

Nota de apoio da Abramed à Reforma Tributária

A Associação Brasileira de Medicina Diagnóstica (Abramed) vem, por meio desta nota, expressar seu apoio à Reforma Tributária aprovada, nesta quinta-feira (6), em primeiro turno pelo plenário da Câmara, enaltecendo especialmente a postura do relator, Deputado Aguinaldo Ribeiro. 

Em primeiro lugar, gostaríamos de parabenizar o relator pelo seu trabalho, especialmente por conferir tratamento diferenciado ao setor de saúde. Agradecemos, sobretudo, a redução sobre a alíquota geral, que para ser neutra para o consumidor, precisou ser de pelo menos 60%, refletindo o entendimento dos parlamentares e o reconhecimento de que se trata de um setor essencial, constitucionalmente instituído e que presta serviços de qualidade. Entendemos a importância de uma Reforma Tributária e reconhecemos a necessidade de um novo modelo que evite distorções futuras e assegure a eficiência do sistema. 

Ressaltamos que o desequilíbrio na tributação da saúde afeta não apenas o setor em si, mas também o poder público e a sociedade como um todo. Por esta razão, reforçamos a importância da manutenção do mesmo nível de tributação que o setor já paga, a fim de garantir a sustentabilidade e a qualidade dos serviços prestados, inclusive no que tange a possibilidade de redução de alíquota em 100% para dispositivos médicos como previsto para medicamentos.

Por fim, agradecemos a atenção dada ao setor e nos colocamos à disposição para contribuir com informações e expertise, visando à construção de um sistema tributário mais justo e eficiente, capaz de impulsionar o desenvolvimento do país.

Dados digitais: a vulnerabilidade do paciente na transformação da medicina diagnóstica

*Por Rogéria Cruz

A tecnologia em Saúde é algo já mandatório. A implantação de plataformas que otimizam a gestão, melhoram o aproveitamento dos recursos e a análise de dados, assim como apoiam as tomadas de decisão, trazem otimismo ao ecossistema desgastado pela falta de recursos financeiros. A evolução é comemorada, pois, na ponta, pode aumentar o acesso e proporcionar a oferta de cuidado de forma mais segura, rápida e preditiva. 

Além disso, pode permitir o exercício de uma medicina diagnóstica mais igualitária, levando atendimento a toda uma parcela mais abrangente da população, como aconteceu com a incorporação da telemedicina. Mesmo com deficiências, esse modelo de atendimento, indiscutivelmente, leva assistência às comunidades que vivem em locais remotos, com dificuldade de locomoção, que precisam do acompanhamento primário de forma mais ostensiva.

Porém, como toda novidade, enquanto o carro anda, a roda é trocada. Vale fazer algumas perguntas e buscar respostas, uma vez que as organizações devem refletir o que moralmente é desejável da parte dos profissionais e dos usuários a partir do uso de ferramentas que busquem salvaguardar o ambiente da Saúde. 

Seria admissível, por exemplo, pedir e compartilhar senhas? Violar as regras das organizações? Acessar ambientes computacionais fora da área de atuação? Compartilhar prints de telas de computador que possam caracterizar um incidente de segurança? Expor o paciente quanto aos seus dados diagnósticos, inclusive o assistindo de forma não igualitária? Ter dados de maneira tão fácil e compartilhada com tantos profissionais atua positivamente de forma disruptiva, mas aumenta o grau de exposição e de possibilidade de exploração.

Por isso, o próprio beneficiário deve ter controle sobre as suas informações pessoais e fiscalizar as unidades de atendimento quanto à aplicação de legislações protetivas. Enquanto isso, o desafio da gestão segura de dados para que maus profissionais, ou mesmo usuários, joguem dúvida sobre os avanços digitais depende da construção de valores, como honestidade, integridade e solidariedade. Seja no âmbito pessoal, seja no corporativo. Afinal, lidamos com pessoas, acima de tudo, que confiam e entregam em nossas mãos a sua expectativa de bem-estar e qualidade de vida, além da cura, entendendo que os avanços não os prejudicarão. 

A partir dessa premissa, enquanto as tecnologias vão sendo implantadas, a legislação voltada para manter a segurança da captura de dados, bem como sua utilização dentro das clínicas de diagnósticos, hospitais e operadoras, vem sendo construída. 

O setor sempre atuou preservando o sigilo e a confidencialidade, contudo o mundo digital amplia a possibilidade de trocas de informações. Logo, regular só reforça esse compromisso de tutelar todos os tipos de dados envolvidos na assistência. A Lei Geral de Proteção de Dados (LGPD) foi um início promissor para organizar e deliberar o que se fazia em ambiente pouco regulado: a internet. 

Mais recentemente, a Emenda Constitucional 115/22 acrescentou o direito à proteção de dados, inclusive digitais, entre os direitos e as garantias fundamentais. Além disso, as entidades de classe, como médica e de enfermagem, contam com seus códigos de ética com o objetivo de resguardar os pacientes de eventos danosos. Assim como o Código de Conduta da Abramed e o nosso Comitê atuam para promover conscientização e conhecimento. Inclusive, intensificar treinamentos, fazer campanhas de conscientização, ter ferramentas de apoio também são atitudes que reforçam a adesão a um bom programa de compliance, cujas ações devem ser constantes e duradouras.

Também estão em tramitação, em paralelo, o Marco Civil da Internet e a Lei das Fake News, que podem resguardar o paciente de atuações de profissionais que agem com má-fé (disseminando falsos tratamentos, por exemplo) e capturam pessoas e informações por meio de cadastros falsos, por exemplo.

Comprovando essa vulnerabilidade dos dados, recentemente acompanhamos pela imprensa casos de tentativas de driblar as regras dos planos. O fato trouxe à tona essa provocação sobre sigilo e proteção de dados pessoais. Mas avaliamos quando e de que forma o próprio usuário se expõe de forma autodestrutiva? Há interferência do setor médico?

Como uma grande ação orquestrada, também se encontram profissionais sugerindo que pacientes forneçam login e senha do plano para que seja feito o reembolso assistido, ou seja, o beneficiário recebe como promessa a facilitação do processo de pedido de reembolso. Uma espécie de aliciamento? O ordenamento jurídico não é omisso com relação a essa previsibilidade, pois o Artigo 171 do Código Penal trata do tema e gera sanções.

O usuário pode ter a falsa impressão de que essa prática de reembolso, por exemplo, afetaria apenas o seu plano, sem grandes danos, quando, na realidade, impacta todo o sistema em detrimento a ele mesmo e a seus familiares. Se o plano é corporativo, aumenta-se a sinistralidade, que reflete no valor a ser pago, o que aumenta o custo, que é repassado ao contratante. Assim chegamos a R$ 11,5 milhões de rombo financeiro nas operadoras.

A ocorrência de fraudes gera um impacto financeiro relevante, diminui a qualidade no atendimento ao paciente, assim como cancelamentos, colocando o usuário em risco diante de procedimentos desnecessários e aumentando os custos médico-hospitalares. Portanto, não há espaço para que sua prática seja tolerada pela sociedade, uma vez que, no final da cadeia, a conta é paga por quem precisa do atendimento.

As associações de classe estão tendo protagonismo em disseminar informações sobre a questão, buscando atuar de forma proativa. A Abramed, por exemplo, sempre tratou o tema como relevante para manutenção do equilíbrio do setor, abrindo espaço aos associados para que reportem casos que entendam importantes serem apoiados. Em um contexto de transformações em que a relação paciente-plano-profissional é cada vez mais centralizada em mecanismos online, discutimos incansavelmente o combate a ações criminosas.

*Rogéria Cruz é líder do Comitê de Proteção de Dados da Abramed e diretora Jurídica de Proteção de Dados do Hospital Albert Einstein

A saúde baseada em valor: reflexões sobre o momento e alternativas para o futuro

Por Leonardo Vedolin*

Em meio a um cenário de alta volatilidade e incerteza, é essencial que as organizações de saúde parem e reflitam sobre seus avanços, retrocessos e aprendizados, bem como sobre o funcionamento do sistema de saúde em geral. As questões que se impõem são: estamos no caminho certo? Devemos ajustar nossa estratégia dada a realidade atual? É possível pensar em modelos sustentáveis?

Passados quase vinte anos do uso do conceito de medicina de valor por Michael Porter e Elizabeth Teisberg, conceito já incorporado por diversas empresas e organizações pelo mundo, um artigo recente do The New England Journal of Medicine (NEJM)1 propõe uma agenda global de medicina de valor para a próxima década.

Em um contexto de aceleração deste movimento, em parte estimulado pelas demandas urgentes criadas pela pandemia da Covid-19, a conjuntura atual apresenta três crises: de valor, de evidência e de propósito. A primeira, de valor, diz respeito ao desequilíbrio entre desfecho e custo; a crise de evidência aponta para a perda da conexão entre a pesquisa e a prática clínica; enquanto a crise de propósito, segundo os autores, percebe-se um sentimento corrosivo de desvalia dos profissionais de saúde.

Estaríamos, portanto, diante de um ponto crítico de inflexão para implementar uma nova agenda, e nosso principal desafio – mas também oportunidade – é usar os princípios de cuidados de saúde baseados em valor para transformar sistemas de saúde regionais e nacionais inteiros, como um princípio organizador transformacional. Uma agenda que envolva não apenas organizações, mas empresas, colaboradores e todos os stakeholders do setor. Incluindo os médicos, que detém a arte de promover a saúde e o bem-estar dos pacientes.

Como discutido amplamente nos últimos anos, a abordagem de cuidados de saúde baseados em valor procura otimizar a relação entre a qualidade dos cuidados de saúde e os custos envolvidos em seu fornecimento. Essa abordagem pode ajudar a reduzir o desperdício, a ineficiência e a variação desnecessária nos cuidados, e, ao mesmo tempo, melhorar a qualidade assistencial. A medição sistemática dos resultados de saúde é uma parte crítica dessa abordagem, pois permite aos provedores avaliar seu desempenho e identificar oportunidades de melhoria.

A institucionalização das medidas de desfecho é uma parte importante da agenda de valor, pois ajuda a garantir que os pacientes recebam um cuidado adequado, eficiente e centrado em suas necessidades. O alinhamento de sistemas de pagamento também é crucial para que se certifique que os prestadores de serviços sejam recompensados por oferecer o melhor cuidado possível aos pacientes. Por último, mas não menos importante, os investimentos em infraestrutura robusta para expansão da saúde digital são essenciais para assegurar que os pacientes tenham acesso aos melhores cuidados de saúde possíveis, independentemente de sua localização geográfica.

A adoção e implementação dessa tríade de iniciativas demanda, evidentemente, uma coordenação em nível nacional, composta pelos responsáveis coletivos pela agenda de valor – um “system leadership” – cujas decisões devem ser compartilhadas e discutidas com todos os principais atores do setor. Trata-se de uma agenda ampla e ousada, mas se bem realizada resultará em um novo paradigma para o sistema.

Países como Singapura, Holanda e País de Gales – que já se movimentaram nessa direção – são as vitrines que deveríamos observar e aprender com suas experiências. Suas iniciativas demonstram, desde já, a importância de líderes em saúde assumirem a responsabilidade coletiva pela agenda de valor e liderarem o caminho para sua implementação efetiva.

No Brasil, já existem empresas que conduzem suas operações com maior uso de dados, aprofundamento da capacidade analítica utilizando modelos de inteligência artificial e procurando ampliar a interoperabilidade entre sistemas. A integração da rede, que é gerida a partir de uma profunda transformação digital, nos leva a uma medicina mais preventiva e personalizada, ao mesmo tempo que elimina desperdícios, fortalecendo todo o sistema.

Deixo essa reflexão para todos nós, líderes deste setor, responsáveis pela entrega de uma saúde eficiente, segura e centrada naquele que deve, sempre, estar no centro do cuidado: o paciente de todos os “sistemas” de saúde. Esta agenda de valor virá do nosso esforço colaborativo, com transparência, confiança e foco num sistema mais sustentável.

1- Larsson S, Clawson J, Howard R. Value-Based Health Care at an Inflection Point: A Global Agenda for the Next Decade. NEJM Catalyst February 24, 2023. Link.

*Leonardo Vedolin é diretor-geral médico e de cuidados integrados da Dasa.

Publicado originalmente pela Revista Medicina S/A. Link original disponível aqui.